Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Esta página é uma iniciativa informativa DIÁRIA especialmente vocacionada para Oficiais de Justiça. De forma independente da administração da justiça e dos sindicatos, aqui se disponibiliza a informação relevante com um novo artigo todos os dias.



Pode ouvir aqui rádio com música alternativa não massiva e sem publicidade


FERIADOS NESTA SEMANA:
- 23ABR-Seg - Feriado Municipal: Velas
- 25ABR-Qua - Feriado Nacional: Dia da Liberdade
- 26ABR-Qui - Feriado Municipal: Belmonte
& pode ver + no Calendário do Oficial de Justiça 2018

Oficial de Justiça Últimas Publicações:

Terça-feira, 12.12.17

Justiça Tardia e Indigna

      Este domingo último, dia 10 de dezembro, comemorou-se o Dia Internacional dos Direitos Humanos. Nas comemorações, assinaladas pelo Presidente da República, este não deixou de mencionar que Portugal tem "dos mais elevados níveis de respeito" pelos Direitos Humanos, mas que, ainda assim, existem "importantes limitações", como a pobreza e, também, a morosidade do sistema judicial.

      Para Marcelo Ribeiro de Sousa, o respeito pelos Direitos Humanos esbarra no muro da pobreza e esbarra ainda noutro muro, que é igualmente pobre, o sistema nacional de justiça.

      "Atingimos dos mais elevados níveis de respeito pela pessoa e pelos Direitos Humanos, em Liberdade e Democracia, mas há ainda importantes limitações, como a pobreza, e outras ameaças para as quais devemos estar atentos e vigilantes, cumprindo as exigências do Estado de direito democrático e social que nos orgulhamos de ser", refere a mensagem divulgada no sítio da Internet da Presidência da República.

      “Saliento também o problema da justiça, da confiança dos Cidadãos e da morosidade do sistema judicial. Uma justiça tardia não é justa nem digna do país desenvolvido que somos e aspiramos a ser cada vez mais”.

      Para o Presidente da República, o sistema nacional de justiça produz uma justiça “tardia que não é justa nem digna”.

      Esta constatação do Presidente da República não constitui nenhuma novidade. Qualquer cidadão deste país tem a mesma opinião do Presidente da República e a opinião deste está, pois, sintonizada com a opinião geral dos portugueses.

      Ao longo de muitos e muitos anos, o sistema judicial tem sido sujeito a todo tipo de vandalismos, seja pela via legislativa, seja pela vilipendiação do pessoal, seja pelas medidas avulsas gestionárias e governativas, nas quais nunca se permitiu a participação do maior grupo de trabalhadores da justiça, nem estes fizeram questão de participar, por exclusão e autoexclusão.

      Referimo-nos aos já quase 8000 Oficiais de Justiça deste país, que se sujeitaram, durante muitos e muitos anos, a um trabalho sem horas, a um esforço total por tudo resolver e suportar, suportando o pesado fardo de uma justiça injusta para si próprios.

      Trata-se de um sistema de justiça que é injusto, desde logo para com os seus, e indigno também, como bem assinala o Presidente da República.

      Obrigados a trabalhar – sem qualquer tipo de compensação – pelas horas tardias dos muitos dias que se arrastam em anos, extorquidos direitos, salários e dignidade, confrontam-se todos os dias com mais uma dificuldade, mais um obstáculo e mais um peso a carregar.

      As aspirações a uma carreira digna, equilibrada e funcional, veem-se postergadas dia após dia, ano após ano, afugentando muitos, todos os que podem ou conseguem, seja pelas aposentações – e foram tantos nessa corrida nos últimos anos –, seja pela procura de outras carreiras na função pública – e foram tantos nessa corrida nos últimos anos –, seja pelo recurso a baixas médicas de longa duração, por manifesta incompatibilidade com o serviço (e foram e são tantos nessa corrida nos últimos anos).

      Estamos no final de 2017, passaram mais de três anos da enormidade de uma reorganização judiciária; ainda há contentores para albergar processos, máquinas e pessoas; ainda há obras que nem sequer começaram; ainda há um resto de estatuto e outro que ainda não o é… Ainda se pede que se cumpram as leis, que sejam observados os restos de estatuto que ainda existe; que a hora de almoço possa servir para isso mesmo e nas horas previstas; que depois das 17H00 se possa ir para casa; que o vencimento seja pago de acordo com o estabelecido e sem os subterfúgios típicos de quem não quer pagar…

      Vamos entrar em 2018 e é mais um novo ano e é mais uma mão cheia de nada.

      Saiba o Senhor Presidente da República que os Oficiais de Justiça de Portugal não são responsáveis por esta justiça tardia e indigna que assinala, pelo contrário, são responsáveis por a mesma não ser ainda mais tardia e por a mesma não ser ainda mais indigna.

      Saiba o Senhor Presidente da República e todos os portugueses que representa que os Oficiais de Justiça têm limites, porque têm que os ter, e este é um desses momentos limite em que se levantam as vozes e se despertam as ideias no sentido de dizer basta, o que será dito, de forma muito contundente e alto e em bom som, muito em breve, com uma greve massiva que demonstrará a enorme indignação que existe, fruto de uma crónica falta de atenção.

PedraCimaCabeca.jpg

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:02


16 comentários

De Anónimo a 12.12.2017 às 10:35

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República.

De Anónimo a 12.12.2017 às 11:00

Pior decisão da minha vida ter concorrido em 2015 para os tribunais. se soubesse o que sei hoje em dia nunca o teria feito, pois não é fácil estar longe de casa pagar a minha casa viver de renda e ter uma bébé sempre doente derivado ao clima dos Açores. depois existem os chamados destacamentos onde concorremos tivemos parecer positivo da comarca e a DGAJ acha por bem indeferir o mesmo, e passados quase 3 messes ainda nem uma resposta formal obtivemos, só foi-nos comunicado por telefone pela insistência. Depois vêm as depressões por ter-mos contas para pagar e não ter-mos posse para tal, e eu pergunto-me agora o que fazer pois agora já é tarde e tenho uma bébé contas para pagar e tenho de me aguentar nesta vida sem forças porque o próximo passo será mesmo uma baixa.

De Anónimo a 13.12.2017 às 07:24

Estou solidário amigo e colega, mas anda apenas há 2 anos nisto, agora pense naqueles que andam há 20!!

De Anónimo a 13.12.2017 às 10:14

Imagino colega, e sei por aquilo que passaram e ainda passam, para a DGAJ, somos apenas números, não querem saber de mais nada.

De Anónimo a 14.12.2017 às 09:51

Coragem colega, que tudo vai melhorar.

De Anónimo a 14.12.2017 às 20:47

Melhorar! Alguem jå ouviu falar em promoçoes para o proximo ano? E em que quantidade?

De oficialdejustica a 16.12.2017 às 01:07

Não há dados concretos, no entanto, a norma travão que vinha proibindo as promoções nas últimas leis de orçamento do Estado, não constará para 2018, pelo que as promoções não estarão proibidas e poderão ocorrer, após análise das necessidades dos serviços, o que "certamente" será feito pela DGAJ, de forma atempada, anunciando em março o número de promoções a que será possível concorrer no movimento anual com entrega de requerimentos no mês de abril. Portanto, haverá que aguardar, pelo menos, no máximo, até março próximo para saber a dimensão das promoções e para que categorias,sendo certo que terão mesmo que ocorrer porque se o Governo e a Assembleia da República retiraram a norma travão, não vai ser a DGAJ a travar, apenas por falta de uma atempada análise das necessidades existentes, pois não?

De Anónimo a 13.12.2017 às 18:46

A justiça é ardia para os cidadãos porque para os Oficiais de Justiça nem sequer é tardia, é inexistente.

De Anónimo a 14.12.2017 às 11:24

Da mesma opinião colega. Somos números e nada mais e tratam-nos mal, mas esquecem-se que sem nós os tribunais não funcionariam de maneira nenhuma, estou totalmente desiludida com a DGAJ e com tudo, não se importam com nosso bem estar nem dos nossos filhos nem querem saber.

De Anónimo a 14.12.2017 às 22:08

Alguem sabe quando é feito o novo movimento extraordinario

De oficialdejustica a 16.12.2017 às 00:59

Deverá ser anunciado em breve, após confirmação das desistências por falta de comparência nas colocações até ao dia 15. De acordo com a informação da DGAJ, o movimento seria realizado de seguida, depois de apuradas as desistências.
Assim, para além dos 74 lugares que já se sabe que há que preencher haverá que contabilizar as desistências entretanto ocorridas para aumentar esse número de lugares. A expressão usada. Assim, não deve tardar o anúncio e, se tal não suceder até ao final deste ano, certamente sucederá no início de janeiro.

De Anónimo a 16.12.2017 às 20:08

Obrigado. As vagas devem ser as desistencias e as vagas dadas pelas pessoas que vão para as
equjpas de recuperação.

De Anónimo a 18.12.2017 às 14:21

Equipas de recuperaçao em que consistem e como é feita a seleçao dos funcionarios?

De oficialdejustica a 18.12.2017 às 17:46

São grupos de Oficiais de Justiça formados para recuperar uma secção ou para dar apoio de recuperação a várias secções. Se para uma secção têm um curto período de duração, se formado para dar apoio a várias e a todas as secções necessárias terá uma duração superior, praticamente permanente.
O primeiro tipo de equipas é formado com elementos voluntários do núcleo onde se encontra a secção ou até de núcleos limítrofes, para exercerem funções, normalmente aos sábados, detendo objetivos concretos previamente delineados. Os elementos que constituem estas equipas dos sábados recebem o pagamento desse dia. A seleção dos voluntários é realizada pelo Secretário de Justiça e Administrador Judiciário de acordo com critérios subjetivos próprios voltados para os conhecimentos ou experiência de cada um e as funções concretas a desempenhar e objetivos a alcançar, dentro dos limites pré-definidos e autorizados pela DGAJ.
Os tipos de equipas com caráter quase permanente, atuam a nível nacional, embora se localizem em determinado núcleo ou até nas instalações da DGAJ, acedem a distância às secções e recebem também processos físicos de qualquer secção e especialidade, devolvendo-os de seguida. Estas equipas são formadas por voluntários que se candidatam em comissão de serviço a tais funções e ainda estagiários PEPAC contratados a recibos verdes. É a DGAJ que aceita candidaturas e convida estagiários, como ainda recentemente ocorreu e os seleciona de acordo com critérios próprios. Neste caso não há pagamento extraordinário, uma vez que as funções são permanentes e no horário normal, embora quando exerçam funções na DGAJ não tenham que ter os horários dos tribunais.

De Anónimo a 18.12.2017 às 20:30

A seleção das equjpas que a DGAJ publicou é feita só por funcionarios daqueles nucleos ou da comarca a que pertencem ou é feita por todos os funcionarios a nivel nacional? E a preferencia é dos funcionarios mais antigos?

De oficialdejustica a 18.12.2017 às 22:02

A seleção das equipas da DGAJ, em comissão de serviço, é a nível nacional. Os critérios de seleção não foram anunciados.

Comentar Artigo



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Caros colegas, tal supressão não é aceitável nem d...

  • Anónimo

    Estou-me pouco marimbando para o grau 3.Se daí não...

  • Anónimo

    Alguns não se entende o motivo da sua não colocaçã...

  • Anónimo

    Pelo menos conto 10 na disponibilidade.

  • Anónimo

    Como não há secretários supranumerários?! Logo na ...

  • Anónimo

    Secretários supranumerários não há, na disponibili...

  • Anónimo

    Um dos objectivos deste movimento é acabar com os ...

  • Anónimo

    Não existe qualquer instrumento jurídico (a não se...

  • Anónimo

    Pois tem razão, espero eu, eles vão ao procediment...

  • Anónimo

    As vagas não podem ser prejudicadas pelo secretári...

  • oficialdejustica

    Apesar de tudo, haverá alguns que conseguirão a co...

  • oficialdejustica

    Os lugares estão, hoje, de facto, vagos e apenas e...

  • Anónimo

    Realmente...

  • Anónimo

    Permita-me fazer uma correção: A declaração de vac...

  • Anónimo

    Desculpe discordar, se existem 60 vagas para promo...

  • oficialdejustica

    Ao abrigo do regime legal geral previsto no Estatu...

  • Anónimo

    Mas ao abrigo de que regime legal?

  • oficialdejustica

    Não há vaga que possa emergir mas há lugar que vai...

  • Anónimo

    Mas então as substituições em curso estão ao abrig...

  • oficialdejustica

    Não é ironia, é apenas uma adjetivação da sua anál...

  • Anónimo

    Mas ao abrigo de que regime legal? transferência? ...

  • Anónimo

    Obrigada pela breve resposta. Só não percebo o uso...

  • oficialdejustica

    Sim, Andreia, está luminosamente correta.

  • Anónimo

    Boa noite. Se me permite quero colocar uma questão...

  • oficialdejustica

    É possível concorrer para um lugar e manter a comi...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter e no "Blogs Portugal", ou seja, em 5 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................