Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Oficial de Justiça

Esta página é uma iniciativa informativa DIÁRIA especialmente vocacionada para Oficiais de Justiça. De forma independente da administração da justiça e dos sindicatos, aqui se disponibiliza a informação relevante com um novo artigo todos os dias.



Pode ouvir por aqui rádio com música alternativa não massiva e sem publicidade
oficialdejustica.blogs.sapo.pt
FÉRIAS JUDICIAS DE VERÃO:
Decorre entre 16 de julho e 31 de agosto o período de férias judiciais de verão. Nesta altura decorrem também as férias pessoais dos Oficiais de Justiça, no entanto, os tribunais e os serviços do Ministério Público permanecem sempre abertos durante todo o período embora com algumas restrições de serviço em face das férias pessoais de muitos e das limitações legalmente impostas.


FERIADOS MUNICIPAIS NESTA SEMANA:
- 16JUL-Seg - Carregal do Sal e Paredes
- 17JUL-Ter - Penacova
- 18JUL-Qua - Nordeste
- 22JUL-Dom - Madalena e Porto Moniz
& pode ver + no Calendário do Oficial de Justiça 2018

PERMUTAS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA
Veja se lhe interessam os pedidos existentes (já lá foram colocados mais de uma centena de anúncios) e envie o seu, caso esteja interessado nesta forma de mobilidade. Mesmo que ainda não esteja em condições para usar esta faculdade, sempre pode estabelecer contacto e ir combinando. Seja qual for a sua categoria ou carreira, divulgue o seu pedido e espere para ver se a alguém interessa.
Todos os contactos são realizados através do e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt

Consulte a lista dos pedidos através do “botão” que encontra no cabeçalho da página, com a designação de: “Permutas”, aí encontrando também alguns esclarecimentos sobre esta modalidade alternativa às movimentações ordinárias ou extraordinárias, destacamentos, recolocações…
saiba+aqui

Oficial de Justiça Últimas Publicações:

Sábado, 27.05.17

Os Problemas dos Tribunais Administrativos e Fiscais

      O entupimento dos Tribunais Administrativos e Fiscais (TAF) ocorre por causa dos abusos do Fisco. Assim conclui um estudo sobre justiça tributária e fiscal feito pelo Observatório Permanente de Justiça que apresenta um cenário avassalador: há processos à espera de sentença há 13 anos.

      No final de 2015 a justiça fiscal de primeira instância registava mais de 53 mil processos pendentes, sendo grande parte destes consequência de abusos interpretativos legais do Fisco. Acresce que aquele número de processos pendentes, parte significativa dos mesmos deram entrada há mais de 13 anos.

      O avassalador cenário descrito neste trabalho, feito a pedido do Ministério da Justiça, pelas investigadoras Conceição Gomes e Paula Fernando, surpreendeu até mesmo as suas autoras, que não contavam deparar-se com tamanhas pendências.

      Sucede que a esmagadora maioria dos processos que dão entrada nos tribunais tributários (TAF) são desencadeados pelos contribuintes, numa tentativa de reagir àquilo que consideram ser os abusos do Fisco. E, em cerca de metade dos casos, é-lhes dada razão.

      “É opinião maioritária dos entrevistados que parte dos litígios que chegam a tribunal resultam de interpretação da lei à luz de um “direito circulatório” da própria administração tributária, com frequência contra jurisprudência consolidada dos tribunais”, escrevem as autoras do estudo, que ouviram dezenas de juízes, procuradores e Oficiais de Justiça.

      “A Autoridade Tributária podia ter evitado estes processos. Há litígios que não se justificam”, declarou um desses entrevistados, que antes de entrar no mundo das leis tinha trabalhado para as Finanças. Os depoimentos no mesmo sentido sucedem-se. “Por regra, não dão razão às reclamações do contribuinte e depois acaba por vir tudo para o tribunal”, refere outro depoimento. Um terceiro operador judiciário fala da pujança de uma máquina fiscal que “não respeita nada, nem a lei.”

      “Tive centenas de processos inúteis, só para o juiz pôr o carimbo a dizer que o contribuinte tem razão”, diz ainda outro entrevistado. “Ignoram, ostensivamente e por completo, a jurisprudência”, confirma um colega.

      Na apresentação do estudo, que teve lugar na Torre do Tombo, em Lisboa, numa conferência dedicada à reforma dos tribunais administrativos e fiscais, Conceição Gomes apresentou o caso paradigmático dos recursos judiciais interpostos pelos automobilistas multados por falta de pagamento de portagens. A alteração legal que determinou que estes processos podiam tramitar nos tribunais tributários teve o impacto de uma inundação. “Chegámos a ter mais de 100 processos só de um indivíduo, que cada vez que passava na SCUT recebia uma contraordenação”, descreveu um daqueles que tiveram de lidar com o assunto na justiça.

TAF-Braga-5(RTP).jpg

      Se é certo que nos tribunais TAF se decidem ações de milhões de euros, a verdade é que a grande maioria tem um valor bem mais baixo, sendo com frequência significativo o peso dos processos inferiores a mil euros, pode ler-se no trabalho, que explica como a justiça fiscal já nasceu congestionada, ou "morta à nascença", nas palavras de mais um entrevistado.

      Presente na Torre do Tombo e questionada pelo Público sobre as responsabilidades da Autoridade Tributária nas pendências processuais, a secretária de Estado Adjunta e da Justiça, Helena Ribeiro, admitiu que nem sempre a administração fiscal age da melhor forma no que à justiça diz respeito; muito embora não escamoteie a relevância dos tribunais administrativos e fiscais no surgimento de um clima económico e social "propício ao desenvolvimento, à atração do investimento e à criação de emprego."

      “Ninguém é perfeito. Há algumas falhas na forma como a administração tributária tramita os seus processos mas tem melhorado muito”, reconheceu a governante, explicando que neste momento há uma estreita ligação entre as duas partes.

      Uma das propostas de dois grupos de trabalho criados para apresentarem ao Governo reformas na jurisdição administrativa e fiscal é que todas as comunicações entre os tribunais fiscais e a Autoridade Tributária passem a ser feitas por via eletrónica, libertando os funcionários das repartições de finanças de tarefas como a triagem, digitalização, impressão e reencaminhamento dos processos judiciais. Ao mesmo tempo, poupa-se papel.

      Apesar de todas as reclamações do setor no sentido de serem colocados mais juízes e Oficiais de Justiça neste tipo de tribunais, as investigadoras do Observatório Permanente da Justiça encaram a questão com cuidado. Tirando casos pontuais, entendem que não deve ser feito nenhum reforço dos quadros de pessoal antes de o volume de processos pendentes ser estabilizado; isto é, reduzido.

      Reduzir sem pessoas? Sim, todos sabemos como isso é possível: desjudicializando os processos e entregando-os a entidades privadas para-judiciais e, ou, com a implementação de medidas avulsas com idêntico propósito que, sem as pessoas apropriadas, continuará a resultar de forma praticamente inócua.

      “Fará pouco sentido dimensionar quadros para um problema que deve ser resolvido com medidas excecionais”, defendem.

      “Considerando o atual quadro de juízes (…), caso não sejam abertos concursos para os tribunais superiores o número de juízes em primeira instância poderá ascender em 2019 a cerca de 230 magistrados.”

      O estudo menciona como outra razão para os atrasos mais prolongados algumas resistências dos próprios magistrados, quando têm de elaborar sentenças baseadas em inquirições de testemunhas feitas por outros colegas. São horas infindáveis de antigas gravações que são relutantemente obrigados a ouvir. "Esta é, como facilmente se infere, uma situação em que a morosidade provoca mais morosidade", concluem.

      A fragilidade do sistema informático que está implantado nos tribunais administrativos também mereceu a atenção de Conceição Gomes e Paula Fernando, que explicam que esta ferramenta de trabalho não só é considerada demasiado lenta por quem ali trabalha como pouco confiável; o que tem impacto quer no funcionamento dos tribunais quer na sua interação com o resto do mundo.

TAF-Braga-4(RTP).jpg

      Anunciam-se, pois, ideias diversas para solucionar problemas diversos que, se bem que se possam relacionar com aspetos diversos, relacionam-se fundamentalmente com a fata de recursos humanos.

      Não tenhamos ilusões: se temos quadros vocacionados para 20 mil processos não temos quadros vocacionados para 50 mil processos.

      Ainda que se ajustem aspetos técnicos como o sistema informático de tramitação, a gestão dos recursos humanos, os envelopes e a expedição do correio, até as petições e contestações elaboradas em formulários estandardizados, etc. Ainda que tudo isso possa ser melhorado – e sem dúvida que pode – ainda assim, se não for criado uma aplicação informática que produza sentenças sem necessidade de intervenção humana, então precisamos mesmo de seres humanos para trabalhar com os processos e esses seres humanos devem ser em número suficiente à realidade que existe no presente e não à realidade que existiu no passado ou à realidade ideal que se quer ter no futuro.

      Enquanto o Governo / Ministério da Justiça não compreender que tem que lidar com os problemas no presente e não no passado ou no futuro, não vamos conseguir resolver nada e vamos apenas perpetuar os problemas na mesma ou semelhante dimensão como andamos a ver ano após ano desde há muitos anos.

      Que um tribunal qualquer, como os TAF aqui em apreço, tenham processos pendentes há 13 anos, trata-se de um atentado, ao nível dos atentados terroristas, que põem em causa e em perigo o saudável equilíbrio de um Estado de Direito.

      Há que atacar estes atentados com a mesma veemência dos atentados terroristas; há que ter vontade real de os atacar e de acabar com eles, o que ainda não se viu e, por isso, tudo continua na mesma ou vai piorando.

TAF-Braga-3(RTP).jpg

      O sistema não vem funcionando muito por culpa das crenças que nele vão surgindo, Ainda por estes dias assistimos a declaração do Ministério da Justiça sobre a recente maior taxa de resolução processual conseguida nos tribunais TAF, alegando-se que estamos já a conseguir diminuir pendências graças a esta maior taxa de resolução. É por crendices destas que o sistema não pode melhorar, porque a quem foi conferido o poder de decidir sobre o sistema, acredita (ou quer que acreditemos) nestas taxas como sendo boas e, portanto, sem necessidade de maior intervenção.

      Dizia o Ministério da Justiça que “No final de 2015, a Taxa de Resolução Processual nos tribunais administrativos era de 86% (ou seja, o número de processos decididos representava esta percentagem do número de processos novos), tendo aumentado para 92% no decurso de um ano. Já nos tribunais tributários, durante o mesmo período, demos o impressionante salto de uma Taxa de resolução Processual de 77% para 123%. São sinais positivos.”

      Este tipo de sinais que são lidos como positivos não o são realmente e a interpretação da sua positividade é uma interpretação que se supõe ser meramente otimista e propagandista pois caso seja uma interpretação real, isto é, caso o Ministério da Justiça e o Governo acreditem mesmo naquilo que dizem e vejam nestas taxas sinais positivos, então nada de novo podemos esperar.

      Como já tivemos oportunidade de aqui explicar mais do que uma vez, em relação aos tribunais judiciais, interpretar estas taxas de resolução processual como uma verdade absoluta conduz-nos ao profundo erro de não ter noção alguma da realidade.

      Quando se diz que a taxa de resolução era de 77% nos processos fiscais e passou para 123%, estamos a afirmar que, subitamente, todos aqueles que trabalham nos TAF passaram a conseguir aquilo que nunca antes conseguiram, porque passaram a ser mais eficazes? Porque o sistema passou a ser mais eficiente? Para o Ministério da Justiça é isso mesmo o que sucedeu mas na realidade o que sucedeu não é nada disso; o que sucedeu é tão-só que passaram a entrar menos processos, isto é, que os cidadãos não estão para esperar 13 anos pela resolução dos seus assuntos; isto é, que as pessoas estão a desistir, de uma forma geral e clara, de aceder aos tribunais para que se faça justiça.

      Fazer-se justiça já não é um fator imprescindível na vivência de um cidadão num Estado de Direito, bem pelo contrário, quando mais se afasta da justiça melhor se sente o cidadão.

      Em 2016 houve uma queda muito significativa nas entradas dos processos administrativos e fiscais e, embora na área Administrativa a queda tenha sido ligeira, na área fiscal a queda foi muito significativa, na ordem dos quase 10 mil processos. Ora, se as entradas diminuem só num ano na ordem dos 10 mil processos, forçoso é chegar-se ao fim do ano com uma taxa de resolução bem boa e bem melhor do que as anteriores mas isso não significa que o sistema tenha melhorado, significa apenas que o sistema está a ser desprezado; desprezo este que (ao que parece) não é visível para o Ministério da Justiça.

SecretariaProcessos38.jpg

      Alguma da informação base para a elaboração deste artigo, e aqui pontual e parcialmente reproduzida e/ou adaptada, foi obtida na fonte (com hiperligação contida): “Público”. Todas as imagens aqui colocadas foram obtidas na comunicação social, as primeiras três “aqui=RTP” e a última “aqui=JPN

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:07



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    - Quem vai impugnar contenciosamente este moviment...

  • Anónimo

    De direito.

  • Anónimo

    auxiliares ou de direito??

  • Anónimo

    Ah ah ah ah...que desespero! Mas pode ser que tenh...

  • Anónimo

    Porquê?

  • Anónimo

    Resolução fundamentada grande amiga!

  • Anónimo

    Parece que há um grupo de escrivães que vai interp...

  • Anónimo

    Não podem concorrer, não existe lugar de origem pa...

  • Anónimo

    Têm um Estatuto? De quê, só de deveres?

  • Anónimo

    Façam greve a esse trabalho para além do horário n...

  • Anónimo

    Curiosidades/dúvidas deste movimento:O nosso Centr...

  • Anónimo

    A mensalidade.....?!! É isso mesmo....(a mensalida...

  • Anónimo

    Onde está mensalidades deve ler -se mentalidades.

  • Anónimo

    "Summum ius, summa iniuria", foi uma frase de Cíce...

  • Anónimo

    Summum ius, summa iniuria !!!

  • Anónimo

    Havia alguém que dizia: Tal dinheirito tal trabalh...

  • Anónimo

    Porquê?

  • Anónimo

    Os secretários de justiça sem lugar de origem e qu...

  • Anónimo

    O que efectivamente foi importante : promover proc...

  • Anónimo

    ahahahahahahahahahahahahaha

  • Anónimo

    Penso que deveria escrever assim: "A maioria das p...

  • Anónimo

    “ (… ) regime de avaliação (leia-se conformação co...

  • Anónimo

    A megacrimes correspondem megaprocessos que deveri...

  • Anónimo

    Julgo que terá sido este instrumento - anulação ad...

  • Anónimo

    É o que consta. Só que nesse caso como é que se po...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no "Google+", ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- Google+

    7- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................