Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Bem-vindo/a ao DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL publicação periódica independente com 11 ANOS de publicações DIÁRIAS especialmente dirigidas aos Oficiais de Justiça



oficialdejustica.blogs.sapo.pt
DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL (DD-OJ)
As publicações desta página podem ser encontradas diariamente em diversas plataformas:
oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt
Bem-vindo(a) à página do Diário Digital dos Oficiais de Justiça de Portugal. Aqui encontra todos os dias informação com interesse geral para o mundo da Justiça e em particular para os Oficiais de Justiça. Desfrute!
...............................................................................................................................

GREVES ATIVAS DISPONÍVEIS DIARIAMENTE PARA TODOS OS OFICIAIS DE JUSTIÇA:
-
1-- Desde 10-01-2023 - SOJ: Greve de todas as tardes após as 13H30 até às 24H00, por tempo indeterminado, SEM serviços mínimos e para todos os dias da semana, mesmo nos turnos dos sábados. Nota: desde 22-03-2023, mais de 2 meses depois do início, teve serviços mínimos, até à decisão do Tribunal da Relação de Lisboa que, 6 meses depois, os anulou.
Pode consultar o Aviso Prévio desta Greve do SOJ por aqui
Pode consultar o Acórdão do Colégio Arbitral que fixa os serviços mínimos por aqui e
Também pode consultar o ofício da DGAJ que divulga os mesmos serviços mínimos por aqui
E por aqui acede à informação do SOJ de 14SET2023 sobre a anulação dos serviços mínimos.
-
2-- Desde 08-01-2024 - SFJ: Greve ao trabalho fora das horas de expediente das secretarias (almoço e após as 17h), por tempo indeterminado e SEM serviços mínimos.. Nota: Apesar de não ter sido divulgado o Aviso Prévio de Greve, o que nele constará poderá corresponder à reprodução da informação sindical que encontra abaixo. Os serviços mínimos foram aplicados inicialmente apenas ao período das 17h às 24h, mas, por acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa de 24-04-2024, foram anulados.
Pode consultar o Acórdão do Colégio Arbitral por aqui.
Pode consultar a informação sindical de 05-01-2024, com resenha histórica, por aqui.
Pode consultar a informação sindical de 08-01-2024 sobre serviços mínimos por aqui.
Pode consultar o acórdão do TRL de 24-04-2024 que anula os serviços mínimos por aqui.
E por aqui pode consultar a informação sindical de 24-04-2024 sobre a a decisão do TRL.
-
3-- Desde 07-05-2024 - SFJ: Greve das 3 manhãs: às Segundas, Terças e Quintas-feiras, a iniciar à hora para a qual estiver agendada a primeira diligência da manhã e termo às 12H30, por tempo indeterminado. Nestas 3 manhãs HÁ serviços mínimos fixados que são os que constam no aviso prévio e ainda com a ampliação acordada com a DGAJ no número de Oficiais de Justiça nos seguintes termos: “para o Tribunal Central de Instrução Criminal em 2 Oficiais de Justiça da área judicial e 1 da carreira do Ministério Público, caso exista”.
Pode consultar a informação sindical do SFJ que faz referência a esta greve por aqui
Pode consultar o aviso prévio desta greve por aqui
-
4-- Desde 08-05-2024 - SFJ: Greve das 2 manhãs: às Quartas e Sextas-feiras, a iniciar às 09H00 e termo às 12H30, por tempo indeterminado e SEM serviços mínimos.
Pode consultar a informação sindical do SFJ que faz referência a esta greve por aqui
Pode consultar o aviso prévio desta greve por aqui
Pode consultar o acórdão do colégio arbitral por aqui

...............................................................................................................................

FERIADOS MUNICIPAIS E REGIONAL NESTA SEMANA:
- 20MAI-Seg - Águeda, Vagos, Vinhais e Feriado Regional dos Açores
- 21MAI-Ter - Matosinhos e Vila Nova de Foz Côa
- 22MAI-Qua - Leiria
- 23MAI-Qui - Celorico da Beira e Portalegre
- 25MAI-Sab - Mirandela e Santana
& pode ver + no Calendário do Oficial de Justiça para 2024

...............................................................................................................................

FOLHA DE CÁLCULO DIFERENÇAS RECONSTITUIÇÃO TEMPO PROVISÓRIO
Pode aceder por AQUI à folha de cálculo que criamos (Excel) como um exemplo do cálculo da diferença do período de provisoriedade (exemplo para um Escrivão ou Técnico de Justiça Auxiliar, de 1999 a 2023) para cumprimento da sentença do TACL. Pode (deve) saber mais por AQUI

...............................................................................................................................

Quinta-feira, 11.04.24

Começa hoje a apreciação do programa do Governo e os Oficiais de Justiça estão lá

      Começa hoje a discussão do programa do Governo na Assembleia da República. O programa, ontem entregue, é um documento com 185 páginas, ao qual pode aceder através da seguinte ligação: “Programa do XXIV Governo”.

      De acordo com o Governo, o programa incorpora 60 medidas de outros partidos com assento parlamentar.

      A seguir transcrevemos e sintetizamos aqueles aspetos que se referem à justiça e aos funcionários públicos, de forma a formem uma ideia daquilo que é a linha programática do atual governo.

      Esta discussão parlamentar do Programa do Governo, que decorrerá nestes dois dias (hoje e amanhã), será acompanhada – dia e noite – por Oficiais de Justiça que permanecerão junto à Assembleia da República, acampados, com o intuito de chamar a atenção para a existência desta tão sacrificada e invisível classe profissional.

      Esta necessidade de visibilidade advém também da ausência de menção concreta aos Oficiais de Justiça no sentido específico da resolução das anomalias da sua carreira. Ao contrário das muitas menções e propostas próprias para outras carreiras, que se tornaram mais visíveis e impertinentes, como é o caso dos professores, para os quais abundam propostas, para os Oficiais de Justiça, mantém-se a habitual invisibilidade e ausência de qualquer menção para a carreira.

      Por isso a necessidade de transformar estes seres transparentes em gente mais opaca e, portanto, mais visível para os atuais governantes, deixando definitivamente a tradição do passado que, como bem se comprova, não aportou nada de mais, mantendo tudo na mesma; na invisibilidade e na sombra.

      É na rua, seguindo o exemplo dos professores e dos polícias, que os Oficiais de Justiça podem ter alguma possibilidade, uma vez que na tranquilidade das suas cadeiras em frente às secretárias, aguardando pelas iniciativas sindicais e pela boa-vontade dos governantes, nada conseguirão, porque nada conseguiram; não no ano passado, não  nos últimos 2 anos, não nos últimos 10 anos, mas, por  incrível que pareça, é não nos últimos 20 anos.

      Rua e tendas montadas, cartas abertas e missivas, abaixo-assinados... há novas inquietudes que não param de surgir, bem demonstrando que algo novo é necessário, que algo novo se ambiciona.

      O programa do Governo ontem apresentado na Assembleia da República constitui um amontoado de boas intenções genéricas, espremidas dos programas eleitorais, inócuas e irrealizáveis.

      Atentem bem no começo do capítulo dedicado à justiça, diz assim:

      «A Justiça carece de uma reforma sólida e não de alterações casuísticas. Urge uma reforma profunda, com um horizonte que vá para além de uma legislatura.»

      Todos os partidos dizem, mais coisa menos coisa, isto e o Povo assina por baixo.  Depois diz-se que é “necessário desgovernamentalizar as escolhas políticas de Justiça”, alegando-se que “as políticas públicas da Justiça têm sido excessivamente governamentalizadas”, confundindo o básico das atribuições diferenciadas do judicial, do judiciário e do jurídico.

      Prossegue o Governo com mais uma banalidade:

      «Impõe-se democratizar a reforma da Justiça, gerando um consenso alargado, político e social, para que a mesma seja implementada com solidez e tenha resultados com eficácia.»

      Abordam-se mais generalidades sobre a justiça económica, a corrupção, a fraude e a evasão fiscal, a par da morosidade dos processos, a “falta de recursos humanos e materiais, a insuficiência de meios alternativos de resolução de litígios, a desigualdade no acesso à Justiça, a falta de transparência e de prestação de contas, e a insuficiente articulação entre os vários intervenientes do Sistema”.

      No que se refere à morosidade da justiça, o “combate”, refere o Governo, “terá de passar por várias medidas, algumas das quais requerem intervenção legislativa, outras decorrerão da introdução de uma nova visão do processo, que estimule a adoção de novas técnicas de gestão processual, para além de uma cultura de eficiência nos tribunais”. Portanto, nada de novo que não se diga em todos os programas políticos.

      O Programa aborda também as custas judiciais que, claro está, são consideradas elevadas, porque assim o diz o Povo, quando, na realidade, o que é elevado e insuportável são os honorários dos advogados e não propriamente as custas, embora a esmagadora maioria das pessoas ouça que os pagamentos que fazem são para as custas do processo.

      Diz-se até no Programas que as custas “devem ser claras, transparentes, determináveis e previsíveis” – como se agora não fossem assim.

      Em suma, este programa que o Governo apresentou não passa de um mero programa eleitoral; ou melhor, eleitoralista, perfeitamente enquadrado com as muito previsíveis próximas eleições legislativas que, lá mais para o final do ano se hão de marcar.

      Vejam só mais esta pérola: «Nenhuma reforma da Justiça pode lograr sucesso sem o empenho e a motivação de todos os seus agentes.» É a continuidade do vazio.

      Elencam-se de seguida algumas generalidades de intenções a que o Governo chama “medidas”, cujo exemplo mais cómico é o seguinte: «Agendamento das diligências judiciais com prévia articulação de agendas entre os intervenientes.», vejam lá a novidade, como se isto não se fizesse já, diariamente e desde sempre.

      Quando se aborda a “criação de unidades de recuperação de atrasos nos processos”, afirma-se a seguinte novidade: “priorizando os mais antigos”.

      Propõem-se também a habitual desjudicialização dos processos, apontando a mediação extrajudicial como solução “que incentive a negociação fora dos Tribunais, de modo a aumentar a celeridade nos processos”.

      No que se refere aos Inventários, que ainda recentemente regressaram aos tribunais, depois da péssima experiência quando foram corridos para fora, propõe o Governo o seguinte: «Agilizar os processos de heranças, favorecendo em simultâneo a sua resolução fora dos tribunais e evitando pendências de décadas.»

      No capítulo dedicado à “Valorização de carreiras”, elenca-se assim:

      «– Rever os modelos de formação contínua dos Magistrados;
      – Encetar um processo de revisão e valorização das carreiras profissionais dos Oficiais de Justiça;
      – Encetar um processo de revisão e valorização das carreiras profissionais dos Guardas Prisionais;
      – Garantir o reforço e otimização dos recursos humanos, bem como assegurar a qualificação dos profissionais para problemáticas criminais específicas;
      – Aprofundar a especialização dos Magistrados.»

      E já está. Em cinco pontos, dois são específicos para os magistrados, um para os Guardas Prisionais, um genérico sobre crime e um generalista relativo aos Oficiais de Justiça. Note-se ainda que, relativamente aos Oficiais de Justiça nem sequer há menção sobre a mesma necessidade de formação contínua nem especialização, como é preocupação para outras carreiras.

      Já para a Administração Pública e geral, propõe o Governo uma maior capacitação dos recursos humanos.

      «Só uma Administração Pública com recursos humanos capacitados e de qualidade pode responder aos desafios que se colocam a Portugal. Um “Estado mais qualificado” pressupõe uma nova política de recursos humanos, que dê prioridade às carências mais prementes de um conjunto de profissões essenciais dentro do Estado.»

      E prossegue assim o programa:

      «Para tal, impõe-se definir uma política de recursos humanos de médio prazo para cada entidade, bem como implementar planos individuais de desenvolvimento de carreira para os funcionários públicos. O mérito deve ser mais valorizado e ter reflexo nas condições remuneratórias dos funcionários públicos, o que será garantido pela modernização dos sistemas de atualização e progressões das carreiras gerais, visando a criação do suplemento remuneratório de desempenho.

      É imprescindível alinhar a competitividade do emprego público com o do setor privado. Mas é também fundamental aplicar critérios transparentes e reforçar a imparcialidade para processos de recrutamento para cargos públicos.

      A política de recursos humanos do Estado deve dotar os serviços públicos e os seus trabalhadores de competências críticas, de estratégias e políticas ajustadas de recursos humanos, e de autonomia e flexibilidade para realizarem as suas missões, e deve valorizar uma cultura de iniciativa e recompensa nos profissionais do Estado.»

      Prossegue o Governo com as seguintes intenções:

      «Com vista à recuperação da valorização, qualificação, propósito e incentivo ao emprego público, o Governo defende:

      – A prioridade estratégica e orçamental de resolver as carências mais dramáticas de um conjunto de profissões essenciais dentro do Estado, assumindo-se a necessidade de esforços especiais para compensar o desincentivo e desvalorização (material e profissional);

      – A definição da política de recursos humanos de médio prazo de cada serviço num contexto de autonomia de política remuneratória e de definição dos seus objetivos estratégicos. Este instrumento permitirá prever a evolução das competências humanas críticas, a integração do desenvolvimento tecnológico e o seu reflexo nos quadros de pessoal do serviço, as necessidades de renovação intergeracional, e desenvolver modelos de tutoria e passagem de conhecimento intergeracional;

      – Permitir a capacitação da gestão dos serviços/entidades através do desenvolvimento de sistemas de partilha de boas práticas de gestão e da aposta em programas de formação avançada dos quadros dirigentes, aprofundando as parcerias com as escolas de gestão do ensino superior português;

      – Promover a qualificação e capacitação dos dirigentes e trabalhadores da Administração Pública, garantindo a formação ao longo de toda a carreira, reforçando o papel do Instituto Nacional de Administração;

      – Implementar planos individuais de desenvolvimento de carreira dos trabalhadores, ao longo da vida ativa, numa cultura de flexibilidade e conciliação entre vida familiar e trabalho, facilitando a mobilidade intra e inter-Administrações Públicas e carreiras, e apostando na permanente qualificação e formação profissional dos trabalhadores;

      – Garantir que o mérito profissional tenha um reflexo imediato nas progressões de carreira e nas condições remuneratórias dos trabalhadores. O mérito deve ponderar o desempenho efetivo individual dos trabalhadores e coletivo do respetivo serviço/entidade, e ser aferido através de avaliações 360 graus desburocratizadas e focadas num processo de melhoria contínua, onde a autonomia e consequente responsabilização dos dirigentes e gestores públicos se assumam como pilares fundamentais;

      – Desenvolver incentivos materiais ao desempenho, ponderando soluções como suplementos remuneratórios ou bónus variáveis;

      – Assegurar o alinhamento e competitividade do emprego público com as condições das posições comparáveis no setor privado, preservando as proteções de emprego público. Em particular, permitir bonificações nos salários de entrada e dos salários dos profissionais de determinada carreira sempre que o recrutamento e retenção de trabalhadores com competências essenciais se torne dificultado;

      – Aplicar critérios transparentes e reforçar a imparcialidade nos processos de recrutamento para cargos públicos, de forma a atestar que a escolha dos candidatos é objetiva e de acordo com as suas qualificações, e de forma a promover um sistema baseado no mérito como forma de captar e reter bons profissionais e melhorar funcionamento das entidades públicas.»

ProgramaGovernoEntregue20240410.jpg

      Fonte: “Programa do XXIV Governo Constitucional”.

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:01


33 comentários

De Anónimo a 11.04.2024 às 08:09

Avaliações 360º ??

No particular e específico contexto que temos??

Não fazem a mínima ideia do que estão a falar.

De Anónimo a 11.04.2024 às 08:51

Blah! Blah! Blah!

De Anónimo a 11.04.2024 às 09:38

Como classificar o programa de governo?

No que toca à justiça, e nomeadamente tribunais, eu classifico-o de um "aborto", algo que foi anunciado que por aí vinha, com alegria, e depressa se desvaneceu num momento igual a tantos outros, em que era preciso ser-se incisivo.

Entre o "vago" e o "vazio", são outras as classificações possíveis.

Não sei se estar no texto algo como sucedeu no passado - por exemplo o programa do governo anterior, no setor da justiça, referia propostas concretas como a revisão da carreira da DGRSP, do sistema prisional, etc., que, como é sabido, ficou-se por aí, por letra morta.

Este programa é - demasiadamente - "frouxo" em tudo o que importava à Justiça.

Percebe-se agora que as pessoas investidas nos cargos são desprovidas de ideias para a Justiça - comungam apenas das daquelas coisas deitadas ao vento, a respeito dos megaprocessos, dos interrogatórios demorados, da corrupção e por aí ficam basicamente.

Há algum tempo atrás, li uns textos do Dr. Nuno Garoupa, pessoa julgo que próxima da IL e que colaborou, à semelhança de outras personagens no diagnóstico da justiça, disponível num pequeno livro da FFMS (Fundação Francisco Manuel dos Santos) , intitulado o Governo da Justiça, e apontava, além do mais, a alteração da composição dos Conselhos Superiores, que se terminasse com as portas giratórias entre as magistraturas e a política.
Também na FFMS existe um pequeno livro da autoria da Conceição Gomes, intitulado "Os atrasos da justiça" e, curiosamente, uma obra que pretende dar a conhecer o mundo mais "íntimo" dos tribunais num pequeno livro com o título "Com a devida vénia, diários dos Tribunais" onde se questiona, a propósito do funcionamento, se o cidadão comum sabe realmente o que vai dentro de um tribunal?.

Quanto aos problemas identificados pela Conceição Gomes são essencialmente os seguintes:
- demora na concretização das citações (cível);
- demora nas notificações ( e eu diria também no paradeiros dos arguidos (crime));
- demora nas perícias;
- escassez de recursos humanos;
- falta de agilização das leis processuais (não há harmonização de prazos e a fase dos articulados deveria ser mais concentrada - com menos peças processuais mas um pouco mais alargada, com um hiato temporal maior para a defesa ;
- subtração de atos da competência dos magistrados (veja-se a alteração da prova testemunhal, concretização das moradas, etc.).

Do programa do governo resulta claramente que são pessoas que não percebem nada - eu reafirmo e digo com maior ênfase "não percebem mesmo nada" do assunto relativo aos Tribunais e suspeito também de outros temas do setor (falo dos Registos /Conservatórias, da DGRSP (onde se incluem os Guardas Prisionais), etc.);

Ora, desconhecendo a realidade sobre que se atua facil é

De Anónimo a 11.04.2024 às 09:41

(ciont.) de perceber que as suas decisões não vão acontecer com a cadência que era preciso.

Mas para os Oficiais de Justiça - contemplando mais assessores para os Magistrados - nada diz ...

De Anónimo a 11.04.2024 às 09:59

Generalidades sem verdadeira intenção e sem cronologia definida.

Um emaranhado de palavras ocas e mais do mesmo.

Não existe verdadeira conjuntura e vontade políiica para mudar o que quer que seja, por aqui.

Estão mais procupados em manter os preços elevados da habitação nos grandes meios populacionais, protegendo a subida de rendas e outras medidas similares. 40% do investimento estrangeiro dos últimos anos, tem ficado na especulação imobiliária em Lisboa.
Os espanhóis já acabaram com os vistos gold. Por cá, é para proteger e manter.

O que esperavam de um partido entalado entre o liberalismo económico selvagem e o fascismo, e que atualmente não sabe bem o que é?

Desde que tirou O POVO da sua equacão ideológica, o PSD não mais se encontrou.

Julgo que as próximas semanas nos vão trazer a triste e dolorosa realidade de que o que Montenegro disse em campanha não é para levar a sério, agora.

Já há claros sinais de tal realidade.
Pessoalmente, já não tenho qualquer dúvida. Até o fantasma Coelho já veio dizer que é preciso olhar para os desiludidos. Pois, esquece esse amigo que os desiludidos são em grande parte aqueles que ele próprio deixou durante já quase mais de uma década sem promoções, com cortes de tempo de serviço e com aumentos salariais sempre menores à inflação. Eram apenas medidas provisõrias, dizia a figura.

A pressão é muita. Caímos - mais uma vez - na esparrela demagógica do discurso eleitoral.

De Anónimo a 11.04.2024 às 10:30

Ia ser um partido de direita que nos ia dar alguma coisa...
As grandes empresas é que vão lucrar é vira o disco e toca o mesmo, qual é a admiração???
Negociar estatuto, o governo cai e continua tudo na mesma como a lesma...
Qual é a surpresa do programa do governo? Nenhuma... Não queriam e apelaram ao voto na direita....
Aqui está o resultado...
O que vale é que depressa vão sair do poleiro...

De Adolfo Dias a 11.04.2024 às 14:13

Que o Kamarada Costa e Catarina regressem rápido

De Anónimo a 12.04.2024 às 10:59

Credo!

De Anónimo a 11.04.2024 às 10:53

É lógico que tudo pode não passar de retórica e todos sabemos a resistência que qualquer reforma da adm pública costuma enfrentar.

Mas concordo com esta reforma estrutural da administração pública, quer orgânica, quer funcional, com especial ênfase na modernização e na valorização do mérito em detrimento da antiguidade.
É disto que trata o "plano individual de desenvolvimento de carreira".
A antiguidade enquanto critério de progressão e acesso a determinadas posições e categorias, é sem dúvida uma das causas do estado decrépito dos serviços e da falta de atratividade.

De Anónimo a 11.04.2024 às 11:21

Sou de opinião de que:
Desde a presente data e até ao final do Verão, altura em que poderá começar a ocorrer o ocaso do governo e até a sua queda, temos duas datas importantes, que poderão e deverão servir de marcos para a nossa causa. As eleições para o Parlamento Europeu e as Férias Judiciais de Verão.
Aproveitemo-las pois.
Tenhamos a coragem de marcar e divulgar fortemente na comunicação social uma greve geral, de um mês, por todos, ao mesmo tempo e em todo o lado, a começar a 17 de junho e a terminar a 15 de julho.
Após o términus da greve seguem-se as férias judiciais, reabrindo os tribunais a 2 de setembro. Porém, se até à segunda semana de greve, nenhum compromisso fosse alcançado com a tutela, marcar-se-ia nova greve de 02 de setembro a 30 de setembro.
Estas marcações, avisos e pré-avisos deveriam ser apresentados com muita antecedência, para dar tempo à discussão pública e desgaste político do governo.
As nossas reivindicações à tutela deveriam ser ampliadas e secundarizarmos a integração dos dez por cento.
Esta medida da integração do suplemento por tão antiga ser e haver legislação própria que legitima a sua integração, deveria ser falada nestes termos e não como a maior e principal reivindicação.
As reivindicações à tutela deveriam ser:
- Atribuição de um suplemento de disponibilidade:
- Pagamento das horas extraordinárias efetivamente efetuadas:
- Aumento do valor pecuniário dos vários escalões nas diversas categorias:
- Aumento do número de escalões em cada categoria para compensação e cabimento de eventual descongelamento do tempo, similar ao da carreira dos professores.
-Negociação de compensação pela disponibilidade perante e trabalho grátis efetuado ao longo dos anos, através da aplicação de um regime de reforma próprio.

Quanto ao novo estatuto, caso queiram um novo, demos tempo à tutela para o seu estudo, apresentação e discussão, o que pode demorar, e as medidas atrás elencadas, por urgentes e justas, não podem esperar.

É o que eu penso e que irei enviar para apresentação no congresso, e vós, o que pretendeis?

De Anónimo a 11.04.2024 às 11:31

Existindo um dever de permanência e pagamento de horas extraordinárias, deixa de fazer sentido o suplemento de disponibilidade, podendo contudo ser discutido o subsídio de risco.
Por outro lado, em detrimento da palhaçada da integração do atual suplemento, deve ser exigida a valorização salarial, nunca inferior a 15 ou 20%, atenta a enorme perda de poder de compra sofrida nos últimos anos.

De Anónimo a 11.04.2024 às 11:39

OLHE QUE NÃO.
Subsídio de disponibilidade, por ter de estar sempre alerta e não poder ter outro rendimento ou atividade. Existem muitas profissões a recebê-lo.
Depois, quando o trabalho exceda as 07:00 horas diárias, o mesmo tem que ser pago com horas extraordinárias.
Está tudo ligado mas um não impede o outro.
A disponibilidade permanente é um dos aspetos que nos define como carreira especial.

De Anónimo a 11.04.2024 às 12:20

concordo.

De Anónimo a 11.04.2024 às 12:27

Pretendo uma revisão de carreira urgente que valorize por um lado e por outro que reformule esta nossa forma de trabalho, que acabe com as distinção da carreira oficial/adjunto e que termine com o conceito de antiguidade... Essa abominação... Os melhores devem progredir independentemente da antiguidade... Esse critério é medonho e injusto....

De ue entrarambemdepoisd e mim a 11.04.2024 às 13:20

Tem toda a razão e concordo. Todavia, ainda hoje, passados tantos anos desde que entrei e possuindo apenas o 12ºano, tiro algumas dúvidas e ajudo colegas que entraram bem depois de mim. Faço, com gosto o que me fizeram a mim.
Entendimentos....

De Anónimo a 11.04.2024 às 21:52

Não falei sequer em habilitações literárias... Falei de mérito apenas

De Líder dos licenciados a 11.04.2024 às 11:41

Venho ensinar todos os oficiais de justiça, que a forma de luta mais potente é através de petições, será que ninguém se lembra deste instrumento....acordem para a vida seus miseráveis.

De Anónimo a 11.04.2024 às 12:21

Só se for petições iniciais nos Tribunais contra qualquer coisa que ponha em causa os Oficiais de Justiça


Só depois o potencial acordo

De Anónimo a 11.04.2024 às 12:20

No próximo dia 26 podíamos mostrar à nova ministra que, sei lá, já não temos paciência.....
Greve.
Avisar os órgãos de comunicação social e fechar os Tribunais.mm..

De Anónimo a 11.04.2024 às 13:32

Decorre por estas horas o discurso de apresentação do programa do governo , onde ...bla bla bla...bla bla bla...bla bla bla...bla bla bla... PROFESSORES e .....bla bla bla...bla bla bla...bla bla bla...bla bla bla... MEDICOS, e ...bla bla bla...bla bla bla...bla bla bla...bla bla bla... EMPRESAS e JOVENS .....bla bla bla...bla bla bla...bla bla bla...bla bla bla... e, olhem, pouco mais, aliás pouquíssimo mais.

Bem pensei que se agigantariam os sonhos, que fosse outra a ambição, por exemplo na Justiça, se acolhesse as ideias da IL - que para mim tinha o melhor programa neste setor, a par do Livre.

Em ugar disso chamaram para companhia os conservadores do CDS, com as mesmas questões fraturantes do BE, ... o aborto, a identidade de género, e coisas assim.

Contemporaneamente, apareceu o Passos Coelho a piscar o olho ao CHEGA, se calhar pro perceber o quão fraca é a energia catalisadora do "MonteNEGRO".

Que desilusão ...

Abaixo o Governo ... e se pudéssemos voltar a 1640 ou por aí e continuarmos junto com os vizinhos ...

Comentar Artigo


Pág. 1/2



bandeira-portugal-imagem-animada-0012 bandeira-ucrania-imagem-animada-0001
oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt
.................................................. INICIATIVAS COMPLEMENTARES:
..................................................
PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Legislação e Publicações Relevantes - Lista com seleção diária de legislação e outras publicações relevantes em Diário da República e noutras fontes.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Subscrição por e-mail
Receba todos os dias o artigo do dia no seu e-mail. Peça para:
oficialdejustica.oj.portugal@gmail.com

saiba+aqui

..................................................
Grupo WhatsApp para Oficiais de Justiça
A comunicação direta de, para e com todos.
Saiba+Aqui

..................................................
Lista de Alojamentos
Anúncios de Procura e de Oferta de alojamentos para Oficiais de Justiça. Contacte pelo e-mail dedicado:
ProcuraAlojamento@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Lista de Anúncios para Partilha de Carro
Boleias e partilhas de lugares nos carros, sejam diárias, aos fins-de-semana, para férias ou ocasionais, anuncie a disponibilidade e contacte pelo e-mail dedicado:
PartilhaDeCarro@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Acordos & Descontos para Todos - Lista de descontos para Oficiais de Justiça oferecidos por empresas privadas.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................

..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Veja por aqui + informação sobre o Perfil / Autoria da página
+
Veja também por aqui o Estatuto Editorial e a Direção desta publicação
..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
808 24 24 24 - SNS 24 / Saúde 24
(custo de chamada local)
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2024

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Rei dos Oficiais de Justiça

    É simples a pj tem poder para meter qualquer polít...

  • Anónimo

  • Anónimo

  • Anónimo

    E os aumentos a PJ no anterior governo, que em al...

  • Anónimo

    Vergonha!Qualquer dias ainda vamos dizer que temos...

  • Anónimo

    Mas há alguém que queiram 16 se tem 25 à disposiçã...

  • Anónimo

    Quem gostar do atrito!Eu gosto do atrito, mas não ...

  • Anónimo

    Um piloto da TAP ganha 20 000 euros-Um doutor ou e...

  • Anónimo

    Chegou-se ao ponto, de um assistente técnico em in...

  • Anónimo

    RTP:"A pouco mais de duas semanas das eleições eur...

  • Anónimo

    Qual colega??

  • Anónimo

    Óbvio que não!

  • Anónimo

    Há quem queira salário de doutor ou de engenheiro ...

  • Anónimo

    https://observador.pt/opiniao/a-velhice-dos-sindic...

  • Anónimo

    Sim, se acho (achei) muito bem é porque também pen...

  • Anónimo

    A mensagem não tem nada a ver com o direito ou com...

  • Anónimo

    As pessoas só ganham aquilo a que têm direito!Se v...

  • Anónimo

    Esse colega merecia sim com areia...

  • Anónimo

    Attention madames e monsieurs!!!Li agora algures p...

  • Anónimo

    Nem quero acreditar em tal hipótese!E você, também...

  • Anónimo

    Desculpem as gralhas ortográficas.

  • Anónimo

    Precisamente por isso é que tenho repetidamente di...

  • Anónimo

    Se calhar devia era comprar umas boas bisnagas de ...

  • Anónimo

    Já comprei umas boas garrafas de anestesiante para...

  • Anónimo

    A colega já pensou que, por hipótese, os sindicato...



oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................