Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Oficial de Justiça

Bem-vindo/a ao DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL publicação periódica independente com 9 anos de publicações diárias especialmente dirigidas aos Oficiais de Justiça



oficialdejustica.blogs.sapo.pt
DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL (DD-OJ)
As publicações desta página podem ser encontradas diariamente em diversas plataformas:
oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt
Bem-vindo(a) à página do Diário Digital dos Oficiais de Justiça de Portugal. Aqui encontra todos os dias informação com interesse geral para o mundo da Justiça e em particular para os Oficiais de Justiça. Desfrute!
...............................................................................................................................

Sábado, 07.05.22

Edificado: As notícias do caos nos tribunais

      Alguns órgãos de comunicação social noticiaram esta semana aquilo que denominaram como “Caos nos tribunais”, com títulos como os da “CNN Portugal” que sintetiza assim a notícia: “Salas onde chove, coberturas em risco de ruir e réus que desmaiam por causa do calor”.

      Notícias destas vêm sendo dadas periodicamente ao longo dos anos, comprovando-se que não existe uma real governação na área da justiça, mas meros desenrasques.

      Vai a seguir reproduzida a notícia da “CNN Portugal”.

      «Mais de metade dos tribunais portugueses precisa de obras profundas. Há situações dramáticas: salas de audiência com baldes no meio para acolher a água que cai, buracos no telhado e testemunhas em carreira de rodas que têm de prestar depoimento à porta por falta de acessibilidade. Um plano do Governo de 2018 previa gastar mais de 274 milhões de euros em dez anos. Mas nas últimas décadas não houve investimento no edificado da Justiça

      Há tribunais em que chove dentro das salas, as coberturas têm amianto, as janelas estão presas com fita cola e nas paredes abundam infiltrações e bolor. Em algumas salas de audiência há, por isso, baldes no chão que enchem com a água que escorre, candeeiros que caem em cima de secretárias e pessoas que desmaiam devido ao calor. “Tenho conhecimento de situações dramáticas”, reconhece à CNN Portugal Carla Oliveira Privado, juíza e secretária-geral da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP).

      Nos últimos anos, ao contrário de outros ministérios, o investimento nesta área na Justiça foi nulo, assumiu em entrevista à CNN Portugal Maria Rosa Tobias Sá, Presidente do Conselho Diretivo do IGFEJ - Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça. “Este Ministério, ao contrário de outros, como a Saúde e Educação, não teve um cêntimo para edificado” nos últimos anos, garante.

      Na verdade, um levantamento de 2015 destes problemas já identificava a necessidade de intervenções urgentes em 148 tribunais.

      Em 2021, uma chuva torrencial, inundou o rés-do-chão, onde ficam os serviços do Ministério Público, do Tribunal de Odemira. António Marçal, do Sindicato dos Funcionários Judiciais recorda à CNN Portugal o que aconteceu: “No Palácio da Justiça de Odemira, a falta de obras nas caleiras e algerozes tem levado a problemas recorrentes de infiltrações. Num dia de chuvas torrenciais, a água galgou a caleira e entrou no sótão provocando uma inundação gigantesca nos serviços do Ministério Público que ficam no rés-do-chão”.

      Os vídeos que registaram o sucedido não deixam ninguém indiferente. "Só não houve estragos, porque alguns colegas que moravam perto foram lá, de noite, tirar os computadores e os processos à pressa", explica António Marçal.

      Apesar do incidente ser de 2021, "a situação mantém-se", garante este sindicalista. O chão ficou estragado e para o tribunal poder funcionar foi preciso "arranjar os tacos". No entanto, lamenta, "a cobertura continua sem obras" até agora. Ou seja, nada garante que "este episódio não se volte a repetir", conclui António Marçal.

      A maioria dos edifícios foi construída durante o Estado Novo, mas a palavra “novo” perdeu-se há muito tempo. Maria Rosa Tobias Sá, Presidente do Conselho Diretivo do IGFEJ, recorda uma situação recente que lhe chegou durante uma reunião, precisamente sobre “estas dificuldades”, em que alguém lhe disse que ia enviar fotos de um tribunal da Madeira. Sabendo, e já tendo visto fotografias, de uma sala de audiência em que no meio tinha de se colocar um balde de plástico vermelho para acolher a água que caia ali, perguntou se era essa a situação em causa. Mas depressa percebeu que era outra tão ou mais grave: "Disseram-me que era outra: uma que se vê o céu através do buraco que está no telhado”.

      “Este é um problema muito grave e muito extenso. Os nossos tribunais são muito datados, são datados de épocas em que o conforto não era o principal critério da construção, nem sequer nos materiais usados”, reconhece a responsável. E é por isso que não esconde que existem “coberturas de materiais com amianto, porque na altura ninguém ligava a isso”. Mas também há, admite, “falta de acessibilidades". "É tudo muito cheio de escadas”, diz, Maria Rosa Tobias Sá sublinhando que “desde 2007” o país vive com “sucessivos problemas e sucessivas crises”, gerando desinvestimento: “É um bocadinho transversal a todo o Instituto e à Administração Pública. Em boa verdade, há uma série de anos a esta parte não tem havido investimento. Não tem sequer havido investimento na manutenção e na conservação”.

TJ-InfiltracoesBaldes.jpg

      Carla Oliveira Privado, juíza e secretária-geral da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), partilhou com a CNN Portugal a sua experiência pessoal, dando conta também de algumas queixas que chegam à ASJP.

      A falta de climatização ou ar condicionado em algumas situações é mesmo dramática. “Nas salas de audiência é péssimo para toda a gente. No verão atingem um calor infernal. Tive situações de pessoas, que estavam a ser julgadas e desmaiavam no decurso dos julgamentos. Famílias de arguidos, a desmaiarem também com o calor”. Casos que viveu nos tempos em que esteve no Tribunal de Almada. Mesmo quando recorrem a ventoinhas, que não existem em quantidade suficiente, o barulho acaba por “perturbar a gravação da audiência”.

      E do calor ao frio, a magistrada dá mais um exemplo: “Em Vinhais, que fica na Comarca de Bragança, uma zona que não é conhecida pelas temperaturas quentes no inverno, a rede elétrica desse tribunal não tem potência para manter os aquecedores ", relata, acrescentando: "Além disso, o sistema de gravação está a funcionar em simultâneo nos dias de julgamento". Ou seja, diz, " para se fazer o julgamento tem de se desligar os aquecimentos, com temperaturas negativas muitas vezes”.

      E estas más condições trazem consequências: “De vez em quando ouve-se falar em situações em que os julgamentos são adiados por falta de condições dadas as temperaturas. São situações destas” alerta a magistrada.

      Reconhecendo que parece caricato, avisa que nem é preciso viver-se numa zona onde o clima é mais frio: “Em Almada, no Seixal e em Sesimbra fiz muitos, muitos, muitos julgamentos de mantinha nas pernas”.

      Há inúmeras situações que sempre impressionaram Carla Oliveira Privado. “A inexistência de acessos para pessoas com mobilidade reduzida, que é uma constante em quase todos os tribunais do país. E os poucos em que as pessoas conseguem aceder, frequentemente têm outro problema… o acesso à sala de audiências, o acesso ao lugar que lhes corresponde processualmente”.

      Os problemas de acesso são vários: “Em Almada, onde estive muito tempo, a pessoa consegue aceder ao tribunal. Há elevadores e chega ao segundo piso. Mas quando entra na sala de audiências, numa cadeira de rodas, uma testemunha tem de prestar depoimento à porta”, porque há obstáculos físicos nas salas que não permitem “chegar ao lugar que lhe é destinado”. O mesmo para um arguido nas mesmas condições de mobilidade reduzida: “É humilhante em todas as condições”.

      Quem conhece a Justiça por dentro apercebe-se de outras situações. “Os tribunais de Trabalho, pela sua natureza, recebem muitos sinistrados, frequentemente temos casos de pessoas com mobilidade reduzida. Mas muitos, mesmo muitos, não funcionam nos primeiros pisos ou no rés-do-chão. São em andares superiores. O que significa, por exemplo, que as pessoas para se deslocarem ao tribunal são transportadas ao colo. Ou o juiz desloca-se para fazer a diligência, às vezes, no átrio. Tem acontecido em inúmeros tribunais”.

      As situações repetem-se de norte a sul, ou persistem no tempo: “No Tribunal Administrativo e Fiscal de Beja chove lá dentro, há partes do teto a cair. A casa de banho não funciona. Tem alturas que está mesmo fechada. E isso significa que as pessoas têm que ir, não sei, ao café”, garante.

      Sem medo da comparação Carla Oliveira Privado lembra: “Uma empresa privada pode, por acaso, funcionar sem casa de banho? Não pode. É fechada e bem”. As denúncias da responsável da ASJP continuam: no Tribunal de Estremoz, “há zonas interditas dentro do tribunal” e “há relativamente pouco tempo, talvez um ano, caiu um candeeiro em cima de uma secretária. Por acaso não estava lá ninguém”.

      Além dos entraves ao funcionamento, todos sublinham o facto de muitas pessoas terem de trabalhar nestas condições. “Os Funcionários e os magistrados, entre outros, estão lá”, nota Maria Rosa Tobias Sá que se tem sentido impotente perante este problema: “Imaginem no lugar em que eu estou”, diz referindo-se ao facto de ser Presidente do Conselho Diretivo do IGFEJ e receber "diariamente muitas queixas”, a maioria através de e-mails. “É dramático”, afirma.

      Perante a situação, Maria Rosa Tobias Sá garante à CNN Portugal que vai propor que a utilização do Fundo de Modernização da Justiça, que foi “até aqui mais vocacionado para as componentes tecnologias”, passe “a estar mais orientado para os aspetos do edificado, na perspetiva também da modernização”. Até porque, agora, como há o PRR e na Justiça é exclusivamente para a transição digital, já é possível redirecionar verbas para outras áreas.

      E não só os tribunais necessitam de obras. Há um número de edifícios vasto, dentro do património da Justiça que inclui tribunais, estabelecimentos prisionais, edifícios afetos aos organismos da justiça, casas de função, entre outros, que precisam de ser conservados e alvo de intervenções. "É um colosso", diz Maria Rosa Tobias Sá, explicando que tendo em conta que a estratégia passa por dar prioridade às situações mais prementes, como a de ter de "tratar de uma cobertura" antes que "caia tudo dentro do tribunal”.

      Numa consulta à página oficial do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, entre maio de 2020 e fevereiro de 2022, há uma lista de “empreitadas concluídas”. São 12 ao todo, no valor de sete milhões 930 mil euros. Há ainda outra lista com as obras que estão em curso. São intervenções em cinco edifícios, no valor de mais de dois milhões 612 mil euros.

      Há uma obra que Maria Rosa Tobias Sá destaca e elogia: “No supremo Tribunal de Justiça (STJ), fez-se a requalificação total”. Situado na Praça do Comércio, em Lisboa, devido à importância do espaço, à localização e ao próprio edifício, foram realizadas obras muito relevantes.

      “Primeiro tinha-se feito a parte exterior, depois fez-se uma parte no interior, de acordo com aquilo que se tinha acordado. O novo presidente do STJ entendeu que a obra devia ser ainda um pouco mais vasta. A lógica do projeto era um pouco recuperar o edifício original, pombalino”, conta a responsável, concluindo: “Foi uma obra emblemática, mas nós gostaríamos de ter condições para ir a outros lados”.»

TJ-InfiltracoesTetoBaldes.jpg

      Fonte: “CNN Portugal”, com vídeos.

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:07


BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt
.................................................. INICIATIVAS COMPLEMENTARES:
..................................................
PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Legislação e Publicações Relevantes - Lista com seleção diária de legislação e outras publicações relevantes em Diário da República e noutras fontes.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Subscrição por e-mail
Receba todos os dias o artigo do dia no seu e-mail. Peça para:
oficialdejustica.oj.portugal@gmail.com

saiba+aqui

..................................................
MEDIDAS e Sugestões de Proteção Prática para Oficiais de Justiça
Veja a compilação de sugestões recebidas até ao momento e envie o seu contributo para o e-mail:
OJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

..................................................
Lista de Alojamentos
Anúncios de Procura e de Oferta de alojamentos para Oficiais de Justiça. Contacte pelo e-mail dedicado:
ProcuraAlojamento@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Grupo WhatsApp para Oficiais de Justiça
A comunicação direta de, para e com todos.
Saiba+Aqui

..................................................
Lista de Anúncios para Partilha de Carro
Boleias e partilhas de lugares nos carros, sejam diárias, aos fins-de-semana, para férias ou ocasionais, anuncie a disponibilidade e contacte pelo e-mail dedicado:
PartilhaDeCarro@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Acordos & Descontos para Todos - Lista de descontos para Oficiais de Justiça oferecidos por empresas privadas.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................

..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Veja por aqui + informação sobre o Perfil / Autoria da página
+
Veja também por aqui o Estatuto Editorial e a Direção desta publicação
..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
808 24 24 24 - SNS 24 / Saúde 24
(custo de chamada local)
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    O princípio da contratação "externa" há muito que ...

  • Anónimo

    Muito bem.Atente-se que:Um quarto em Lisboa (Campo...

  • Anónimo

    É triste escrever isto, mas cá vai. Em caso de dúv...

  • Anónimo

    Informa o núcleo onde fui colocado neste movimento...

  • Anónimo

    E que diz?

  • Anónimo

    "Com cara de quem lhes deve tudo"!O que fazem os M...

  • Anónimo

    Recebi ao final da tarde uma SMS da DGAJ.Mais algu...

  • Anónimo

    👏👏👏

  • Anónimo

    A geração que espera há mais de 2o anos pela pr...

  • Anónimo

    Muita lamúria e pouca ação. Sugiro que os sindical...

  • Anónimo

    Burlados, enganados, vilipendiados, gozados, desco...

  • Anónimo

    Excelente iniciativa tomada pelo SOJ, cuja respons...

  • Anónimo

    Primeira medida:Que todas as medidas sejam logo, d...

  • Anónimo

    Acomodados a organizar eventos e caravanas, alguma...

  • Anónimo

    Os aqui anónimos em conjunto com os autores deste ...

  • Anónimo

    Uma representação sindical que se propõe a disputa...

  • Anónimo

    É verdade! Muita revolta por não ter quem nos defe...

  • Anónimo

    Porque não sabem, não querem saber e saber dá trab...

  • Anónimo

    Por que raio nunca tal foi chamado à colação pelo ...

  • Anónimo

    Faltou referir é que os colegas aí colocados estão...

  • Anónimo

    Já não espero nada desta merda de profissão. Apena...

  • Anónimo

    Ja não espero nada desta carreira.Apenas desilusão...

  • Anónimo

    Faltou-me referir o pessoal que exerce funções no ...

  • Anónimo

    11 meses por ano, e só 10% .Os sindicatos que refl...

  • Anónimo

    Dec Lei 545/99"Artigo 26.ºSuplemento1 - O pessoal ...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no WhatsApp, ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- WhatsApp

    7- Assinantes por "e-mail"





    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................