Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Bem-vindo/a ao DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL - Esta é uma página informativa independente com 6 anos de publicações diárias especialmente dirigidas aos Oficiais de Justiça



oficialdejustica.blogs.sapo.pt
As publicações desta página podem ser encontradas diariamente em diversas plataformas:
oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt


Quinta-feira, 14.03.19

Oficiais de Justiça apresentam queixa contra Governo nas Nações Unidas

      A Organização das Nações Unidas (ONU) possui uma agência especializada em questões do Trabalho: a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

      O Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) anunciou ontem que apresentou queixa contra o Governo naquela entidade internacional, que Portugal integra junto com mais quase 200 países, em face da obrigação dos Oficiais de Justiça a trabalhar fora do seu horário normal de trabalho sem auferirem remuneração compensatória, nem qualquer outro tipo de compensação, valorização ou mesmo registo desse trabalho que lhes é imposto pela tutela.

      Como é sabido e já aqui foi abordado tantas vezes, a singularidade da greve decretada ao serviço fora das horas normais de trabalho, ao fim do dia, pela noite dentro até às 9 da manhã do dia seguinte, ou até a simples hora de almoço, tiveram como resposta, também singular, a fixação de serviços mínimos para todas essas horas, pelo que a disponibilidade dos Oficiais de Justiça passou a ser total: de 24 horas em cada dia e não apenas de 7 horas.

      Todas as horas a mais, e são um total de 17 horas por dia, podem ser trabalhadas, no seu todo ou em parte, sem qualquer compensação e até sem qualquer registo.

      Todos (todos) os dias são realizadas inúmeras horas a mais que não são registadas nem compensadas. E isto é uma singularidade desta profissão que durante muitos anos se aceitou porque existia uma compensação, designadamente na equiparação do regime de aposentação aos órgãos de polícia criminal. Hoje, sem tal regime e, ainda por cima, com cortes no vencimento durante cerca de uma década, com a irredutibilidade na compensação de todo o tempo congelado e com o recente súbito e unilateral desligar do interruptor das negociações para um novo e justo Estatuto, não podem os Oficiais de Justiça continuar a suportar aquilo que antes suportavam.

      Posto isto, o estado extraordinário a que se chegou, impõe medidas e ações também extraordinárias, pelo que a queixa do SOJ se encaixa perfeitamente nessas ações extraordinárias perante o estado extraordinário e depauperado da profissão, obviamente se aplaudindo a iniciativa.

      Diz o SOJ, na sua informação sindical de ontem, o seguinte:

      «Desde, pelo menos, 01 de janeiro de 2006 – entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 229/2005, de 29DEZ – que os Oficiais de Justiça são obrigados a trabalhar, fora do seu horário normal de trabalho, sem auferirem remuneração, nem sequer qualquer valorização por esse trabalho que lhes é imposto, pela tutela.

      Este trabalho obrigatório, durante o período normal de descanso, não é remunerado, nem compensado, como determinam todas as convenções internacionais.

      Mais, o Estado Português, através do Ministério da Justiça, aquando de greves convocadas pelo Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ), requerendo a constituição de Colégio Arbitral, tem requerido, mesmo durante a greve, serviços mínimos, o que mereceu sempre acolhimento, no que a este Sindicato diz respeito.

      Isto é, durante a greve, em horário em que o Oficial de Justiça tem o direito, legítimo, ao descanso, são impostos, sem direito a qualquer remuneração ou contrapartida, serviços mínimos, coartando assim um direito legalmente instituído.

      Na verdade, não só existe um trabalho obrigatório não remunerado, nem compensado, como mesmo durante as greves a esse trabalho, num horário em que a lei considera tempo de descanso, entende o Governo Português por bem requerer, e o Colégio Arbitral fixar, serviços mínimos a trabalho obrigatório que não remunera, nem compensa e que, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Constituição da República Portuguesa, é proibido.

      Por outro lado, o Sindicato dos Oficiais de Justiça já por múltiplas vezes tem feito chegar ao Ministério da Justiça a sua discordância pelo facto de serem os Oficiais de Justiça obrigados à prestação de trabalho, sem qualquer remuneração ou contrapartida.

      Deste modo, e perante a posição intransigente assumida pelo Governo, mais não restou ao Sindicato dos Oficiais de Justiça – embora a contragosto, pois está em causa a imagem do país – senão recorrer às instâncias internacionais competentes, maxime, a OIT para colocar termo a uma situação tão lamentável, quanto indigna, como são o trabalho forçado, não remunerado e nem compensado.»

OIT.jpg

      Fontes: "SOJ", “Diário de Notícias” e "Público".

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:04


15 comentários

De Anónimo a 14.03.2019 às 08:24

Muito bem !

De Anónimo a 14.03.2019 às 11:17

Dirigentes crónicos: fora.

De Anónimo a 14.03.2019 às 12:35

Não entendi o timing.
Recentemente a Sra. Ministra comprometeu-se a incluir ainda este ano o suplemento de recuperação processual no vencimento, através do DLEO, acto que reivindicamos há duas décadas.
Não seria mais pertinente tentar negociar agora a compensação via regime especial de aposentação, nomeadamente, incluindo os OJ no Dec_Lei n.º 4/2017 ???

De Anónimo a 14.03.2019 às 12:49

Não entendeu o "timing"? A Sra. ministra comprometeu-se? Em que mundo anda?

De Anónimo a 14.03.2019 às 19:34

Não entendeu?!...
É oficial de justiça?
Timing!

De Anónimo a 14.03.2019 às 15:35

Fui enganado. Tal como todos os restantes.
Quando entrei, vi colegas com 9/10/11 anos de serviço a passar a adjuntos, com os respetivos aumentos. Criei a legitima ilusão de que, comigo, seria igual e - nessa expetativa - comprometi-me com o banco em adquirir casa.
Ando há vinte anos nisto e cada vez mais me sinto enganado. Frustraram todas as expetativas, enganaram-me e ainda têm o desplante de exigir. Exigir brio, exigir competência, exigir horas, exigir gosto pelo trabalho. De exemplo há décadas, o estado tornou-se num negreiro sem respeito pelos seus. Não sabe, nem quer saber das dificuldades de ninguém. E ainda usa e abusa dos media para por o resto do país contra os seus próprios funcionários !!!
Como se estivessemos a falar de uma profissão que carecesse de vocação para tal...alguém aqui sonhou em pequeno ser Oficial de Justiça?
Deixem-se lá de coisas. Fomos todos enganados !!
Contas feitas, deveria estar perto de ganhar mais de 400€ mês, limpos, do que realmente ganho.
Fui ingénuo, e estou a pagar o preço dessa ingenuidade.

De Anónimo a 14.03.2019 às 18:01

Estamos todos no mesmo barco, colega. Dou-lhe, pessoalmente, toda a razão.
Fomos todos enganados.
Roubaram-nos há cerca de 5 anos, para outros terem aumentos mensais de 1.000 €. Aproximadamente 50% de aumento, em pleno período de congelamento de salários.
Passou despercebido à maioria de nós.

De Anónimo a 15.03.2019 às 06:22

Fui oficial de justiça de justiça durante 20 anos... escrivã adjunta, com o curso de escrivão e com nora de curso 16,5 em 2007 e licenciatura em 2010, nunca consegui a promoção ..causa congelamento de carreira e ainda por cima vi , em 2010/2011 , o vencimento penalizado em 3% ,porque excedia 50 euros para alèm dos 1500 € , restam limpos 1200€ ...!!!! .resulta imigrei... hoje ganho 3000€... sou adjudante Notarial.. mas no fundo se me tivessem dado condiçoes economicas no meu pais e na minha profissão... nunca teria deixado de ser oficial de justiça..!!!!! Narcisa Costa...

De Anónimo a 15.03.2019 às 08:45

Narcisa Costa, ainda bem que a vida lhe corre melhor e fez muito bem em mudar. Gostaria de fazer o mesmo, pois se a Narcisa em vinte anos conseguiu ser Adjunta e quase Escrivã, eu, em 21 anos, passei de escriturário para escrivão auxiliar (para quem não sabe, é a mesma coisa, só mudou o nome) e não é por falta de concorrer em todos os movimentos mas nada. E ao fim destes anos todos levo para casa novecentos e tal euros, nem aos mil chego. Por isso, ando sempre a ver como fugir disto.

De Anónimo a 14.03.2019 às 19:21

Amanhã espero que Fernando Jorge assuma de uma vez por todas as suas funções de dirigente sindical e se deixe de jogos de cintura.
Quanto a Carlos de Almeida espero que entregue à senhora ministra cópias do estudo sobre o "brunout" bem como da queixa apresentada à oit contra o estado português e que lhe diga que os oficiais de justiça não podem ser excluídos dos direitos fundamentais, que os demais cidadãos têm num estado de direito.

De donzilia santos a 14.03.2019 às 19:45

Srs.Anónimos: assim não é fácil. O meu "concordo" não é sobre o que está escrito antes do m/post, mas sim resposta ao comentário do outro anónimo matinal que falou no suplemento de recuperação processual, que tenta compensar o trabalho extra e precisamente porque para haver recuperação, tem de haver trabalho extra! A língua portuguesa ainda é fácil de entender, para quem quer.Esse suplemento, de vez em quando é "ameaçado" como outros e poderá sempre terminar, pois continua por integrar.

De Anónimo a 14.03.2019 às 22:13

No dia-a-dia e com total ausência de controle de produtividade, acentuada desde há uns anos a esta parte, quem fica a ganhar é quem põe em prática a pontualidade à entrada e à saída.
Afinal quem atualmente ocupa lugares de chefia de relevo não fez isso?
O passado recente diz-nos que sim.
Isto está a mudar e muito. E para melhor.
Alguém aqui escreveu:
"um pequeno passo para o homem que representa um grande passo para a humanidade".
"A pulga sem pernas não ouve".
A história bem contada diz--nos que outros já tinham assinalado a sua
presença na Lua.

De Anónimo a 14.03.2019 às 23:02

Assim é que não é fácil!
Limitar-se é contentar-se com um suplemento que serve de chapéu de chuva para tudo inclusive para uma disponibilidade permanente de 24 horas por dia como tem decidido o tribunal arbitral.
O que defendemos são direitos fundamentais como o direito à autodeterminação, o direito ao descanso, o direito a uma remuneração pelo trabalho efetivamente prestado, a um limite máximo de horas de trabalho semanais e já agora se me permitir ao direito de indignação, de liberdade de expressão e de anonimato.

De Anónimo a 14.03.2019 às 19:45

O estatuto da aposentação dos oficiais de justiça tem que ser revisto ainda nesta legislatura.
É uma matéria fundamental da qual não podemos abdicar.
A progressão na carreira depende deste estatuto.
As horas extraordinárias não pagas que os oficiais fizeram durante décadas exigem uma reparação.
E essa reparação só é possível através de um estatuto de aposentação mais favorável.

De Anónimo a 14.03.2019 às 22:19

https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/77-das-familias-portuguesas-veem-se-aflitas-para-pagar-contas-421997

Comentar Artigo



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. ||| ÚLTIMAS INICIATIVAS ||||
..................................................
Acordos & Descontos para Todos - Lista de descontos para Oficiais de Justiça oferecidos por empresas privadas.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Legislação e Publicações Relevantes - Lista com seleção diária de legislação e outras publicações relevantes em Diário da República e noutras fontes.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Lista de Alojamentos
Anúncios de Procura e de Oferta de alojamentos para Oficiais de Justiça. Contacte pelo e-mail dedicado:
ProcuraAlojamento@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Grupo WhatsApp para Oficiais de Justiça
A comunicação direta de, para e com todos. Saiba+Aqui

.................................................. Lista de Anúncios para Partilha de Carro
Boleias e partilhas de lugares nos carros, sejam diárias, aos fins-de-semana, para férias ou ocasionais, anuncie a disponibilidade e contacte pelo e-mail dedicado:
PartilhaDeCarro@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Veja por aqui + informação sobre o Perfil / Autoria da página
..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Donzília Santos

    Era este tipo de gestão que se pretendia com a "re...

  • Anónimo

    disparate é fazer perder tempo com questões de sem...

  • Anónimo

    É apenas uma questão de semântica!

  • oficialdejustica

    Sim, tem toda a razão, de facto não há, neste ano ...

  • Anónimo

    Afirmar que havia dois SMN no país é um completo d...

  • Anónimo

    É o que dá governar em cima do joelho e como reaçã...

  • Anónimo

    E é isto mesmo que define e norteia a ação polític...

  • Anónimo

    E o mediatisno bollywoodesco... também muito bom.

  • Anónimo

    O modelo Vandeskaden... Muito bom!

  • Anónimo

    Típico.Publicita-se o modelo Kaizen e implanta-se ...

  • Anónimo

    Muito bem. Gosto muito de ver como aqui não há est...

  • oficialdejustica

    Muito obrigado pela apreciação.

  • Donzília Santos

    Já vi por aqui outras análises objetivas de produ...

  • Anónimo

    2 anos não, vai ser tudo feito já no primeiro ano,...

  • Anónimo

    não me parece nadatudo o que seja para prejudicar ...

  • Anónimo

    Esta é que vai empurrar com a barriga...Não duvide...

  • oficialdejustica

  • oficialdejustica

    Obrigado Donzília por, finalmente, ver aqui uma "a...

  • Donzília Santos

    Esta sim, uma análise objetiva do blogger sobre pe...

  • Anónimo

    obrigado a ambos

  • oficialdejustica

    Sobre os Serviços Sociais do Ministério da Justiça...

  • Anónimo

    EntendidoAbraço solidário

  • oficialdejustica

    Há informações que não devem ser aqui divulgadas.

  • Anónimo

    “ao longo destes seis anos, tem angariado interess...

  • Anónimo

    Parecer nº 278 de 2019.10.15Processo n.º: 468/2019...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no WhatsApp, ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- WhatsApp

    7- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................