Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Oficial de Justiça

Esta página é uma iniciativa informativa DIÁRIA especialmente vocacionada para Oficiais de Justiça. De forma independente da administração da justiça e dos sindicatos, aqui se disponibiliza a informação relevante com um novo artigo todos os dias.



Pode ouvir aqui rádio com música alternativa não massiva e sem publicidade


FERIADOS NESTA SEMANA:
- 23ABR-Seg - Feriado Municipal: Velas
- 25ABR-Qua - Feriado Nacional: Dia da Liberdade
- 26ABR-Qui - Feriado Municipal: Belmonte
& pode ver + no Calendário do Oficial de Justiça 2018

Oficial de Justiça Últimas Publicações:

Domingo, 05.11.17

O Logro das Estatísticas Prejudica os Oficiais de Justiça

      Ultimamente, mais uma vez, os órgãos de comunicação social reproduziram informação estatística oficial do Ministério da Justiça, transmitindo a ideia de que tudo vai bem e no bom caminho, uma vez que as sacrossantas taxas de resolução processual são cada vez mais fantásticas e acima dos 100%, isto é, acabam mais processos do que aqueles que entram.

      De facto acabam mais processos do que aqueles que entram mas isto não se deve a uma maior eficácia do sistema, deve-se, tão-só, ao simples facto de cada vez entrarem menos processos e de haver um afastamento dos cidadãos e das empresas dos tribunais.

      Os dados estatísticos não correspondem a dados exitosos mas, pelo contrário, a dados que a todos nos deviam preocupar. Se cada vez há menos processos a entrar nos tribunais, a capacidade de resolver esses processos, que são cada vez menos, também deveria ser cada vez maior; proporcionalmente cada vez maior.

      Se os recursos humanos lidam agora com menos processos, detêm necessariamente maior capacidade de resolução de processos, porque são menos. No entanto nada disto se verifica, verificando-se, antes, que a capacidade de resolução é cada vez menor e não acompanha a diminuição das entradas.

      Para quem ainda não percebeu isto vejamos um exemplo:

      Se num determinado período entrarem 50 processos e terminaram 60, isto quer dizer que se conseguiu terminar com uma quantidade idêntica aos entrados e ainda se foi aos que estavam pendentes, acabando-se com mais 10. Ora, isto, em termos percentuais, resulta numa taxa de resolução processual de 120%. Excelente taxa, acima dos 100%, nítida recuperação das pendências que cada vez são, necessariamente, menores.

      Vejamos agora a seguinte outra situação: no mesmo período em análise, em vez dos 50 novos processos do exemplo, afinal entraram menos: apenas 40 e terminaram também menos, apenas 50 (em vez dos 60), tudo menos. Perante esta situação é nítida a diminuição das entradas, o que, obviamente, representa menos trabalho e mais disponibilidade para acabar mais processos, no entanto, nem sequer se verifica que essa disponibilidade tenha contribuído para acabar mais processos porque até acabaram menos.

      Com estes números vemos como os serviços estão menos eficazes; como as entradas diminuem e, ainda assim, não há uma maior eficácia, pois se para os tais 50, do primeiro caso, terminavam 60, agora com a entrada de 40 apenas terminam 50. Há uma nítida diminuição de eficácia, uma vez que seria expectável que a uma maior disponibilidade correspondesse uma maior eficácia, esperando-se que terminassem não os 50 e nem sequer os 60 mas mais ainda: 70 por exemplo, mas tal não sucede, porque em vez dos 70 foram apenas 40.

      Neste último caso, aqui dado como exemplo, as administrações da justiça (central e locais) veem êxito, porque se limitam a ver o diferencial entre os acabados e os entrados e como os que acabam são mais que os novos, então consideram que há êxito e como vão achar uma percentagem e, atenção, para este segundo caso, a taxa de resolução processual é de 125%, isto é, é ainda maior que os 120% do primeiro caso, logo, há maior êxito e gabarolice.

      Assim, tendo uma taxa ainda mais alta, as administrações da justiça consideram que está tudo impecável e cada vez melhor e, pior ainda, são capazes de transmitir essa informação aos jornalistas e, pior ainda também, como não temos jornalistas que saibam fazer contas e que saibam ser jornalistas de facto, limitam-se a reproduzir de forma acrítica tudo aquilo que lhes é transmitido, ofertado e embelezado, sem realizarem qualquer esforço de análise.

      Como vimos nos exemplos aqui deixados, a uma mais alta taxa de resolução não corresponde necessariamente uma maior eficácia dos tribunais, bem pelo contrário, corresponde uma perda real de capacidade.

      No exemplo, vimos como, embora detendo uma maior taxa de resolução, a capacidade resolutiva foi realmente menor, porque, afinal, acabaram muito menos processos do que aqueles que seria expectável.

      Quer isto dizer que, em termos gerais, cada vez que o Governo se vangloria das taxas de resolução cada vez maiores, na realidade, os tribunais estão cada vez piores? Sim! Os tribunais estão a perder eficácia na resolução processual, tal e qual como no exemplo aqui dado.

      E isto não se comprova apenas por essa contabilidade simples das entradas e saídas de processos mas também por outros fatores. Um dos fatores, o mais importante e o que preocupa todos os cidadãos deste país, é o da duração dos processos; a longa espera pela resolução processual; a muita demora na obtenção de uma solução judicial.

      Vejamos o gráfico abaixo, que é um gráfico disponibilizado pelo Ministério da Justiça no seu chamado “Dashboard” acessível do sítio da “Justiça+Próxima”.

GraficoDuracaoMediaProcessos20082015.jpg

      Este gráfico mostra-nos a duração média dos processos entre os anos 2008 e 2015 para os processos cíveis, penais, laborais e tutelares.

      Repare na duração média dos processos cíveis (a linha mais alta). Embora haja uma descida nas entradas, a duração média ao longo dos anos não resultou numa descida na resolução de facto dos processos.

      Em 2008, um processo cível demorava em média 30 meses a ser resolvido, isto é, dois anos e meio. Em 2009, 2010, 2011 e 2012, a taxa média foi de 29 meses. Em 2013 houve um pico em que a duração passou daquela estabilidade dos 29 meses para os 37 meses. Isto é, a média passou dos 2 anos e meio para os 3 anos. Vindo a descer em 2014 para uma média de 33 meses e em 2015 para uma duração média de 32 meses. Recorde-se que em 2008 e nos anos seguintes a média era de 30 e 29.

      Estamos, pois, perante uma evolução negativa, em que a capacidade de resolução dos processos por parte dos tribunais tem piorado e não melhorado ao longo dos anos.

      Terá isso alguma coisa a ver com a diminuição dos Oficiais de Justiça ao longo do tempo, designadamente com a paulatina queda desde 2006 até o bater no fundo em 2014?

      Veja o gráfico seguinte.

OJ-TotaisAnuais-Grafico2016+Previsao2017+LinhaVerd

      Sem dúvida que a diminuição dos recursos humanos contribui inexoravelmente para esta diminuição de capacidade de resposta dos tribunais que só não é maior e escandalosamente maior porque há menos entradas.

      Não fossem as normas introduzidas pelos anteriores Governos no sentido de tornar a justiça mais cara aos cidadãos, bem como nos cortes no apoio judiciário; isto é, não fossem estas barreiras colocadas aos cidadãos e às empresas, que resultaram na diminuição das entradas, e os dados seriam simplesmente caóticos.

      Se analisarmos as demais áreas do gráfico oficial relativo à duração média dos processos, para além do caso dos processos cíveis, verificamos como na área Laboral e Tutelar a duração média de 2008, que era de 12 meses para ambas, se mantém em 2015 nos mesmos 12 meses, também para ambas, tendo tido pequenas oscilações ao longo do tempo.

      O caso dos processos penais constitui a exceção. Dos 14 meses de duração média que se verificavam em 2008, são 9 em 2015, o que constitui uma descida significativa que se deve a uma grande aposta nesta área, com introdução de alterações legislativas importantes, designadamente, a grande desjudicialização do processo-crime, com a sua retenção no Ministério Público para aplicação de medidas de suspensão provisória e também o afastamento dos cidadãos que cada vez mais não apresentam sequer queixas nas polícias pelo receio de ter que pagar enormes despesas aos tribunais e aos advogados, para além da perda de tempo.

      Este conjunto de fatores na área penal permitiu uma diminuição na duração dos processos, duração esta que constitui algo externo à capacidade de resposta dos recursos humanos dos tribunais, pois houve uma desjudicialização de muitos processos que deixaram de chegar aos tribunais e ficam e acabam no Ministério Público.

      Por isso, quando falamos de estatísticas na justiça, não podemos referir-nos apenas a uma simples operação aritmética para obtenção de uma taxa percentual que encha o olho. Essas taxas estatísticas não só não refletem a realidade como, pior ainda, a deturpam e iludem todos, transmitindo uma imagem de eficácia quando o que se passa é precisamente o contrário.

      Para além disso, como se não bastasse o erro de interpretação na leitura dos dados estatísticos, como acima se referiu, acresce que os dados estão a ser trabalhados propositadamente com o fim de produzir melhores estatísticas. Isto é, desde considerar imediatamente findos muitos processos executivos, quando o não estão, a par de muitos encerramentos administrativos e eletrónicos de processos que diariamente vêm surpreendendo os Oficiais de Justiça que, quando entram na aplicação informática de suporte à tramitação processual, se deparam, com frequência, com processos encerrados quando antes estavam pendentes e ainda o deveriam estar mas que foram administrativamente e eletronicamente encerrados.

      As administrações trabalham para as estatísticas e, nesse sentido, os dados não são piores porque também há esta intervenção e esta artificialização dos dados. Na realidade, está-se a trabalhar para esconder a cada vez maior perda de eficácia dos tribunais. E esta perda é tão real que, depois de bater no fundo em 2014, com o menor número de Oficiais de Justiça em funções de sempre, em 2015 entraram quase 600 e em 2017 entrarão quase 300 e mais 100 em 2018, ficando ainda a faltar 990 Oficiais de Justiça para que haja um efetivo preenchimento dos quadros previstos e uma efetiva recuperação de eficácia dos tribunais e, também, dos serviços do Ministério Público que cada vez mais passaram a deter mais serviço sem que fossem ampliados os recursos humanos.

      Ao contrário das considerações em voga para apresentar ao Governo soluções para baixar o custo da justiça, o que é do interesse, especialmente dos advogados, pois trata-se do seu ganha-pão, tal como este mês vai ser apresentado, lá mais para o final do mês (dias 23 e 24), aquando da realização da Cimeira da Justiça, há que propor um real e um efetivo reforço da capacidade humana e, só depois disso, é que é possível levantar as barreiras dos custos da justiça. Caso se levantem as barreiras dos custos sem prévio reforço dos recursos humanos, não haverá dados estatísticos que consigam ser calculados para disfarçar o caos que se instalará nos tribunais.

      As barreiras económicas que permitem o afastamento dos cidadãos e das empresas dos tribunais são imprescindíveis para a manutenção do sistema judicial em movimento. Sim, por muito que custe dizê-lo, tornar a justiça cara e inacessível a muitos tem sido uma fator benéfico para o seu funcionamento. Não há também dúvida que essa barreira tem que ser levantada e tem que o ser o mais depressa possível mas essa rapidez não pode ultrapassar o reforço dos recursos humanos, reforço este que deve ser prévio ao levantamento da barreira.

      Neste momento, já se deveria estar a discutir uma alteração imediata e pontual ao Estatuto EFJ, para definir a forma de acesso à carreira, com a introdução de um plano de estágio formativo, como antes ocorria, independentemente dos cursos, sendo certo que os cursos profissionalizantes e a licenciatura específica lecionada em Aveiro não se mostram capazes de fornecer os 990 novos elementos que deveriam entrar já a seguir; aliás, que já deveriam ter entrado há anos.

      A entrada destes cerca de 300 este ano e mais cerca de 100 no próximo ano não solucionam a reais necessidades dos tribunais e dos serviços do Ministério Público nem permitem pensar-se em qualquer diminuição ou isenções de taxas de justiça e demais custos processuais.

      Por isso, se se pretende de facto deter uma justiça melhor, mais eficaz e mais rápida, não vale a pena pensar muito no assunto nem arranjar soluções malabarísticas, pois basta com o simples reforço dos profissionais da justiça, especialmente daqueles cujas perdas se verificaram ao longo dos anos de forma significativa, como é o caso flagrante dos Oficiais de Justiça.

      Os Oficiais de Justiça não podem aceitar mais carga de trabalho, por falta de reforço de pessoal nem pela facilitação do acesso à justiça por parte dos cidadãos, porque isso não será prestar um bom serviço aos cidadãos mas um péssimo serviço. Os Oficiais de Justiça desejam que todos os cidadãos acedam à justiça e de forma inteiramente gratuita mas não já, porque não há condições para suportar isso, no entanto, há que trabalhar nesse sentido. Não há mas tal não quer dizer que nunca possa vir a haver.

      Os dados estatísticos não podem continuar a ser usados para esconder as carências e dar a entender que tudo está bem e cada vez melhor; este engano público resulta, inevitável e invariavelmente, em mais prejuízo para os mesmos; sempre para os mesmos: a massa trabalhadora dos tribunais que diariamente se esforça pela manutenção do movimento da engrenagem. E não é uma geringonça, é uma engrenagem, uma máquina pesada que todos carregam nos seus próprios ombros.

Estatisticas.jpg

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:05



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    E o colega acha mesmo que vai ser aumentado?

  • Anónimo

    Subscrevo. Os tempos dos carreiristas acabou. Pese...

  • Anónimo

    Com o grau 3, ao menos subo um patamar. E não é po...

  • Anónimo

    Caros colegas, tal supressão não é aceitável nem d...

  • Anónimo

    Estou-me pouco marimbando para o grau 3.Se daí não...

  • Anónimo

    Alguns não se entende o motivo da sua não colocaçã...

  • Anónimo

    Pelo menos conto 10 na disponibilidade.

  • Anónimo

    Como não há secretários supranumerários?! Logo na ...

  • Anónimo

    Secretários supranumerários não há, na disponibili...

  • Anónimo

    Um dos objectivos deste movimento é acabar com os ...

  • Anónimo

    Não existe qualquer instrumento jurídico (a não se...

  • Anónimo

    Pois tem razão, espero eu, eles vão ao procediment...

  • Anónimo

    As vagas não podem ser prejudicadas pelo secretári...

  • oficialdejustica

    Apesar de tudo, haverá alguns que conseguirão a co...

  • oficialdejustica

    Os lugares estão, hoje, de facto, vagos e apenas e...

  • Anónimo

    Realmente...

  • Anónimo

    Permita-me fazer uma correção: A declaração de vac...

  • Anónimo

    Desculpe discordar, se existem 60 vagas para promo...

  • oficialdejustica

    Ao abrigo do regime legal geral previsto no Estatu...

  • Anónimo

    Mas ao abrigo de que regime legal?

  • oficialdejustica

    Não há vaga que possa emergir mas há lugar que vai...

  • Anónimo

    Mas então as substituições em curso estão ao abrig...

  • oficialdejustica

    Não é ironia, é apenas uma adjetivação da sua anál...

  • Anónimo

    Mas ao abrigo de que regime legal? transferência? ...

  • Anónimo

    Obrigada pela breve resposta. Só não percebo o uso...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter e no "Blogs Portugal", ou seja, em 5 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................