Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Esta página é uma iniciativa informativa DIÁRIA especialmente vocacionada para Oficiais de Justiça. De forma independente da administração da justiça e dos sindicatos, aqui se disponibiliza a informação relevante com um novo artigo todos os dias.



Pode ouvir aqui rádio com música alternativa não massiva e sem publicidade


FERIADOS NESTA SEMANA:
- 23ABR-Seg - Feriado Municipal: Velas
- 25ABR-Qua - Feriado Nacional: Dia da Liberdade
- 26ABR-Qui - Feriado Municipal: Belmonte
& pode ver + no Calendário do Oficial de Justiça 2018

Oficial de Justiça Últimas Publicações:

Segunda-feira, 06.11.17

A Recapitulação Sindical

      Na semana passada, o Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) publicou a denominada: “Informação Sindical - 31 de outubro de 2017”.

      Esta “Informação” consiste num texto longo onde, essencialmente, se faz uma recapitulação de coisas passadas, de alegações e de manifestações de intenção como: “desde o primeiro momento repudiou o projeto/anteprojeto de Estatuto apresentado pela Tutela”, enfim, nada de novo que constitua uma informação de facto e atualizada.

      Esta denominada “Informação” resulta ser, antes, uma “Recapitulação” em que se vão relatando os episódios passados: “Nessa reunião, a Exma. Senhora Ministra da Justiça, considerou pertinentes as questões suscitadas pelo S.F.J. e decidiu…”

      Mas, para além da recapitulação, encontra-se uma informação atual: “O SFJ procedeu, no dia 27-10-2017, à entrega no Ministério da Justiça, de um documento onde se encontram vertidos os principais fundamentos para a caracterização funcional com regime de Vínculo de Nomeação e Grau de Complexidade Funcional 3”.

      Quer isto dizer que o SFJ repetiu aquilo que já em julho tinha entregue, antecipadamente, ao Ministério da Justiça, embora, talvez, agora, com algum maior detalhe na fundamentação para a caracterização da carreira, uma vez que esse foi o objetivo da suspensão das reuniões com vista à análise concreta do Estatuto.

      Convém aqui recordar os leitores de que esta consideração prévia sobre as linhas mestras da carreira nada tem que ver com a negociação do Estatuto, artigo-a-artigo. Em vez de se avançar para essa discussão particular e concreta de cada artigo, tendo-se constatado que, no geral, havia uma visão muito diferente e oposta da carreira, por parte do Governo e dos sindicatos, na primeira reunião decidiu-se, e bem, suspender a análise concreta da discussão artigo-a-artigo para se definir as linhas mestras da carreira, o que é assunto, obviamente, prévio e necessário para que se possa partir para uma apreciação artigo-a-artigo do novo Estatuto.

      Até aqui está tudo bem e são infundadas as críticas dirigidas a este sindicato nos últimos dias, manifestadas nas redes sociais, quanto à falta de avanço das negociações e da concretização de um novo Estatuto. Estas críticas advêm do nervosismo e da impaciência de quem vê que não há avanços na finalização do novo Estatuto, porquanto depositam uma fé muito grande nesse novo Estatuto como sendo a solução para muitos dos males da profissão.

      Sem dúvida que um novo estatuto que supra as carências e corrija os atuais problemas é algo que se anseia mas é preciso ter calma porque o novo estatuto será aquilo que, por fim, o Governo decidir e, para pior, já basta assim.

      A proposta do Governo é má e é globalmente pior do que o velho Estatuto em vigor, por isso, não tenhamos pressa em conseguir algo novo, apenas por se considerar que só por ser novo deve se ser bom ou melhor. Não, isto não funciona como a compra de um novo “smartphone”, geralmente melhores dos que os anteriores, com mais funcionalidades, rapidez e mais bonitos. Ao contrário dos novos “smartphones” o novo Estatuto pode vir a constituir um retrocesso na independência e qualidade da carreira.

PolegarCimaBaixoVerdeVermelho.jpg

      Neste momento, nada há que indicie que os sindicatos (SFJ e SOJ) estejam a representar mal os Oficiais de Justiça no processo negocial e mesmo os fundamentos apresentados pelo SFJ, já em julho passado apresentados, não se mostram desconformes com os anseios dos Oficiais de Justiça.

      Calma! É necessária calma e total apoio aos dois sindicatos nestas negociações. Há toda uma carreira pendente e já quase 8000 pessoas pendentes. As decisões devem ser tomadas de forma consciente e sem precipitações emocionais. Compreende-se a emoção e o medo de ver frustrados muitos dos desejos, mas a negociação do novo estatuto está a iniciar e não a acabar e ainda nem sequer chegou o momento da discussão artigo-a-artigo, como todos já queriam ver discutido.

      Os comunicados ou informações do SFJ são extensos e confusos e parecem não informar convenientemente quando recapitulam sistematicamente e até ostentam as mais de quatro décadas de existência do sindicato, mas isso é um estilo desse sindicato que confunde e desagrada a muitos Oficiais de Justiça mas esse estilo, de momento e tão-só de momento, não tem que corresponder a falta de uma adequada ação. Como se disse, neste momento, a ação é a que corresponde ao momento e não há qualquer indício, neste momento, que possa preocupar os Oficiais de Justiça.

      A informação ou recapitulação do SFJ prossegue: “Sem recorrer a uma abordagem de cariz histórico, poderemos afirmar que a profissão de Oficial de Justiça sempre foi considerada como…” e volta a recapitular considerações várias que não foram interpretadas pelos Oficiais de Justiça como verdadeiros avanços nas negociações mas simples “conversa fiada” para encher página.

      Conclui o SFJ: “Entregue que está a nossa argumentação, solicitámos e aguardamos pelo agendamento de reunião com o Ministério da Justiça, com a maior brevidade. Entretanto, solicitamos, mais uma vez, que nos façam chegar os vários provimentos e ordens de serviço que se enquadram no âmbito do grau de complexidade funcional 3”. E segue com novo alardeamento da antiguidade: “O SFJ ao longo de mais de 42 anos de existência, sempre tem procurado manter uma assertividade de ação, defendendo com responsabilidade e determinação os direitos e interesses da classe”.

      Não há dúvida alguma que este sindicato ao longo de todos esses anos tem tido esse propósito; isso é indiscutível, no entanto, não é por o repetir de forma constante que vai conseguir convencer todos os Oficiais de Justiça que a forma como o tem feito tem sido a mais apropriada.

      O que se coloca em causa não são os princípios ou as intenções, o que se coloca em causa é a forma ou o meio utilizado para alcançar essa defesa dos Oficiais de Justiça e é aqui que muitos opinam que a forma de ação não tem sido a melhor e, em alguns casos, tem sido mesmo a pior.

      Claro que haverá sempre muitas e diversificadas opiniões sobre as formas de atuar e que conceitos defender mas isso é uma mais-valia que o sindicato deveria saber aproveitar e interpretar colocando-se ao lado dos seus representados e não acima ou em cima destes.

      Por exemplo: quando na anterior informação refere que não se mostra viável, nem razoável ou coerente, reivindicar o descongelamento das carreiras contando com os anos em que ocorreu o congelamento, mantendo-os como inexistentes, sendo inapropriado que haja um aumento de vencimento já em janeiro para os Oficiais de Justiça, em face da situação económica do país, o sindicato não está a acompanhar os seus representados; não está ao seu lado, mas por cima destes, como uma entidade superior que decide por eles e decide no mesmo sentido do Governo, como se fosse uma entidade administrativa governamental. Por isso, deveria ter lutado pelo direito que os seus representados reclamavam em vez de lhes vir dizer que não valia a pena fazê-lo.

Cartoon-Ganancia.jpg

      Por mais que a direção e presidência do sindicato tenha as suas próprias convicções, não se podem alhear da circunstância de que constituem um órgão representativo dos seus representados e que devem acompanhar as suas vontades ainda que diferentes da opinião particular da direção.

      É ao lado dos Oficiais de Justiça que os sindicatos se devem colocar, não por cima nem em cima. Ora, o que os Oficiais de Justiça vêm sentindo é que este sindicalismo não está ao lado, ombro-com-ombro, mas em cima, determinando, decidindo, despachando como se fosse uma entidade ou gabinete governamental ou uma dependência do Ministério da Justiça e é essa sensação que faz surgir as mais diversas reações de afastamento do movimento sindical.

      Não tenhamos ilusões: a contestação no “Facebook” não é mais eficaz do que a atividade sindical. Os sindicatos fazem-nos falta, mais do que os grupos do “Facebook” mas também não tenhamos ilusões de que um mau sindicalismo, que não esteja ao lado dos seus, perderá a favor dos comentários no “Facebook”, o que constitui um perigo para todos.

      Pode aceder à integralidade da aqui mencionada informação do SFJ através da seguinte hiperligação: “InfoSFJ”.FacebookTablet.jpg

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas/"Tags":

às 08:06


5 comentários

De Oficial Justiça a 06.11.2017 às 13:25

O (a) sr.(a) escritor deste blog é um autêntico visionário!! Melhor, é um autêntico ser paradoxal. Em posts anteriores critica as acções sindicais, hoje dende-as, decida-se, ou então seja coerente na sua análise. Mas gosto de ler o que escreve, e o que interessa é estar ocupado com qualquer coisa.

De oficialdejustica a 06.11.2017 às 17:05

Considerar alguém como um "ser paradoxal" ou "visionário" apenas porque não tem palas nos olhos, como certos animais que só veem num único sentido e, assim ficam presos para o resto da vida, a uma única visão limitada, parece ser um erro grave.
Não há um clube do ser contra e sempre contra, tal como não há um clube do ser a favor e sempre a favor.
Não há falta de coerência alguma quando se critica aquilo que está mal ou quando se defende aquilo quando se julga estar bem.
A falta de coerência existe precisamente quando se tem sempre a mesma postura e se considera que está sempre tudo mal ou que está sempre tudo bem; isso é que não é ser coerente com a realidade nem com a vida.
Para além de ser gravoso não compreender estas coerências e incoerências, é também grave, senão mesmo ainda mais grave, que não tenha compreendido o artigo do dia.
Quando diz que em artigos anteriores se critica as ações e hoje se defende, se for ler de novo, ou ler mesmo de facto, pausadamente, poderá ver como não é bem assim. Há lá coisas defensáveis e há outras que não o são. Porquê que há coisas assim e coisas assado? Porque as coisas são diferentes e são mesmo assim, porque temos dois olhos e não apenas um, embora haja quem possa ver apenas por um.
Aprenda que a independência e a liberdade de opinião é mesmo isto e não ter sempre a mesma opinião, ora defendendo sempre cegamente a sua agremiação, ora criticando, também cegamente e sempre, a agremiação contrária.
Nem tudo está sempre bem e nem tudo está sempre mal. Há que ter o discernimento de distinguir.
Por fim, agradecer a menção de: "Mas gosto de ler o que escreve" e, neste sentido, se gosta de facto, leia mas mais do que uma vez, porque de uma só parece não ser suficiente para captar tudo o que está escrito e a abrangência transmitida.

De Anónimo a 06.11.2017 às 20:37

Sr. Oficial de Justiça, fica-lhe mal andar a chamar a torto e a direito analfabeto aos comentários que por aqui vão aparecendo. Quando aparece alguém que o critica ou é analfabeto, ou não sabe ler, ou não sabe interpretar, etc etc. Calma. Opte por não responder se esses comentários o afetam tanto. Consegue fazer artigos bons, de interesse, mas nos comentários parece outra pessoa. Provavelmente até será alguém que responde aos comentários.Bem haja de um colega.

De oficialdejustica a 06.11.2017 às 22:18

Pois fica mal, tem toda a razão, mas não é a torto nem a direito e, muito menos, a todos, é apenas àqueles que de facto não sabem ler, não sabem interpretar e, por isso, dizem disparates tamanhos, sem fundamento e sem que haja qualquer correspondência com a realidade, isto é, sem que seja verdade, isto é, sendo mentira. Não se trata da crítica, trata-se da mentira e isto é bem mais diferente. Todas as críticas e todas as opiniões são aceites mas a mentira incomoda e revolta. Veja o exemplo do artigo de hoje e o comentário das 13H25, qualquer pessoa com dois dedos de testa é capaz de ver que o que consta no comentário é uma perfeita falsidade e um perfeito disparate e que possui ainda um caráter injurioso. A resposta impôs-se como necessária e foi especialmente branda e contida porque a vontade real era outra.
Apresentam-se as óbvias desculpas para todos os outros que têm que levar com isto.

De Anónimo a 06.11.2017 às 19:41

Há alguns dirigentes do SFJ que pensam que os Oficiais de Justiça andam a dormir e que passados estes dois meses até ao final do ano, visto o recibo de vencimento de Janeiro continuarão a ser premiados mensalmente com as quotas sindicais, mas se isso acabar as formações no futuro serão cada vez menos e quanto menos sindicalizados menos haverá dinheiro.
Agora, vejamos a actual situação na Educação, os professores também compreendem que o país tem uma grande divida e que também não lhes pode pagar tudo de uma vez e com rectroactivos, nem é isso que os Oficiais de Justiça estão a pedir, mas também não é razoável estar a exigir mais Oficiais de Justiça não reivindicando o que é justo para aqueles que já trabalham há 15/16 anos e com uma década de congelamentos.
É inacreditável que tendo os Oficiais de Justiça aguentado duramente entre 2011 e 2015 e alguns a ganharem 500/600 euros como disse nesse período um dos dirigentes do SFJ, são agora os próprios que vêem agora dizer que é incomportável a progressão dos escalões na totalidade e já não falo de pagamentos rectroactivos que também reconheço não ser possível.
Mas o contador para quem o tempo conta voltando a contar tem que ser adaptado em função das circunstâncias.

Comentar Artigo



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    E o colega acha mesmo que vai ser aumentado?

  • Anónimo

    Subscrevo. Os tempos dos carreiristas acabou. Pese...

  • Anónimo

    Com o grau 3, ao menos subo um patamar. E não é po...

  • Anónimo

    Caros colegas, tal supressão não é aceitável nem d...

  • Anónimo

    Estou-me pouco marimbando para o grau 3.Se daí não...

  • Anónimo

    Alguns não se entende o motivo da sua não colocaçã...

  • Anónimo

    Pelo menos conto 10 na disponibilidade.

  • Anónimo

    Como não há secretários supranumerários?! Logo na ...

  • Anónimo

    Secretários supranumerários não há, na disponibili...

  • Anónimo

    Um dos objectivos deste movimento é acabar com os ...

  • Anónimo

    Não existe qualquer instrumento jurídico (a não se...

  • Anónimo

    Pois tem razão, espero eu, eles vão ao procediment...

  • Anónimo

    As vagas não podem ser prejudicadas pelo secretári...

  • oficialdejustica

    Apesar de tudo, haverá alguns que conseguirão a co...

  • oficialdejustica

    Os lugares estão, hoje, de facto, vagos e apenas e...

  • Anónimo

    Realmente...

  • Anónimo

    Permita-me fazer uma correção: A declaração de vac...

  • Anónimo

    Desculpe discordar, se existem 60 vagas para promo...

  • oficialdejustica

    Ao abrigo do regime legal geral previsto no Estatu...

  • Anónimo

    Mas ao abrigo de que regime legal?

  • oficialdejustica

    Não há vaga que possa emergir mas há lugar que vai...

  • Anónimo

    Mas então as substituições em curso estão ao abrig...

  • oficialdejustica

    Não é ironia, é apenas uma adjetivação da sua anál...

  • Anónimo

    Mas ao abrigo de que regime legal? transferência? ...

  • Anónimo

    Obrigada pela breve resposta. Só não percebo o uso...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter e no "Blogs Portugal", ou seja, em 5 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................