Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Esta página é uma iniciativa informativa DIÁRIA especialmente vocacionada para Oficiais de Justiça. De forma independente da administração da justiça e dos sindicatos, aqui se disponibiliza a informação relevante com um novo artigo todos os dias.



Pode ouvir aqui rádio com música alternativa não massiva e sem publicidade


LEGISLAÇÃO RELEVANTE RECÉM PUBLICADA EM DR:
(com interesse para os Oficiais de Justiça)
[1]
Portaria nº. 365/2017 de 07DEZ - Regulamenta o Serviço Público de Notificações Eletrónicas (SPNE) associado à morada única digital, previsto no Decreto-Lei nº. 93/2017, de 01AGO.
[2]
Portaria nº. 370/2017 de 12DEZ - Procede à primeira alteração da Portaria n.º 288/2016 de 11NOV, que define o âmbito de recrutamento para frequência do curso de formação específico de administrador judiciário. .

Oficial de Justiça Últimas Publicações:

Terça-feira, 10.10.17

Grelhas de Correção da Prova de acesso a Secretário de Justiça

      A Direção-Geral da Administração da Justiça (DGAJ) divulgou ontem na sua página a grelha de correção da prova (versão A e B) de acesso à categoria de Secretário de Justiça, realizada este fim-de-semana (07OUT-Sab).

      Pode aceder diretamente à mencionada grelha através da seguinte hiperligação: “GrelhasProvaSJ”.

      Caso não tenha feito a prova e gostasse de a conhecer, pode solicitar uma cópia, escrevendo para o endereço de correio eletrónico geral desta página (e-mail) que encontra na coluna aqui no lado direito, a qual será enviada no prazo máximo de 24 horas (dispomos da versão A da prova digitalizada).

      Para esta prova estavam aprovados 1135 candidatos, mas nem todos compareceram à prova, que se realizou este último sábado em Coimbra, Faro, Funchal, Lisboa, Ponta Delgada e no Porto.

      Os candidatos aprovados eram maioritariamente da carreira judicial: 970 candidatos, contra 165 oriundos da carreira do Ministério Público (85,46% v. 14,54%).

      O número maior de candidatos era constituído por Escrivães de Direito: 622. Em segundo lugar encontravam-se os Escrivães Auxiliares com 257 candidatos, seguidos dos Escrivães Adjuntos com 91 candidatos.

      Assim, os três primeiros lugares por quantidade de candidatos por categoria, foram ocupados pela carreira judicial.

      Os três lugares seguintes, e últimos, foram, portanto, ocupados pelas categorias da carreira do Ministério Público.

      Em quarto lugar encontram-se os Técnicos de Justiça Auxiliares, com 73 candidatos, seguidos de 62 Técnicos de Justiça Principais e, por fim, em sexto lugar, de 30 Técnicos de Justiça Adjuntos.

      Assim, das categorias imediatamente anteriores à de Secretário de Justiça concorreram 684 candidatos (60%) e das demais categorias (Auxiliares e Adjuntos) concorreram 451 candidatos (40%).

      Este procedimento concursal teve início em 04-11-2015, isto é, há quase dois anos e, ao longo do tempo, os candidatos, especialmente os das categorias imediatamente antecedentes à de Secretário de Justiça, ficaram desanimados com o concurso, por verem tantos candidatos mas especialmente por constatarem que há um número muito elevado de jovens detentores de licenciaturas que facilmente se disponibilizarão para ocupar todos os lugares em qualquer ponto do país, ao contrário daqueles que, não tão jovens, não estão dispostos a aceitar uma colocação em qualquer ponto do país.

      O desânimo surge ainda pela constatação de que muitos foram usados ao longo de vários anos nas funções, seja em substituição formal ou mesmo informal, sem o vencimento corrigido, e que tal uso ao longo de tantos anos não serviu para nada, sendo agora ultrapassados por jovens sem percurso na carreira e sem a experiência acumulada; tendo também consciência de que haverá lugares que, embora não estejam ocupados, não estarão disponíveis no movimento e que, de certa forma, permanecerão reservados.

      Entre estes e outros aspetos, houve quem faltasse à prova e houve quem a fizesse só para marcar presença. Além disso, é claro que só uma ínfima parte destes mais de 1100 candidatos poderá ser colocada, nunca mais de 10% dos candidatos, isto é, ficarão sempre de fora, desde já e nos próximos anos, durante a validade do concurso, cerca de 90% dos candidatos, que se arrastam neste concurso desde há dois anos, e que nunca conseguirão um lugar na categoria a que concorrem.

ProvaFormularioRespostasBolinhas.jpg

oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas/"Tags":

às 08:10


41 comentários

De Anónimo a 10.10.2017 às 08:57

Definição de "Secretário"
Há poucos anos atrás: Pessoa que chefia uma secretaria.
Agora e mais que nunca: Pessoa que está ao serviço de outra ou de uma empresa ou entidade, e que tem a seu cargo a gestão e redacção da correspondência, a classificação de documentos, o atendimento de chamadas telefónicas, a gestão e agendamento de reuniões, consultas, tarefas, viagens, contactos, etc., dessa pessoa ou entidade.

"secretário", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/secret%C3%A1rio [consultado em 10-10-2017].

De Pedro Ferreira a 11.10.2017 às 08:25

Prova fácil. Espelha a forma como a administração encara a categoria. Tdo este curso é uma vergonha para a DGAJ e para o Ministério da Justiça.

De Anónimo a 11.10.2017 às 18:08

Ao administrador, pessoa que escreveu" O desânimo surge ainda pela constatação de que muitos foram usados ao longo de vários anos nas funções, seja em substituição formal ou mesmo informal, sem o vencimento corrigido, e que tal uso ao longo de tantos anos não serviu para nada, sendo agora ultrapassados por jovens sem percurso na carreira e sem a experiência acumulada; tendo também consciência de que haverá lugares que, embora não estejam ocupados, não estarão disponíveis no movimento e que, de certa forma, permanecerão reservados"...
só me resta colocar estas questões:
A prova não foi igual para todos?
Todos tiveram acesso aos manuais divulgados?
Todos dedicaram parte do seu tempo disponível para se preparar convenientemente?
A formula plasmada para efeitos de gradução no EFJ, há quanto tempo assim consta?
O preâmbulo do estatuto visa valorizar as competências, quem diz que são todos " jovens sem percurso na carreira e sem a experiência acumulada" - 10 anos de auxiliar ou de adjunto não são experiência acumulada, se não o é, o que é?
Ao longo deste dois anos de duração, que certamente serão mais de três a administração não teve tempo para alterar esse pormenor de cálculo?
Quem neste momento ocupa o lugar não teve no inicio que se inteirar de assuntos relativos à categoria, bem sabendo que quando aceitou o cargo o lugar não lhe estava reservado?
Porque não sugerir uma fórmula que contemple a antiguidade em vez do mérito e das habilitações académicas?
No entanto deixo aqui uma sugestão para uma fórmula que no meu entender em nada melindra os que detém mais antiguidade, são licenciados e detém a categoria de ED ou TJP e que tem pouca antiguidade na categoria que passaria:
N= Nota da prova x 0,5 + classificação serviço x 0,3 + habilitações académicas x 0,1 + antiguidade na carreira x 0,1.

Habilitações literárias : 20 - superior a licenciatura, 18 - licenciatura, 16 - 11º ou equivalente.

ou seja, com esta fórmula façam contas.



De oficialdejustica a 11.10.2017 às 23:32

Os dados do concurso estão corretíssimos e estão conformes com o Estatuto EFJ. A questão que se coloca é outra: é a reflexão sobre se a exceção que há 20 anos fazia sentido hoje fará o mesmo sentido e se se deve continuar a considerar que um Auxiliar que nunca foi Adjunto nem nunca dirigiu uma secção, tem a mesma experiência profissional de alguém que, para além dessa categoria inicial, já exerceu funções em três categorias, para chegar à última.
A experiência profissional de toda uma carreira que passa por todas as categorias deveria ser privilegiada e suprimido o salto de Auxiliar ou Adjunto para Secretário apenas porque detém uma licenciatura. É uma opinião que se tem por mera questão de justiça, isto é, por se considerar mais justo que as categorias sejam subidas degrau a degrau e não por salto. É uma opinião, claro está, que não coincide com todas as opiniões.
Para além disso há ainda, em todo este processo do salto uma incongruência: o Auxiliar licenciado pode passar a Secretário mas não pode ser Escrivão de Direito ou Técnico Principal. Por que não? A considerar-se o salto válido, valide-se então para qualquer categoria superior e não apenas para Secretário. Se queremos manter no Estatuto a exceção, seja então uma exceção coerente, pois se o Auxiliar pode ser Secretário diretamente, então também pode ser qualquer outra coisa, seja Adjunto, seja Escrivão ou Principal, caso não consiga ser Secretário.
Não é coerente a exceção por salto permitir apenas chegar à última categoria. Se se é capaz de exercer na última, então devia ser capaz de exercer em todas. Ou chega a todas ou não chega a nenhuma. Ou há exceção coerente ou não há nada.
Esta é a reflexão que cumpre fazer neste momento em que se inicia a discussão e negociação de um novo Estatuto.
Da maioria dos Oficiais de Justiça auscultados é ponto assente que a exceção deveria ser suprimida por não ser justa. Não se trata sequer de conceber novas fórmulas, trata-se de acabar, pura e simplesmente, com a possibilidade de outras categorias que não as imediatamente anteriores à de Secretário de Justiça poderem aceder à mesma, passando a ter um regime de subida gradual na carreira, lógico e justo.
Mas, como se disse, isto é uma opinião e, como tal, não agradará todos, especialmente aos por ela afetados que não veem nela refletidos os seus interesses pessoais, porque o que se pretende é uma visão geral e ampla da carreira, como um todo coerente e sem exceções e benefícios particulares que nem sequer se mostram coerentes, embora se admita que, no passado, pudessem ter algum interesse, mas hoje, dada a nova realidade formativa das pessoas, o eventual interesse que poderia existir na norma antiga conflitua com a realidade. Mais uma vez se faz notar que não se trata sequer de criar fórmulas, mais ou menos justas, trata-se apenas de as anular, pura e simplesmente; de suprimir a exceção do salto que, como também aqui já se considerou, é salto à vara.

De Anónimo a 12.10.2017 às 00:56

Por outro lado, há quem considere chocante facilitar aos colegas que não percorrem toda a carreira, ascendendo diretamente, apenas porque possuem uma licenciatura qualquer, como se isso fosse relevante e mais valioso do que muitos anos de experiência nas várias categorias, desempenhando todas as funções que, quem ascende diretamente, ignora. É hoje chocante que o acesso à categoria de Secretário de Justiça não esteja limitada aos das categorias imediatamente anteriores, aliás, como sucede nas demais categorias. A possibilidade de ascender diretamente de Escrivão Auxiliar a Secretário de Justiça apenas porque se detém uma licenciatura é, hoje, desproporcionado, discriminatório e absurdo. Tal como absurdo seria que o mesmo Escrivão Auxiliar ascendesse a Escrivão de Direito ou a Escrivão Adjunto apenas porque detém uma licenciatura, por que não? Se pode ascender a Secretário de Justiça, por que razão não há de poder ascender também às outras categorias? Parece ridículo e de facto é ridículo.
Embora existisse alguma motivação justificativa para a criação desta exceção no passado distante, perante uma realidade diferente, hoje, tal exceção não tem qualquer justificação e não deveria existir.
Assim, é uma sorte que aqueles que não detêm a categoria de Escrivão de Direito ou de Técnico de Justiça Principal, possam, ainda, concorrer àquela categoria final da carreira. É uma sorte antiga e velha, desproporcionada e absurda, fruto de outros tempos e que hoje só pode ser eliminada uma vez que cria injustiça na carreira e deturpa a normal progressão. O benefício de alguns não pode corromper o benefício coletivo. Um sistema com regras e exceções que contrariam as regras é um sistema injusto para o coletivo e para a carreira no seu conjunto, embora aporte benefício para uma minoria. É uma questão de justiça.

De Anónimo a 12.10.2017 às 22:14

Ridícula é a posição de alguns. Eu atualmente sou adjunta, fui um dos muitos auxiliares que optou por progredir na carreira, no entanto acho ridícula a posição de determinados colegas, que por deterem a categoria de chefe de secção menosprezam os seus colegas auxiliares por acharem que não detém competências. Quando o concurso foi lançado vi muito pouca gente preocupada com o salto à vara, até aqui o #oficial de justiça#, deixou passar isso entre linhas.
O estatuto tem 18 anos, 18 anos, acordaram agora para a realidade?
Olhem meus caros colegas, aqui a auxiliar que por ventura, não deixou de ir fazer a prova, apesar de ter consciência que nada lhe valerá a nota que conseguiu tirar, 17 valores! e vocês?, estudaram? aplicaram-se? se calhar não! sei de colegas que saíram da prova convencidos que iriam ter uma grande nota, e upssss! agora passam por nós e dizem, epá... fiz cada coisa na prova... .
Mas não se preocupem, porque quando as notas forem divulgadas e os resultados dos auxiliares forem muito melhores que os dos seus big bossssssesss, ai sim vai ser um vendaval, porque os auxiliares e os adjuntos até levaram a coisa a sério, enquanto outros... bom, mas isto sou eu a pensar alto..., se calhar até correu bem a alguns ED e TJP, e esses estão nas nuvens.
Ao sr. #oficial de justiça#, não sei qual é a sua categoria, mas pela sua posição quanto à malta do salto à vara, a coisa não lhe terá corrido bem? correu?
No entanto dou-lhe os meus parabéns pelo trabalho fantástico deste blog. Bem aja.

De Anónimo a 12.10.2017 às 22:44

Já agora, acabem com as fórmulas, as provas, e todas essas tretas.
Factor "C", ou então como foi o concurso para administrador judiciário, antiguidade e avaliação curricular! Hellooooooooooooo, acordem pra vida...
Alguém se lembra quais eram os temas de estudo do primeiro concurso para administrador judiciário? Bem, eu só assim por alto lembro-me que até matemática (derivadas e primitivas) vinha como tema de estudo. E agora? Se calhar há alguns A J em exercício de funções que nem uma folha de cálculo de excel sabiam preencher, e agora são uns senhores.
Já o meu pai dizia, "vai estudar rapaz, não estudes não, logo vez o que te acontece!"
Aqueles que se queixam do salto à vara, só lhes digo uma coisa, os auxiliares e os adjuntos tem de reunir 3 requisitos (muito bom, sete anos de efetividade, e deter uma das licenciaturas constantes no..., não é uma qualquer, como alguns sabichões apregoam aqui) para poderem estar a concurso, e matê-los, enquanto os ED e TJP, basta-lhe ter bom e 3 anos na categoria. Ainda se queixam?

De oficialdejustica a 12.10.2017 às 23:47

Resposta ao comentário anónimo de 12-10-2017 às 22:44:
Da mesma forma que se acredita que o melhor para a carreira é que todos - todos mesmo - subam uma categoria de cada vez. Por exemplo, no judicial: primeiro Escrivão Auxiliar, depois Escrivão Adjunto, depois Escrivão de Direito e, por fim, Secretário de Justiça, se acredita também que, depois disso, de estar nesta categoria final, deverá estar limitado o acesso apenas a estes às comissões de serviço como Administradores Judiciários ou Inspetores do COJ. É uma opinião que poderá não agradar a todos, especialmente a alguns com perspetivas de alcançarem alguns lugares, no entanto, acredita-se que a carreira assim, sem exceções, manteria uma mobilidade permanente para todos, sem bloqueios no final da carreira com sucessivos tamponamentos da última categoria e das possíveis comissões de serviço por indivíduos mais novos que bloquearão toda a mobilidade em todas as categorias. O facto de haver a exceção dos "saltos à vara" que beneficia uns poucos, acaba por prejudica toda a carreira e prejudica a progressão de um Auxiliar que não pode ser promovido a Adjunto porque este último também não é promovido a Escrivão porque este não pode seguir para Secretário. Acredita-se que é do interesse geral, isto é, de mais de 7000 Oficiais de Justiça, sob pena de não interessar a alguns cerca de 1000, acabar com a exceção da pomoção por ser detentor de um curso superior, uma vez que, hoje, isso já começa a ser vulgar, quando há duas décadas atrás não era. É uma opinião simples e não está em causa nem merece mais apreciação, como se há mais regras para uns do que para outros ou se a fórmula é mais ou menos justa. Considera-se que antes de tudo isso, a exceção é prejudicial para a carreira e é só por isso, por se considerar prejudicial para o coletivo que se acredita que deveria acabar. De todos modos, esta convicção irá manter-se assim, uma mera convicção, uma vez que nem a Administração no seu anteprojeto de Estatuto nem os sindicatos parecem estar interessados em terminar com a exceção e só na alteração da fórmula. Mesmo que assim fique a final, continuar-se-á a acreditar que é mau para a carreira.

De oficialdejustica a 12.10.2017 às 23:33

Resposta ao comentário anónimo de 12-10-2017 às 22:14:
Os casos pessoais são apenas isso: casos pessoais e não constituem casos gerais. Independentemente dos casos pessoais, acredita-se que o melhor para a carreira é que todos - todos mesmo - subam uma categoria de cada vez. Por exemplo, no judicial: primeiro Escrivão Auxiliar, depois Escrivão Adjunto, depois Escrivão de Direito e, por fim, Secretário de Justiça. Acredita-se que a carreira deveria ser sempre assim sem exceções, mantendo uma mobilidade permanente para todos, sem bloqueios no final da carreira com o possível tamponamento da última categoria por indivíduos mais novos que bloquearão toda a mobilidade em todas as categorias. O facto de haver a exceção dos "saltos à vara" beneficia uns poucos mas prejudica toda a carreira e prejudica a progressão de um Auxiliar que não pode ser promovido a Adjunto por este último também não é promovido a Escrivão porque este não pode seguir para Secretário. Acredita-se que é do interesse geral, isto é, de mais de 7000 Oficiais de Justiça, sob pena de não interessar a alguns cerca de 1000, acabar com a exceção da pomoção por ser detentor de um curso superior, uma vez que, hoje, isso já começa a ser vulgar, quando há duas décadas atrás não era. É uma opinião. Obrigado pelo interesse e apreciação desta iniciativa. Bem Haja!

De Anónimo a 12.10.2017 às 10:46

oficialdejustiça, sabe o que é que é bom para isso? Pastilhas Rennie!

De oficialdejustica a 12.10.2017 às 13:01

A azia é um sintoma que pode indiciar problemas mais graves. É sempre desaconselhado tratar os sintomas sem averiguar aquilo que os causa, isto é, o que está na origem do sintoma. Tratar um sintoma e fazer com que desapareça dá a falsa convicção de que o problema não existe; que deixou de existir, quando, na realidade, o problema persiste e a manifestação do mesmo é que está encoberta. Assim, não é boa ideia tratar a sintomatologia mas procurar as causas da mesma, tratando, antes, estas. Aqui fica o alerta e, de todos modos, agradece-se a preocupação e o conselho, embora seja certo que não há nenhuma azia para tratar. Não se deve confundir as questões gerais de um coletivo com as particulares.

De Anónimo a 12.10.2017 às 16:43

Meus amigos vão ficar surpreendidos com os resultados!!!!

De Anónimo a 12.10.2017 às 16:46

Surpreendidos porquê? Por causa das notas serem boas ou más?

De Anónimo a 12.10.2017 às 17:34

Por acaso estou curiosa é para ver as notas de alguns da DGAJ e principalmente de alguns do Centro de Formação...ui...ui

De Anónimo a 12.10.2017 às 22:21

Até eu, e mais não tenho nada a ver com isto. É bom ver a malta a puxar dos galões!
Auxiliares ao poder!
Aposto que muitos terão oportunidade de mostrar que a antiguidade já não é um posto!
Se houver respeito mutuo, brio e competência, qualquer um pode ser secretário de justiça.

De oficialdejustica a 13.10.2017 às 00:01

Claro que qualquer um pode ser Secretário de Justiça, tal como qualquer um pode ser Escrivão de Direito mas, como é que se chega a Escrivão de Direito? Pois é dessa mesma forma que se chega a Escrivão de Direito que se opina que também se deveria chegar a todas e quaisquer categorias. Acredita-se que seria mais vantajoso para todos os Auxiliares poderem progredir na carreira subindo uma categoria de cada vez sem exceções. Claro que isto seria mais vantajoso para o coletivo geral mas não seria, obviamente, vantajoso para aqueles que hoje detêm a exceção. Pensemos assim, num exemplo simples: na sua secção ou núcleo há 3 Auxiliares, 2 Adjuntos, 1 Escrivão e há ainda 1 Secretário. O lugar de secretário está livre e vai ser ocupado por um dos Auxiliares. Mais tarde vem outro Auxiliar para o seu lugar de Auxiliar. O que é que acontece? O Auxiliar beneficiou de uma promoção excecional e está, obviamente, satisfeito com isso mas e os outros? O Escrivão já não pode ir para Secretário, logo, os Adjuntos também não podem subir para aquele lugar que permanece ocupado e, consequentemente, os Auxiliares continuarão presos nas suas categorias porque não há mobilidade nenhuma e não há para ninguém nem tão cedo, pois aquele Auxiliar que chegou a Secretário vai demorar muito a aposentar-se. Com este exemplo se pode ver como, não no imediato nem na euforia do momento, todas as categorias ficam mais prejudicadas e este regime de exceção prejudica a normal mobilidade que, a existir, a todos beneficiaria. Há ainda outros motivos para se considerar ser uma má opção este regime de exceção mas, sem aprofundar mais, basta com este aspeto do bloqueio das progressões para ser motivo suficiente para o repúdio geral deste regime que foge à regra geral da progressão na carreira.

De Anónimo a 12.10.2017 às 23:58

E agora deixo só a questão, por que é que os auxiliares que têm 16, 17, 18 e mais anos na categoria e agora vêm aqui uma oportunidade de progressão na carreira têm que ser prejudicados quando os ED e TJP que agora também concorreram a SJ, nesses mesmos 16, 17, 18 e mais anos chegaram àquele lugar (de ED e TJP)? Esqueceram-se que não fazendo promoções, o "cão" ía morder ao dono? Às vezes a obsessão em prejudicar uns em detrimento de outros é tão isso mesmo - uma obsessão - que nos cega e nos congela o raciocínio. Por isso agora e depois de 18 anos de estatuto, só agora, se lembraram de o descongelar...tão oportuno.

De oficialdejustica a 13.10.2017 às 00:14

O congelamento das promoções criou um sistema completamente disfuncional; o congelamento avariou a máquina das progressões e agora tudo parece funcionar mal mas, para que funcione bem, não há que criar ou manter exceções mas tão-só deter uma carreira funcional, isto é, a funcionar corretamente, sem bloqueios, com toda a mobilidade a acontecer sempre, de forma normal e de acordo com as necessidades reais. O que é necessário é corrigir o congelamento e não apostar em métodos alternativos de exceção, como os que sempre se andaram a fazer ao longo destes anos com anormais nomeações para cargos, regime excecional que é tão mau quanto o regime de exceção do "salto à vara". Todos os regimes de exceção apenas beneficiam alguns e não o todo. O que se reclama para a categoria é um regime geral funcional que tenha um caminho e que esse caminho seja percorrido numa mobilidade normal, sem exceções seja lá de que tipo forem. Porquê? Porque, como já aqui se comentou, até com exemplo, as exceções prejudicam todos e só beneficiam alguns e, desses alguns que pretende beneficiar, só mesmo alguns, porque não chega a todos os que estão capacitados para dela beneficiar. Afinal, são muito poucos os que de facto beneficiarão da exceção o que motivaria a sua supressão pelo bloqueio que provoca na mobilidade da carreira, podendo, numa mobilidade normal, haver mais benefícios para todos; para todos mesmo, em todas as categorias.

De Anónimo a 13.10.2017 às 01:40

Os auxiliares agora com 16, 17, 18 ou mais anos na categoria, são grosso modo aqueles que estiveram estes anos todos à espera do muito bom, pois só com essa nota podem, actualmente, aspirar à promoção de adjunto. Abona sobretudo o facto de não haver prova escrita para a promoção a adjunto, logo foram sendo promovidos em regra, os de maior antiguidade e com muito bom.
E tendo em conta que os recentemente promovidos(400) só perto de 40 constam da actual lista dos auxiliares ao concurso para secretário, talvez se possa deduzir que poucos foram os licenciados promovidos a adjuntos.
Se tivessem feito provas escritas para adjunto de acordo com o EFJ (portaria não regulamentada - remissão para o regime de 99 ainda em vigor passados 18 anos), os licenciados teriam porventura concorrido (por haver alguma possibilidade advinda da nota da prova escrita, alguns provavelmente teriam sucesso), portanto, também não houve vontade de alterar o estado das coisas e as promoções para adjunto foram sendo uma espécie de "passagem administrativa" (que por sua vez beneficiou aqueles que eram promovidos, já que mais cedo reuniram os pressupostos para irem a chefes, logo a grande injustiça começou na base da pirâmide em que sucessivamente se premiou o mais velho com muito bom e esse foi subindo, até porque mesmo que tivesse menos antiguidade e bom, sempre tinha possibilidade de na prova escrita - factor 2, compensar) para os mais velhos mas com menos habilitações académicas segundo penso.
O maior erro julgo ter sido a não regulamentação da portaria, consequentemente nunca houve lugar a prova escrita para a promoção a adjunto (regras iguais para todos), a coisa ficava mitigada.
Obrigado.

De Anónimo a 13.10.2017 às 08:03

Auxiliar 18 anos - 18,5V.
Haverá um lugar à minha espera?
Patricia

De Anónimo a 13.10.2017 às 08:04

Auxiliares e Adjuntos, coloquem aqui as vossas notas e antiguidade!

De Anónimo a 13.10.2017 às 08:15

Não se desfaçam, para já, da VARA (a do salto) pois muita falta lhes fará para o assalto !

De Anónimo a 13.10.2017 às 09:06

Ainda bem que colocou entre parêntesis que a vara era a do salto, porque assim de repente veio-me à cabeça que a vara seria outra coisa e lembrei-me também daquela obra do George Orwell que tratava de um triunfo de uma vara.

Comentar Artigo


Pág. 1/2



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. < NOVO > PERMUTAS para Oficiais de Justiça
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
..................................................

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Hora Legal

Acerte aqui o seu relógio pela Hora Legal de Portugal continental e da Madeira, sincronizada com os relógios atómicos do Observatório Astronómico de Lisboa; para os Açores subtraia 1 hora. Hora Legal de Portugal (OAL)




(Ligado aos relógios atómicos do OAL) (por baixo da hora pode ver 1º o desfasamento horário em relação à hora do seu equipamento e 2º o erro de exibição em relação à velocidade da sua Internet, neste concreto momento em que vê esta página)


Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: pcancela@pol.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique) .


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado. As vagas devem ser as desistencias e as...

  • Anónimo

    É por isto que venho aqui todos os dias porque não...

  • oficialdejustica

    Não há dados concretos, no entanto, a norma travão...

  • oficialdejustica

    Deverá ser anunciado em breve, após confirmação da...

  • Anónimo

    Alguem sabe quando é feito o novo movimento extrao...

  • Anónimo

    Melhorar! Alguem jå ouviu falar em promoçoes para ...

  • Anónimo

    Da mesma opinião colega. Somos números e nada mais...

  • Anónimo

    Coragem colega, que tudo vai melhorar.

  • Anónimo

    E "aturadores" de tantos disparates e manias de ta...

  • Anónimo

    A justiça é ardia para os cidadãos porque para os ...

  • Anónimo

    Imagino colega, e sei por aquilo que passaram e ai...

  • Anónimo

    Somos eletricistas, informáticos, psicólogos, carr...

  • Anónimo

    Estou solidário amigo e colega, mas anda apenas há...

  • oficialdejustica

    Ir passear faz sempre bem para limpar a mente. Obr...

  • Anónimo

    Pior decisão da minha vida ter concorrido em 2015 ...

  • Anónimo

    Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República.

  • oficialdejustica

    Resposta a "AG - SIIP", seria possível fornecer al...

  • Anónimo

    Sim acho bem desde que dêem a possibilidade de opt...

  • Anónimo

    Mas naturalmente que os policias tb ganham muito c...

  • Anónimo

    Se são as polícias a digitalizar tudo, então tá-se...

  • Anónimo

    Boa tardePara os oficiais de justiça o SIIP nao só...

  • Anónimo

    Vá passear homem! Abominável é você com todas essa...

  • oficialdejustica

    Podem até existir centenas ou milhares de sítios m...

  • Anónimo

    Existem dezenas de sites com os dias em que são os...

  • oficialdejustica

    Claro que os anos dos congelamentos já contam para...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter e no "Blogs Portugal", ou seja, em 5 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Assinantes por "e-mail"





    eMail
    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    PCANCELA@POL.PT

    .......................................................................................................................