Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Oficial de Justiça

Esta página é uma iniciativa informativa DIÁRIA especialmente vocacionada para Oficiais de Justiça. De forma independente da administração da justiça e dos sindicatos, aqui se disponibiliza a informação relevante com um novo artigo todos os dias.



Pode ouvir por aqui rádio com música alternativa não massiva e sem publicidade
oficialdejustica.blogs.sapo.pt
FÉRIAS JUDICIAS DE VERÃO:
Decorre entre 16 de julho e 31 de agosto o período de férias judiciais de verão. Nesta altura decorrem também as férias pessoais dos Oficiais de Justiça, no entanto, os tribunais e os serviços do Ministério Público permanecem sempre abertos durante todo o período embora com algumas restrições de serviço em face das férias pessoais de muitos e das limitações legalmente impostas.


FERIADOS MUNICIPAIS NESTA SEMANA:
- 24JUL-Ter - Condeixa-a-Nova e Pedrógão Grande.
- 25JUL-Qua - Cantanhede, Celorico de Basto, Mondim de Basto, Santiago do Cacém, Mira e Ovar.
- 26JUL-Qui - Loures
& pode ver + no Calendário do Oficial de Justiça 2018

PERMUTAS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA
Veja se lhe interessam os pedidos existentes (já lá foram colocados mais de uma centena de anúncios) e envie o seu, caso esteja interessado nesta forma de mobilidade. Mesmo que ainda não esteja em condições para usar esta faculdade, sempre pode estabelecer contacto e ir combinando. Seja qual for a sua categoria ou carreira, divulgue o seu pedido e espere para ver se a alguém interessa.
Todos os contactos são realizados através do e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt

Consulte a lista dos pedidos através do “botão” que encontra no cabeçalho da página, com a designação de: “Permutas”, aí encontrando também alguns esclarecimentos sobre esta modalidade alternativa às movimentações ordinárias ou extraordinárias, destacamentos, recolocações…
saiba+aqui

Oficial de Justiça Últimas Publicações:

Segunda-feira, 25.06.18

A Greve é já daqui a três dias - Alguns esclarecimentos gerais

      Faltam 3 dias para o primeiro dia da greve, de um total de três dias, decretada pelo Sindicato dos Funcionários Judiciais.

      É já na próxima sexta-feira, dia 29 e último dia útil do mês que ocorre o primeiro dia de greve e a primeira de duas concentrações-manifestações, esta no Porto, junto do Palácio da Justiça desta cidade.

      Como já é habitual, antes de cada greve, aqui deixamos alguns esclarecimentos sobre o direito à greve.

      Uma das dúvidas tradicionais relaciona-se com o sindicato que decreta a greve e se só os seus filiados podem aderir à greve. Ora, não é assim que funciona. Claro que os filiados no sindicato que decreta a greve têm não só o direito de fazer greve como até o dever de a fazer, porque são filiados nesse sindicato, logo, partilham da mesma visão e vias traçadas pelo sindicato. Já os não filiados nesse sindicato, sejam simpatizantes ou não, podem perfeitamente aderir à greve, mesmo que sejam filiados noutro sindicato ou até em nenhum.

      Todos têm o direito à greve que, aliás, é um direito constitucionalmente protegido, independentemente de pertencerem a um ou a outro ou a nenhum sindicato.

      Assim, todos os Oficiais de Justiça podem aderir à greve e quando se diz todos, quer-se dizer mesmo todos, mesmo aqueles que estão no período probatório do primeiro ano. Todos os Oficiais de Justiça Provisórios, independentemente da sua situação sindical ou funcional podem também aderir a esta greve.

      A forma de adesão à greve suscita também algumas dúvidas, especialmente pelos Oficiais de Justiça mais novos na profissão que sentem algum constrangimento em aderir à greve, muitas vezes em face do serviço marcado, bem como, em responder a quem lhes pergunta sobre a sua adesão.

      Ora, a decisão de adesão à greve é uma decisão individual e pode ser tomada a todo o momento e pode ser também alterada e, por isso, ninguém tem que avisar se vai ou não aderir à greve, se por um dia ou por todos e, muito menos, como muitas vezes ocorre, desculpando-se que vai aderir porque o dia lhe serve para tratar de uns assuntos quaisquer.

      A adesão à greve não tem que ser anunciada previamente nem carece de qualquer desculpa, pura e simplesmente, quem adere não comparece ao serviço, sem qualquer explicação ou aviso prévio.

      Nos casos em que os Oficiais de Justiça se sintam constrangidos pela hierarquia ou pelos magistrados em responder se vão ou não aderir à greve, caso não queiram dizer logo que sim ou dizer que não respondem, sempre podem usar outros subterfúgios como dizer que estão a pensar que estão a ver qual será a decisão dos demais, etc. ou então, dependendo do grau de pressão a que estejam sujeitos, responder mesmo qualquer coisa, como não e depois ser sim ou vice-versa, uma vez que não há nenhum compromisso que cerceie o direito à greve a não ser os serviços mínimos fixados e formalmente anunciados.

      Sabe-se que a decisão de aderir à greve é algumas vezes sentida pelos Oficiais de Justiça como um atrapalhamento das diligências marcadas, com as pessoas que até já conhecem e que têm a continuação de uma audiência, vêm de longe, ou estão a atravessar momentos difíceis nas suas vidas, com questões que os tribunais ou os serviços do Ministério Público se prestam a resolver. Torna-se difícil para alguns decidir pela greve em face do prejuízo que esta pode causar às pessoas e muitos, vivendo intensamente os problemas diários das pessoas, não conseguem aderir à greve.

      Perante dilemas deste género, cabe – obviamente – a cada um decidir, sendo certo que a luta pela sua carreira deve ser algo a ponderar conscienciosamente, designadamente, se é mais ponderoso continuar na sua precária situação a ajudar uns quantos ou deter uma situação muito melhor que possa ajudar muitos mais. Com uma carreira bem defendida, designadamente, com todos os lugares preenchidos, será mais fácil e mais efetiva a ajuda as pessoas utentes dos serviços de justiça, ainda que em três dias algumas poucas fiquem prejudicadas.

      Assim, o prejuízo da greve para alguns poucos utentes poderá significar uma melhoria para muitos mais utentes e para um amplo futuro. Por isso, todos podem e devem aderir à greve pois esta representa uma possibilidade de melhoria de todos, seja da carreira seja do serviço público prestado, isto é, do benefício dos cidadãos. Ao fim e ao cabo, esta greve, lutando pelo preenchimento dos lugares nas devidas categorias constitui a defesa do cidadão para um serviço público que preste um serviço mais eficaz e também mais rápido, como todos querem, serviço esse que, hoje, não está a ser prestado pela insuficiência de meios humanos.

      Reitera-se, pois, que todos podem e devem aderir à greve, sem qualquer aviso prévio e sem qualquer justificação, seja anterior, seja posterior; basta não aparecer.

      Claro que o dia de greve não será pago. Será descontado no vencimento mensal um dia de greve deste mês de junho, talvez em julho ou agosto e posteriormente os dias de julho, talvez em agosto ou setembro. Assim, os três dias desta greve não serão descontados ao mesmo tempo; os dias serão descontados em meses diferentes: primeiro o dia de junho e no mês seguinte os dias de julho. Assim, o impacto financeiro da greve fica diluído por dois meses.

      A perda de vencimento é a única consequência em termos de perdas; não há mais perdas, designadamente, antiguidade. A adesão à greve não implica qualquer perda de antiguidade.

      Por fim, convém ainda esclarecer que cada um decide, por si, quantos dias e quais os dias que pretende fazer greve. Não há obrigatoriedade de fazer os três dias de greve. Quem aderir à greve não tem, necessariamente, que fazer greve nos três dias, embora esse seja o objetivo e essa seja a força que é necessária imprimir à ação, podendo fazer apenas um ou dois dias e à sua escolha; podendo até iniciar, interromper e voltar à greve, por exemplo: fazendo greve no dia 29, não fazer no dia 02 e voltar à greve no dia 03. Cada um escolherá os dias da sua greve, sendo certo que o devido e o desejável será criar o maior impacto possível e isso só se obtém com uma plena adesão a todos os dias.

      Esta greve, pese embora as polémicas relacionadas com a sua marcação, motivação, oportunidade, etc., é uma greve necessária, pois a classe dos Oficiais de Justiça não está minimamente satisfeita com a atuação do Governo que bem desprezando a profissão, já não só não atendendo às justas aspirações da classe, como, pior ainda, agindo em sentido contrário; aportando prejuízo aos Oficiais de Justiça e, por isso, a única crítica que se pode fazer a esta greve é ser curta de apenas de três dias.

Greve-Carregando=Faltam3dias.jpg

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas/"Tags":

às 08:05



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2018

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    A ser verdade, lógico que há incoerência.

  • Anónimo

    Não foi o regime de acesso que beneficiou, não.! O...

  • Anónimo

    Decreto-Lei é um acto legislativo aprovado pelo Go...

  • Anónimo

    Basta ver o caso de alguns colegas em regime de su...

  • Anónimo

    Claramente quem beneficiou com o fim das nomeações...

  • Anónimo

    Merece reflexão e resposta o comentário supra.Os a...

  • Anónimo

    Entraram bastantes certamente.Decorrente da práxis...

  • Anónimo

    Existem largas dezenas de Escrivães de Direito lic...

  • Anónimo

    E que agora tanto a contestam.

  • Anónimo

    Sr.s Diretores Gerais e Sr.ª Diretora Geral foi ne...

  • Anónimo

    Quantos auxiliares entraram em 2003/2004/2005/2006...

  • Anónimo

    Olhem as custas de parte! Ainda vão pedir dinheiro...

  • Anónimo

    A diferença está na licenciatura, sejam sérios.

  • Anónimo

    O que não é admissível é alguns tirarem as promoçõ...

  • Anónimo

    Quem tem uma licenciatura, mestrado ou doutorament...

  • Anónimo

    Quanto às nomeações interinas foi do mais elementa...

  • Anónimo

    A polémica envolta em torno do movimento ordinário...

  • Anónimo

    Seja lá de quem for, é ordinário, impróprio e ofen...

  • Anónimo

    11 anos a mamar na teta da vaca sem ser bezerro. ...

  • Anónimo

    Raciocínio e argumentação puramente falaciosos.

  • Anónimo

    Precisa -se de deontologia e de regularizar a situ...

  • Anónimo

    O DL 485/99 foi a forma encontrada pela administra...

  • Anónimo

    Quem escreve assim, tem tão só 11 anos de exercíci...

  • Anónimo

    Quem escreve assim desconhece completamente o cont...

  • Anónimo

    Leis iníquas permitem isto. Decorrente da minha ex...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no "Google+", ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- Google+

    7- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................