Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Bem-vindo/a ao DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL publicação periódica independente com 7 anos de publicações diárias especialmente dirigidas aos Oficiais de Justiça



oficialdejustica.blogs.sapo.pt
DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL (DD-OJ)
As publicações desta página podem ser encontradas diariamente em diversas plataformas:
oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt

...............................................................................................................................
| | | - COVID-19
[1] - Compilação de Sugestões de Medidas de Proteção Práticas para Oficiais de Justiça
[2] - Consulte aqui os dados oficiais diários atualizados da DGS e infografias
[3] - Consulte também aqui, em primeira mão, as notícias que a agência Lusa fornece para a comunicação social, entretanto com acesso gratuito

...............................................................................................................................

Sexta-feira, 03.07.15

A Pior MJ desde o 25 de Abril

     “(S)Em estado de graça”, assim se intitula o artigo que vem publicado na Visão e que a seguir se transcreve.

     «Durante quase quatro anos, a ministra da Justiça governou um setor pacificado. Hoje, parece ter entrado em rota de colisão com os agentes judiciários. Perda de influência política, eleições à vista ou sindicalices?

     No início, todos estavam contentes. Funcionários da investigação criminal, juízes, magistrados do Ministério Público e advogados congratulavam-se publicamente com a escolha de Paula Teixeira da Cruz, mulher com «sensibilidade e peso político» (Rui Rangel), para a pasta da Justiça. O estado de graça pela costela social-democrata de um Governo liberal abateu-se até sobre Marinho e Pinto que, em junho de 2011, se dizia satisfeito «por ver uma colega» naquele ministério.

     Passados quatro anos, os títulos dos jornais são outros. «Juízes dizem que a ministra da Justiça fez afirmações falsas no Parlamento» (Lusa). «Magistrados dizem não querer servir de álibi à incompetência de Paula Teixeira da Cruz» (Público). «Ministra da Justiça usa dirigentes públicos para fins eleitorais (DN)». «Guardas prisionais ameaçam cortar “falsa relação” com a ministra» (DN).

     A classe não gostou da (des)evolução de Paula Teixeira da Cruz e o povo penalizou-a nos estudos de opinião, apesar das suas causas populares, como a criminalização do enriquecimento ilícito (que esbarrou no Tribunal Constitucional), a lista de pedófilos (recusada pela Comissão Nacional de Proteção de Dados) ou a defesa da venda de drogas leves nas farmácias.

     Em abril, ela e Nuno Crato eram os únicos governantes com nota negativa no barómetro da Aximage, publicado pelo Jornal de Negócios. Afinal, estará Paula Teixeira da Cruz enfraquecida?

     Um problema chamado Citius

     Carlos Garcia, líder da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal, não tem dúvidas de que Teixeira da Cruz tem hoje menos influência do que tinha em 2011. «Eu diria que ela não conta politicamente. Perdeu tanto peso que já não consegue cumprir promessas. O estado de graça dela terminou», afirma o sindicalista.

     Rui Rangel, um juiz que em 2011 lhe deu o benefício da dúvida, diz hoje, à Visão, que «esta foi a pior ministra da Justiça» desde o 25 de abril. «Perdeu muito peso quando começou a fazer uma gestão ruinosa do setor. Os disparates foram tantos que essa foi uma consequência natural».

     Maria José Costeira, presidente da Associação Sindical de Juízes Portugueses, identifica com precisão o momento em que tudo terá mudado. «Foi quando entrou em vigor o novo Mapa Judiciário e o Citius “crashou”».

     Depois de obter luz verde dos serviços e de garantir, de acordo com fonte do ministério, o “back up” de toda a informação, a ministra da Justiça agendou para 1 de setembro o arranque da nova organização judiciária. Mas com ela vieram problemas difíceis de resolver.

      Durante mais de um mês, a plataforma informática (Citius) que gere os processos falhou e as comarcas começaram a entupir. Quando muitos lhe exigiam que tirasse ilações políticas do falhanço, a ministra remeteu à Procuradoria-Geral da República um documento, feito pelo Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, revelando suspeitas de sabotagem informática. O gesto não foi bem entendido pelo setor.

       Apesar das críticas, o ministério faz um balanço geral positivo da reforma e a ministra costuma congratular-se com o facto de hoje «uma pessoa poder ir à junta de freguesia e prestar testemunho por telefone e videoconferência», sem ter de se deslocar a um tribunal que, esses, sim, estão mais longe de algumas populações.

     Além disso, Teixeira da Cruz tem pendentes vários pedidos, incluindo do Vietname, para ir explicar como fez a reforma portuguesa, o que é visto, no ministério, como um sinal de que o trabalho se tornou numa «referência internacional».

     Polémica do estatuto

     Para o presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, António Ventinhas, a mudança ficou a meio. «A nova organização judiciária não bate certo com os nossos antigos estatutos e essa reforma vai ficar por fazer. Não pode deixar-se uma coisa destas a meio. Ou se faz ou não se faz», lamenta.

     Sobre a questão remuneratória, levantada por Paula Teixeira da Cruz à saída de um plenário da Assembleia da República, Ventinhas diz que «nunca seria determinante». Maria João Costeira também refere à Visão que as divergências referidas pela ministra ao nível de salários e complementos «não eram intransponíveis» e sublinha que não conhece, nem oficiosa nem oficialmente, a proposta estatutária que chumbou no Ministério das Finanças.

     O certo é que a ministra deixou claro, no Parlamento, que «há uma aspiração remuneratória que não é realista» por parte dos sindicatos. «Se ainda não estão repostos sequer os salários da Função Pública é manifestamente impossível aceitar pedidos (de aumento) de cerca de 40%», sublinhou a governante, referindo-se a uma proposta de estatuto que designa por caderno reivindicativo e em que um aluno do Centro de Estudos Judiciários pode chegar a um salário de quatro mil euros, não sendo ainda magistrado.

     Fonte próxima da ministra minimiza as críticas de falta de influência e poder e refere que, durante quatro anos, todo o setor da Justiça esteve em paz. «Não é estranho que só agora, depois de haver novos dirigentes sindicais, comece o mau relacionamento?» Maria José Costeira responde secamente à crítica: «Não é uma questão de mudança da direção sindical».

     Em defesa da ministra

     Um advogado social-democrata assume a defesa da ministra, em declarações à Visão. «Se ela não tivesse peso político no Governo não teria feito as reformas que fez. Desde que comecei a trabalhar, em 1985, ela foi a ministra que mais reformou. Mexeu no Código do Processo Civil, no Direito Administrativo, na organização judiciária, nas insolvências, na especialização dos tribunais, no Processo Penal… Reformista foi e durante muito tempo.

     Sobre a solidariedade, ou falta dela, do primeiro-ministro, a mesma fonte refere que «ele tem sido absolutamente solidário» e que, «quando lhe vão fazer queixas dela, ele responde sempre que as questões da Justiça são tratadas pela ministra da Justiça».

     Coisa bem diferente é dizer que Paula Teixeira da Cruz tem muita influência política junto de Pedro Passos Coelho. «Se ela tivesse feito essa aproximação, tinha evoluído para ministra da Presidência, o que nunca aconteceu», diz o jurista. Resta saber se ela o desejava.

     «A Paula teve o problema do Citius e o desgaste decorrente da implementação da reforma judiciária. Esse foi o embate do mandato dela. Mas depois disto, acredito que ainda possa aspirar a algum combate do ponto de vista eleitoral, no pós-governo. As causas que ela tem defendido [de que são exemplo o combate à corrupção e a criminalização do enriquecimento ilícito] chamam a atenção do povo», assume a fonte da Visão. «De resto, há loucuras que não se fazem a três meses das legislativas», diz o defensor da ministra. Sobretudo por quem pode ter aspirações políticas.»

MinistraJusticaPaulaTeixeiraCruz-ArtigoVisao02JUl2

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas/"Tags":

às 08:03


1 comentário

De Pasta de Saída a 10.07.2015 às 17:28

A Dr.ª Elina já não se dava com a Dr.ª Paula - facto público e notório.
Entretanto, a Dr.ª Maria deixou de falar com a Dr.ª Paula, e disso deu pública nota.
Agora a Dr.ª Maria vem dizer que a Dr.ª Joana não lhe liga nenhuma - “A Senhora Procuradora Geral da República não nos responde. Nem nos diz que vai pedir, nem nos diz que acha que não temos razão. Silêncio absoluto” in http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Portugal/Interior.aspx?content_id=4672575
Será que os actuais problemas da Justiça são agravados também por questões … de … género?
E se a Dr. Assunção as convidásse para um cházinho em S. Bento para irem de férias todas amigas e dialogantes?
Talvez lhes pudesse explicar que a Dr.ª Paula não é reformista mas revolucionária e aí muita coisa decerto já faria sentido...

Comentar Artigo



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt
.................................................. INICIATIVAS COMPLEMENTARES:
..................................................
MEDIDAS e Sugestões de Proteção Prática para Oficiais de Justiça
Veja a compilação de sugestões recebidas até ao momento e envie o seu contributo para o e-mail:
OJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

..................................................
PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Legislação e Publicações Relevantes - Lista com seleção diária de legislação e outras publicações relevantes em Diário da República e noutras fontes.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Lista de Alojamentos
Anúncios de Procura e de Oferta de alojamentos para Oficiais de Justiça. Contacte pelo e-mail dedicado:
ProcuraAlojamento@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Grupo WhatsApp para Oficiais de Justiça
A comunicação direta de, para e com todos. Saiba+Aqui

..................................................
Lista de Anúncios para Partilha de Carro
Boleias e partilhas de lugares nos carros, sejam diárias, aos fins-de-semana, para férias ou ocasionais, anuncie a disponibilidade e contacte pelo e-mail dedicado:
PartilhaDeCarro@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Acordos & Descontos para Todos - Lista de descontos para Oficiais de Justiça oferecidos por empresas privadas.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Veja por aqui + informação sobre o Perfil / Autoria da página
+
Veja também por aqui o Estatuto Editorial e a Direção desta publicação
..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
808 24 24 24 - SNS 24 / Saúde 24
(custo de chamada local)
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    bem visto

  • Anónimo

    Exato. E também dos Escrivães que substituem os Se...

  • Anónimo

    Não é necessariamente uma má notícia, é importante...

  • Anónimo

    Venham agora os teóricos das "gotículas", que pulu...

  • Anónimo

    Confirma-se aquilo que há muito se falava e que mu...

  • Anónimo

    Uma forma original de exterminar o movimento sindi...

  • Anónimo

    tanta insistência pelo estatuto só pode ser de alg...

  • Anónimo

    https://jornalacores9.pt - 20 janeiro de 2020 "Min...

  • Anónimo

    A tal teoria da "gripezinha" não é?

  • Anónimo

    Claro que na sua cabeca a vida da colega e de todo...

  • Anónimo

    ainda bem ... convenhamos que o novo estatuto prop...

  • Anónimo

    Quem dera que fosse apenas nesse oeste. É geral.

  • Anónimo

    Uma oficial de justiça da Amadora está infetada co...

  • Anónimo

    Quanto á a implementação de apropriados modelos de...

  • Anónimo

    Concordo com o comentário. Daqui a pouco mais de ...

  • Anónimo

    Início das negociações do novo Estatuto. 7 de maio...

  • oficialdejustica

    A opção de gravar os endereços de IP dos comentado...

  • Anónimo

    Oh colega, deixe lá os goticologistas falar. Estav...

  • Anónimo

    Tenho lido algumas resposta de Oficiais de Justiça...

  • Anónimo

    Falar mais alto produz mais gotículas, apontam ain...

  • Anónimo

    "Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta...

  • Anónimo

    As fontes referidas deveria ter dito:Lei n.º 16/20...

  • Anónimo

    "Ora, nada disto sucede com a viseira que cobre to...

  • Anónimo

    Os "convidados" e as "convidadas", este sim é um t...

  • Anónimo

    Bom dia a todos.Eu acho que todos trabalhamos quer...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no WhatsApp, ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- WhatsApp

    7- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................