Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Oficial de Justiça

Bem-vindo/a ao DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL publicação periódica independente com 6 anos de publicações diárias especialmente dirigidas aos Oficiais de Justiça



oficialdejustica.blogs.sapo.pt
DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL (DD-OJ)
As publicações desta página podem ser encontradas diariamente em diversas plataformas:
oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt

GREVE EM CURSO:
Está a decorrer entre o dia 22JAN e o dia 21DEZ de 2020 a greve decretada pelo SOJ ao trabalho fora das horas normais de expediente, em dois períodos de cada dia: um período de 1 hora entre as 12H30 e as 13H30 e outro período de 16 horas, depois das 17H00 até às 09H00 do dia seguinte. Esta greve abrange todos os Oficiais de Justiça, sindicalizados ou não, perante qualquer diligência, ainda que tenha caráter urgente, na hora de almoço, existindo no entanto serviços mínimos decretados para o 2º período com um total de 16 horas, depois das 17H00.
Pode aceder por aqui ao ofício da DGAJ contendo a indicação dos serviços mínimos.
...............................................................................................................................

Sábado, 11.08.18

A Justiça Portuguesa está num “on-going process”?

      A ministra da Justiça, Francisca van Dunem, refere que a reforma da Justiça é um “on going process” e que as políticas seguidas até aqui têm sido “contraditórias” e se orientaram “muito por amplas intervenções no domínio legislativo. E esse modelo está esgotado”.

      A ministra da Justiça assume que o caminho que escolheu enquanto responsável pela pasta é o de “legislar menos, mas legislar melhor, legislar com mais ponderação da necessidade, melhor articulação e mais clareza”, sublinhando ainda que a solução de legislar para resolver é um modelo que "está esgotado" e o que tem de mudar são os métodos de trabalho nos tribunais.

      Em entrevista publicada no Boletim da Ordem dos Advogados, a ministra avança ainda que os cidadãos envolvidos em processos – sejam arguidos, réus ou queixosos – poderão consultar o estado dos processos “desde que, naturalmente, a lei permita a sua consulta” naquilo que a ministra considera “uma medida ímpar no que respeita ao aumento da transparência e da aproximação do sistema de Justiça ao cidadão”.

      Este anúncio da possibilidade de consulta pelos cidadãos dos seus processos, já foi há muito anunciado e vem na natural sequência e previsão, depois do passo dado com o acesso das partes às ações executivas que já foi implementado.

      O acesso aos processos pelas próprias partes será disponibilizado através da sua autenticação com o cartão do cidadão ou através da chave móvel digital, tal como já sucede nas ações executivas em que as partes podem verificar o andamento dos processos desde as suas próprias casas.

      Na entrevista, a ministra faz ainda um balanço da reativação dos 20 juízos de proximidade que voltaram a ter competência na área criminal – abrangendo mais de 240 mil cidadãos – e na área de família e menores, aqui abrangendo um número de mais de 800 mil cidadãos.

      Relativamente às custas judiciais, referiu que “o valor arrecadado em taxas de justiça caiu cerca de quatro milhões de euros de 2016 para 2017, cifrando-se nos 66,4 milhões de euros. Esta descida na arrecadação de valores oriundos das taxas de justiça está em sintonia clara com a descida nas entradas de processos, isto é, com a cada vez maior desistência dos cidadãos do sistema nacional de justiça, não querendo a ele recorrer para sanar as suas questões, optando por alternativas privadas, fora da rede pública, tal e qual sucede com o Serviço Nacional de Saúde, ao qual todos acedem apenas em caso de necessidade, por não poderem pagar o mesmo serviço nos hospitais privados que preferem.

      Tal como no sistema público de saúde, no sistema público da justiça, refere a ministra, a par daquela descida dos valores apurados no sistema com as taxas de justiça, verifica-se que os encargos com o apoio judiciário, isto é, com aqueles que recorrem à justiça com o patrocínio do Estado, sem custos, se mantiveram na ordem dos 60 milhões de euros.

      Ora, perante estes dados – taxas elevadas mas com cobrança a descer, manutenção dos custos do apoio judiciário, menos processos a entrar, gáudio pelos dados estatísticos de redução da pendência… – a par da verificação constante da tendência destes dados nos últimos anos, estamos a assistir a um novo estádio do sistema nacional de justiça: uma justiça apenas acessível para os financeiramente mais desafogados e para os que não têm meios financeiros suficientes e lhes é concedido o apoio judiciário dispensando-os dos pagamentos.

      É uma justiça do 8 e do 80; para os mais ricos e para os mais pobres; suprimindo-se toda a maioria das pessoas que se situam no meio, a dita classe média, cada vez mais afastada do sistema.

      Recorde-se que, para os cidadãos, o acesso à justiça não implica apenas o pagamento de uma taxa de justiça, isto é, uma espécie de taxa moderadora, ainda que muito mais elevada do que as taxas moderadoras da saúde, mas muito mais do que isso. Os cidadãos têm também que suportar os custos muito elevados com os honorários dos advogados, sem contar com outros custos como as peritagens que se efetuem e outros pagamentos diversos que possam surgir. Assim, a final, a despesa líquida que o cidadão suporta quando recorre ao sistema nacional de justiça é tão elevada, para um prognóstico tão incerto e tão demorado no tempo, podendo demorar vários anos, que, ponderados os prós e os contras, qualquer cidadão minimamente consciente desta situação, prefere deixar de usar o sistema; deixar de lado a sua legítima e constitucional pretensão e direito de que se faça justiça e, quando não desiste do assunto, recorre a quaisquer outras alternativas, mesmo de caráter ilegal para tentar solucionar os seus problemas.

      Esta situação geral é muito mais preocupante porque põe em causa a verdadeira realização da justiça e o verdadeiro acesso dos cidadãos a um autêntico serviço nacional de justiça. E a resolução do problema não acontecerá apenas com a proposta descida dos valores das taxas de justiça, porque falta o custo com os honorários. Uma verdadeira resolução do problema só pode passar por um ampliar da cobertura do apoio judiciário que inclua muitos mais cidadãos, fazendo disparar os custos com tal apoio de 60 milhões para 120 milhões ou mesmo mais ainda ou, em alternativa, desenvolver um sistema de seguros para pagamento de honorários quando for necessário, isto é, que cada cidadão possa ter um seguro de assistência judiciária por um advogado ou solicitador, quando tenha necessidade de recorrer aos seus serviços, mediante as condições que se regularem, sem ter que pagar diretamente esses honorários. Esta opção já existe noutros países, por exemplo, na Alemanha, onde se pode fazer um seguro de saúde, um seguro para o cão e também um seguro para poder ter um advogado em caso de vir a necessitar desse apoio jurídico, sem estar incorporado no seguro automóvel como sucede, em alguns casos, em Portugal e muito restringido a aquele tipo de assistência.

      Claro que os problemas da justiça não passam pela resolução deste acesso dos cidadãos à justiça. Aliás, é precisamente o afastamento dos cidadãos da justiça que tem vindo a permitir resolver os problemas da justiça, apresentando e regozijando-se a cada ano que passa com dados estatísticos lidos apenas no sentido de que acabam mais e mais processos, precisamente pelo descongestionamento da falta de entradas de novos processos.

      Esta “crise demográfica” na justiça não é, no entanto, sentida como um problema da justiça porque de facto não é e até dá jeito mas é um problema dos cidadãos e um enorme problema que mina as bases de qualquer Estado de Direito.

      Apesar do acesso ser um problema dos cidadãos e não do próprio funcionamento da justiça, compete ao Ministério da Justiça preocupar-se, também, com a questão dos cidadãos e não estar apenas focado no funcionamento da máquina, como vem sucedendo há muitos e demasiados anos.

      Assim, a entrevista da ministra da Justiça à Ordem dos Advogados, num mundo ideal, seria ideal se houvesse manifestado a preocupação pela proximidade efetiva da justiça ao cidadão, envolvendo a Ordem dos advogados no sentido de encontrar e implementar as soluções que permitam que a esmagadora maioria dos cidadãos disponha de uma forma real e praticável de acesso à justiça, o que não ocorre e, quando ocorre, ocorre cada vez menos; em vez de, a entrevista, simplesmente ser um desenrolar de medidas propagandísticas do que se fez para a máquina e do que se fará para a máquina.

      Embora o cidadão mediano possa aplaudir a iniciativa que virá a ser implementada de poder no seu sofá e com o seu “smartphone” aceder ao seu processo, aplaudiria antes de forma tresloucada se, antes, pudesse ter esse mesmo processo a correr no tribunal. Conceder a hipótese de ver aquilo que não se tem é conceder uma boa hipótese mas, na prática, não serve para nada.

      Repare-se que, na mesma entrevista, a ministra da justiça fala das estatísticas da justiça, fazendo questão de sublinhar que na jurisdição comum, os tribunais portugueses registaram, no final de 2017, “a menor pendência dos últimos 10 anos, situando-se, pela primeira vez, abaixo de um milhão” de processos pendentes.

      A ministra confirma que, segundo as estatísticas relativas ao quarto, e último trimestre de 2017, se confirma “uma trajetória consistentemente descendente das pendências processuais, que passaram de 1 milhão e 300 mil no quarto trimestre de 2015, para 983 mil, no quarto trimestre de 2017, o que traduz uma redução global de mais de 300 mil processos e uma descida acumulada de 25 pontos percentuais. Esclarecendo que esse sentido descendente se observa na generalidade das áreas cível, criminal, laboral e tutelar e, ainda que em grau menos acentuado, também nas áreas administrativa e tributária.

      Será que estes dados, constituem boas notícias? Constituiriam boas notícias, sim, se verificássemos que a máquina judicial produzia estes resultados por estar mais lubrificada, mais desenvolta e, portanto, mais eficiente, mas quando comprovamos que estes resultados existem apenas pelo afastamento dos cidadãos que cada vez menos recorrem à justiça, então estes dados não podem ser boa notícia mas uma muito má notícia.

      Relativamente a esta entrevista e à ampliação da permissão de acesso dos cidadãos aos demais processos, para além dos atuais a que já pode aceder, comentou o Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ), com a publicação de 08AGO na sua página do Facebook, da seguinte forma:

      «Afirma a Ministra da Justiça ser “uma medida ímpar no que respeita ao aumento da transparência e da aproximação do sistema de Justiça ao cidadão”. Ainda bem que o reconhece, pois mais vale tarde do que nunca... na verdade, quando a medida foi apresentada pelo SOJ, logo após tomar posse, recusou-a com argumentos que não merecem reprodução. Contudo, este sindicato também alertou para o facto de ser necessário garantir o quadro legal de Oficiais de Justiça, para que essa aproximação tenha correspondência com a realização da justiça…»

Espiral.jpg

      O conteúdo deste artigo é de produção própria e contém formulações próprias que não correspondem a uma reprodução de qualquer outro artigo de qualquer órgão de comunicação social. No entanto, este artigo tem por base informação colhida na comunicação social que até pode estar aqui parcialmente reproduzida ou de alguma forma adaptada. Pode aceder às fontes que serviram de base ou mote a este artigo, através das seguintes hiperligações: “Eco, Economia Online” e “SOJ-Facebook”.

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:01


BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt
.................................................. INICIATIVAS COMPLEMENTARES:
..................................................
Acordos & Descontos para Todos - Lista de descontos para Oficiais de Justiça oferecidos por empresas privadas.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Legislação e Publicações Relevantes - Lista com seleção diária de legislação e outras publicações relevantes em Diário da República e noutras fontes.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Lista de Alojamentos
Anúncios de Procura e de Oferta de alojamentos para Oficiais de Justiça. Contacte pelo e-mail dedicado:
ProcuraAlojamento@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Grupo WhatsApp para Oficiais de Justiça
A comunicação direta de, para e com todos. Saiba+Aqui

.................................................. Lista de Anúncios para Partilha de Carro
Boleias e partilhas de lugares nos carros, sejam diárias, aos fins-de-semana, para férias ou ocasionais, anuncie a disponibilidade e contacte pelo e-mail dedicado:
PartilhaDeCarro@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Veja por aqui + informação sobre o Perfil / Autoria da página
+
Veja também por aqui o Estatuto Editorial e a Direção desta publicação
..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Nós vivemos num Estado de Direito Democrático?

  • Anónimo

    Não colega! Num Estado de Direito Democrático,...

  • Anónimo

    Não tenham pressa de ver o novo estatuto aprovado....

  • Anónimo

    A Senhora Ministra da Justiça, por diversas vezes,...

  • Anónimo

    Então e sobre a proposta de estatuto, que ia ser a...

  • Anónimo

    ok, obrigado

  • oficialdejustica

    Bom dia Pedro! Não são só os "Provisórios". Há "De...

  • Anónimo

    Uma dúvida se me puderem esclarecer. Quem é que ga...

  • Anónimo

    consertos, precisam-se...

  • Ana Costa

    Até 31-12-1911, a hora legal em Portugal Continent...

  • Anónimo

  • Anónimo

  • Anónimo

    https://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/fernanda-canc...

  • Anónimo

    Não são gente

  • Anónimo

    Esqueçam os auxiliares

  • Anónimo

    Claro, os adjuntos e ainda mais, os escrivães auxi...

  • Anónimo

    E os adjuntos e auxiliares que se f.........

  • Anónimo

    Claro que terão de ser despromovidos. Mas a DGAJ, ...

  • Anónimo

    Como este já houve muitos mais e com tendência a a...

  • Anónimo

    Quando muitos de nós começarem a tomar a decisão q...

  • Anónimo

    Para secretários! então os novos não vão ser despr...

  • Anónimo

    mais que consabido. mais importante do que refleti...

  • Anónimo

    Existem grandes interesses ocultos para os lugares...

  • Anónimo

    Existem grandes interesses ocultos para os lugares...

  • Anónimo

    Convém ter uma comadre ou a "coisa" se quiserem, p...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no WhatsApp, ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- WhatsApp

    7- Assinantes por "e-mail"


    subscrever feeds





    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................