Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Esta página é uma iniciativa informativa DIÁRIA especialmente vocacionada para Oficiais de Justiça. De forma independente da administração da justiça e dos sindicatos, aqui se disponibiliza a informação relevante com um novo artigo todos os dias.



Pode ouvir por aqui rádio com música alternativa não massiva e sem publicidade
oficialdejustica.blogs.sapo.pt
FÉRIAS JUDICIAS DE VERÃO:
Decorre entre 16 de julho e 31 de agosto o período de férias judiciais de verão. Nesta altura decorrem também as férias pessoais dos Oficiais de Justiça, no entanto, os tribunais e os serviços do Ministério Público permanecem sempre abertos durante todo o período embora com algumas restrições de serviço em face das férias pessoais de muitos e das limitações legalmente impostas.


FERIADOS MUNICIPAIS NESTA SEMANA:
- 24JUL-Ter - Condeixa-a-Nova e Pedrógão Grande.
- 25JUL-Qua - Cantanhede, Celorico de Basto, Mondim de Basto, Santiago do Cacém, Mira e Ovar.
- 26JUL-Qui - Loures
& pode ver + no Calendário do Oficial de Justiça 2018

PERMUTAS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA
Veja se lhe interessam os pedidos existentes (já lá foram colocados mais de uma centena de anúncios) e envie o seu, caso esteja interessado nesta forma de mobilidade. Mesmo que ainda não esteja em condições para usar esta faculdade, sempre pode estabelecer contacto e ir combinando. Seja qual for a sua categoria ou carreira, divulgue o seu pedido e espere para ver se a alguém interessa.
Todos os contactos são realizados através do e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt

Consulte a lista dos pedidos através do “botão” que encontra no cabeçalho da página, com a designação de: “Permutas”, aí encontrando também alguns esclarecimentos sobre esta modalidade alternativa às movimentações ordinárias ou extraordinárias, destacamentos, recolocações…
saiba+aqui

Oficial de Justiça Últimas Publicações:

Quinta-feira, 07.06.18

Greve com intervalo; não são 3 dias, é 1 + 2 dias

      Nestes últimos dias não temos abordado outra coisa senão a greve, decretada pelo Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) e demais assuntos que com ela se relacionam.

      Temos vindo a referir, essencialmente, que os dias decretados se mostram insuficientes e que, por isso, deveriam ser mais dois ou três pelo menos; que o SFJ, embora tardiamente, acaba a copiar a greve do SOJ, na quantidade de dias e na divisão por dois meses, para não ser tão impactante nos vencimentos, na assunção de que a palavra dada não é palavra honrada pelo Governo; na má opção de começar a greve numa sexta-feira (as habituais sextas-feiras….) que, ainda por cima, coincide com muitos feriados municipais e festividades relacionadas com santos populares e alguns outros aspetos. No entanto, falta ainda apreciar mais um aspeto que também não parece resultar de forma positiva na opção desta marcação.

      Os três dias de greve não são verdadeiramente três dias de greve. Embora o SFJ tenha copiado de forma genérica aquela greve de janeiro do SOJ, ainda assim, copiou mal. Os tr~es dias de greve não constituem uma jornada de luta sólida; um bloco consistente que corresponda a uma jornada reivindicativa constante.

      Os três dias de greve são, na realidade, um dia e depois mais dois dias. Depois de haver um dia de greve, faz-se um intervalo de dois dias; uma pausa na luta, sem greve, para assegurar o serviço de turno do sábado e um dia de descanso, sem serviço e sem greve que corresponde ao domingo.

      Recompostas as forças no intervalo, a segunda parte da greve terá início na segunda-feira, para acabar na terça-feira.

      Ora, este tipo de greve interrompida, ou intervalada com dias de descanso não é vulgar nem neste país nem noutros. As jornadas de luta são ininterruptas e só costuma ser admissível a suspensão nos fins de semana quando as greves são superiores ao período de uma semana. Neste caso da greve decretada pelo SFJ o período não é superior a uma semana, pelo que a interrupção foge à lógica das greves anunciadas pelos sindicatos.

      Em janeiro, o SOJ anunciava três dias em bloco: quarta, quinta e sexta. Sem começar na habitual sexta de fim de semana e sem interrupções; uma greve inteira, de uma peça só.

      Esta greve decretada pelo SFJ mostra-se fatiada, dividida em três momentos: o arranque na habitual e já muito gasta sexta-feira, os dois dias de interrupção e o novo período de segunda e terça-feira.

      Trata-se de uma opção anómala por fugir àquilo que se pode denominar como as “boas práticas” sindicais na marcação de greves. É claro que não há nenhuma regra pré-definida mas há conceitos básicos de opção na criação de impacto e, nesse sentido, esta greve com um total de três dias somados (1+2) apresenta mais esta fragilidade.

      Acudam!

      O somatório das fragilidades que se têm vindo a apontar, tornam-se pouco animadores na altura de realizar algum prognóstico sobre os efeitos da greve; isto é, surgem muitas dúvidas sobre a sua eficácia.

      Socorro!

      É necessário e é urgente ilidir rapidamente estas fragilidades conducentes à desmotivação com outras iniciativas compensatórias. Desde logo e como principal medida a ampliação do período dos dias parece mostrar-se como algo fulcral para a obtenção de êxito mas outras formas de manifestação podem ser tomadas de forma a não arriscar que, a manter-se esta situação, a greve não surta qualquer efeito.

1+2=3Falas.jpg

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:07


8 comentários

De Anónimo a 07.06.2018 às 13:16

Começa a ser esquizofrénico o modo como esta página reage â actividade sindical do SFJ. É legítimo mas não deixa de incomodar quando, o que deveria haver da parte do nosso "mundo" de oficiais de justiça era uma defesa intransigente da nossa classe e não um divisionismo em que ninguém é inocente.

De Anónimo a 07.06.2018 às 13:18

saiu como anónimo mas eu não pretendo que o comentário que acabei de fazer seja anunciado dessa forma. assim, sou oficial de Justiça e chamo-me João Coutinho.

De Anónimo a 07.06.2018 às 14:23

Caríssimo, apoiado! Nunca a nossa classe esteve tão dividida e este blog não é isento de culpas nessa matéria. De frisar que também sou oficial de justiça e não sou sindicalizado em nenhuma estrutura sindical (não vá o autor do blog interpretar, precipitadamente, como, aliás é seu apanágio, que este comentário seria escrito por alguém ligado ao SFJ). Algum trabalho aqui publicado não deixa de ter algum interesse e ser de alguma forma útil aos oficiais de justiça mas as ideias e a visão subjacentes não podiam ser mais sectárias e fracturantes numa altura em que toda a classe deveria estar unida e empenhada em lutar por aquilo que é verdadeiramente importante que é a dignificação e valorização da carreira de oficial de justiça.

De oficialdejustica a 07.06.2018 às 17:25

A atividade sindical é perfeita? Nada há a dizer? Nada se pode melhorar? Ou, pelo contrário – e como tudo na vida – existe sempre a possibilidade de fazer melhor? Caso se considere que se atingiu a perfeição absoluta, então nada mais há a apreciar, a analisar e a explicar; já se se considerar que há espaço para crescer e para melhorar, então todas as críticas são contributos para esse crescimento, para a melhoria da atividade e porque não são críticas vazias nem doentias mas análises fundamentadas e explicadas que apelam à capacidade de raciocínio e à construção de um caminho que nos leve a melhores destinos do que aqueles que a temos chegado. Quem entender este trabalho de construção de algo melhor como um alegado "divisionismo", entende mal, porque se trata de uma contribuição para ter efeitos no presente ou no futuro e não de uma qualquer divisão. Quando se acrescenta não se divide; soma-se, não se subtrai, aumenta-se, não se diminui. Se, por acaso, a atividade do SFJ vem sendo mais analisada, é porque se tem verificado essa necessidade pela existência dessa própria atividade e pela vontade - que deve ser comum a todos os Oficiais de Justiça - de que tal atividade seja melhorada ao máximo de forma a obter também o máximo de rendimento na sua eficácia, porque é mesmo isso que se pretende: o máximo possível; o melhor ainda e não apenas algo remediado e meramente suficiente ou adequado. É possível fazer mais e melhor e aprender com os erros ou com os lapsos? É! E para aprender com os erros ou com os lapsos ou com a mera falta de atenção a determinados aspetos ou pormenores como é que se faz? Não analisando? Não pensando? Vendo e calando, nada dizendo, como se tudo fosse perfeito?

De Anónimo a 08.06.2018 às 09:19

Este blogue é uma pedrada no charco. Quem o faz, (desconheço quem seja) demonstra desde logo uma coisa rara no seio de grande parte do OJ:
PENSA,
Tem sentido critico,
Sabe escrever,
Conhece os assuntos,
Informa os demais...
Obviamente que, quanto ao seu conteúdo cada um retira as ilações que bem entende, no entanto e de modo geral, acho que pretende um objetivo maior, a melhoria e a dignificação da carreira. Talvez por isso incomoda muita gente!
Parabéns e continue!!

De Anónimo a 08.06.2018 às 09:56

Este blog incomoda muitos.

Carreiristas contentes com o stablishment. Os tais do sempre assim se fez...
Mudar atitudes e comportamentos é uma chatice, pá!!

Também são os tais que querem tudo eletrónico conforme manda a lei, mas...não vá acontecer alguma coisa errada...
É melhor imprimir !!!

Bafientos. Esta casa está cheia deles.

De Anónimo a 08.06.2018 às 12:30

Bom dia colegas oficiais de justiça, gostaria de deixar aqui a minha opinião que abaixo descrevo:
O SFJ e o SOJ, têm (ab)usado como do luta sindical a greve, conforme tem sido fácil nos apercebermos, não tem tido qualquer resultado, quer junto da administração e, menos ainda, junto da população em geral, já que o escudo que usa a administração – serviços mínimos – tem-se mostrado muito eficaz. Também perfilho plenamente as revindicações que têm sido apresentadas pelas nossas organizações sindicais, no entanto, não será, na minha opinião, esta a forma de luta mais ajustada atenta ineficácia já provada, pelo menos nesta fase. Devemos todos, e em particular os responsáveis sindicais, reflectir na busca de outras formas de luta mais convincentes e, junto dos oficiais de justiça fazerem um trabalho de esclarecimento e impulsionador da classe a persecução da mesma. Existem com certeza outras formas de luta a equacionar, mas, e primeiramente, é necessário efectuar um relevante e vital trabalho junto da opinião pública, nomeadamente, explicando as função (reais) dos oficiais de justiça, elucidando-a da importância que detêm no funcionamento da justiça. Pelo que me é dado aperceber, tal informação (funções do oficial de justiça) tem sido desprezada cada vez que a comunicação social aborda o assunto da justiça ou falta dela. Acho essencial este esclarecimento junto da sociedade, só assim qualquer forma de luta terá hipótese de chegar à população geral e com algum impacto junto da mesma e, desta forma, sensibilizar as administrações.
Pese embora o acima descrito, e porque estou solidário com as reivindicações bem como com a classe, se for avante a GREVE, irei aderir.
Francisco Romeiro

De Anónimo a 08.06.2018 às 13:12

Tambem vou aderir a greve, no minimo dos minimos por solidariedade, mas isso nao impede que diga que ha coisas que me desiludem no SFJ e que considere que nao tem andado bem e nao e so deste ano e de ha muitos anos. Este blog tem feito muito pela carreira, porque fez acordar muitos para problemas que nem sabiam que os havia e tem servido para que se empurre os sindicatos pra frente. Exemplo flagrante: o SFJ nao achava possivel nem lutava pela contagem dos anos de congelamento e, depois de criticado e contestado, agora já quer ver os anos contados. Demorou mas lá acabou por perceber quem tinha por obrigação defender. Vou fazer greve, ainda pago as quotas mas também ainda sei pensar por mim.

Comentar Artigo



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2018

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    A ser verdade, lógico que há incoerência.

  • Anónimo

    Não foi o regime de acesso que beneficiou, não.! O...

  • Anónimo

    Decreto-Lei é um acto legislativo aprovado pelo Go...

  • Anónimo

    Basta ver o caso de alguns colegas em regime de su...

  • Anónimo

    Claramente quem beneficiou com o fim das nomeações...

  • Anónimo

    Merece reflexão e resposta o comentário supra.Os a...

  • Anónimo

    Entraram bastantes certamente.Decorrente da práxis...

  • Anónimo

    Existem largas dezenas de Escrivães de Direito lic...

  • Anónimo

    E que agora tanto a contestam.

  • Anónimo

    Sr.s Diretores Gerais e Sr.ª Diretora Geral foi ne...

  • Anónimo

    Quantos auxiliares entraram em 2003/2004/2005/2006...

  • Anónimo

    Olhem as custas de parte! Ainda vão pedir dinheiro...

  • Anónimo

    A diferença está na licenciatura, sejam sérios.

  • Anónimo

    O que não é admissível é alguns tirarem as promoçõ...

  • Anónimo

    Quem tem uma licenciatura, mestrado ou doutorament...

  • Anónimo

    Quanto às nomeações interinas foi do mais elementa...

  • Anónimo

    A polémica envolta em torno do movimento ordinário...

  • Anónimo

    Seja lá de quem for, é ordinário, impróprio e ofen...

  • Anónimo

    11 anos a mamar na teta da vaca sem ser bezerro. ...

  • Anónimo

    Raciocínio e argumentação puramente falaciosos.

  • Anónimo

    Precisa -se de deontologia e de regularizar a situ...

  • Anónimo

    O DL 485/99 foi a forma encontrada pela administra...

  • Anónimo

    Quem escreve assim, tem tão só 11 anos de exercíci...

  • Anónimo

    Quem escreve assim desconhece completamente o cont...

  • Anónimo

    Leis iníquas permitem isto. Decorrente da minha ex...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no "Google+", ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- Google+

    7- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................