Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Esta página é uma iniciativa informativa DIÁRIA especialmente vocacionada para Oficiais de Justiça. De forma independente da administração da justiça e dos sindicatos, aqui se disponibiliza a informação relevante com um novo artigo todos os dias.



Pode ouvir aqui rádio com música alternativa não massiva e sem publicidade


FERIADOS NESTA SEMANA:
- 23ABR-Seg - Feriado Municipal: Velas
- 25ABR-Qua - Feriado Nacional: Dia da Liberdade
- 26ABR-Qui - Feriado Municipal: Belmonte
& pode ver + no Calendário do Oficial de Justiça 2018

Oficial de Justiça Últimas Publicações:

Domingo, 07.01.18

Se são para Deveres também são para Direitos

      Esta semana que hoje acaba, a ministra da Justiça, Francisca van Dunem, afirmou que «o balanço que faço é muito positivo», sobre a atividade dos 43 juízos de proximidade existentes, dos quais 20 foram abertos em locais onde antes existiram, até agosto de 2014, tribunais judiciais.

      De notar que um Juízo de Proximidade aberto não é uma reabertura de um tribunal como vulgarmente se vem dizendo. Não houve reabertura do tribunal, houve reabertura de um espaço de atendimento do serviço nacional de justiça.

      De qualquer forma, as 20 localidades que tinham tribunal passaram a ter um serviço de atendimento que, ocasionalmente, pode realizar julgamentos, isto é, ocasionalmente parece um tribunal mas não o é.

      «Há toda uma movimentação em torno desses juízos que confirma a bondade da medida», acrescentou à Lusa a ministra da Justiça, «até mesmo no plano quantitativo», sublinhou, referindo os mais de mil julgamentos efetuados nestes espaços de justiça em 2017.

      A ministra da Justiça realçou ainda que a abertura dos 20 juízos de proximidade permitiu «devolver a presença simbólica do Estado numa função de soberania a parcelas do território que tinham ficado privadas dela».

      «Com esta medida, o Governo quis contrariar a desertificação, numa lógica de não abandonar o interior à sua sorte, pois os cidadãos do interior são tão cidadãos do país como outros quaisquer; são para deveres e, obviamente, também serão para direitos», disse também Francisca van Dunem.

      E concluiu: «Portanto, há essa lógica de igualdade e de necessidade de assegurar às pessoas a cidadania plena, que deveria efetivar-se e efetivou-se através dessa medida».

      Esta análise da ministra da Justiça Francisca van Dunem, vem considerar que a medida do atual Governo de abertura desses juízos de proximidade nas localidades que viram perdidos os seus tribunais, foi uma medida correta e que se vem provando continuar correta. Assim, isto quer dizer que a medida anterior, levada a cabo pelo anterior Governo PSD/CDS-PP, protagonizada pela então ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz, foi uma medida incorreta.

      Claro que ao longo de anos aqui clamamos pelo erro gravíssimo que constituía o afastamento da justiça das populações, por muitos e variados motivos e, por sorte, tivemos um novo Governo que teve a vontade política de reverter muitas das medidas do anterior Governo, designadamente, algumas na área da Justiça, embora não constituam uma verdadeira reversão mas uma quase reversão.

      Pese embora não se haja reaberto tribunais, como vulgarmente se propala, o certo é que, pelo menos, aquelas populações que ficaram, de um momento para o outro e sem mais nem menos sem qualquer serviço judicial, passaram a ter um serviço mínimo. Não é muito, é certo, mas é mais do que zero.

      Sabe-se que o mapa judiciário voltará a ser revisto e não estão afastadas novas alterações, especialmente no que diz respeito a certas competências específicas que se mostram demasiado concentradas e afastadas das populações que servem, como é o caso gritante da especialidade da família e menores que, em muitos casos está afastada das populações por muitos quilómetros, muita despesa de deslocação e muita dificuldade em transportes públicos.

      Esperamos que a nova ronda de alterações e ajustes do mapa judiciário implementado à pressa em 2014, venha a proporcionar mais justiça aos cidadãos deste país.

      Defendemos até que casa sede de concelho ou localidade com uma densidade populacional relevante, ainda que não sede do concelho, deveria ter sempre uma presença judicial e não necessariamente um juízo de proximidade como hoje é concebido com todas as suas valências mas um serviço de proximidade como um balcão de atendimento que permitisse muitas das atividades que são levadas a cabo nos juízos de proximidade, ainda que ali não se efetuassem julgamentos.

      Esta ideia não é nova, já aqui foi apresentada antes e até já foi objeto de proposta por um partido político com assento parlamentar, o PCP, no entanto, as alterações do mapa judiciário estão a ser levadas a cabo de forma muito cautelosa e esta vontade ou idealização de um serviço nacional de justiça mais perfeito não se enquadra na desenvoltura que o atual Governo vem tendo na área da Justiça.

      De todos modos, embora se queira, obviamente, mais, não se pode deixar de aplaudir as alterações já introduzidas por este Governo, alterações que vêm contrariar a aberração apressada do mapa judiciário Teixeira da Cruz de 2014.

      Independentemente dos números apresentados pelo Governo, como os mais de mil julgamentos efetuados ou os mais de sete mil intervenientes que estiveram envolvidos ou os muitos milhares de chamadas telefónicas e atendimentos presencias, os juízos de proximidade abertos nas localidades de onde foi suprimida a presença judicial são uma necessidade de serviço público que, mesmo com números de menor dimensão, continuam a justificar-se, uma vez que não se tratam de concessionários, filiais ou agências de uma empresa que visa o lucro e responde a acionistas, uma vez que o Estado não é uma empresa, não visa o lucro e visa a satisfação dos cidadãos, sendo estes os seus únicos e verdadeiros acionistas.

      Recordemos agora os 20 juízos de proximidade abertos em 2017 nas localidades onde foram encerrados os tribunais em 2014, locais onde o anterior Governo PSD/CDS-PP, não quis manter nenhum serviço judicial: Sever do Vouga (Comarca de Aveiro), Penela (Coimbra), Portel (Évora), Monchique (Faro), Fornos de Algodres e Meda (Guarda), Bombarral (Leiria), Cadaval (Lisboa norte), Castelo de Vide (Portalegre), Ferreira do Zêzere e Mação (Santarém), Sines (Setúbal), Paredes de Coura (Viana do Castelo), Boticas, Mesão Frio, Murça e Sabrosa (Vila Real), Armamar, Resende e Tabuaço (Viseu).

      Na generalidade, as populações servidas por estes juízos de proximidade manifestaram-se satisfeitas com a decisão do atual Governo mas, ao mesmo tempo, já notaram também que aqueles juízos de proximidade não são tribunais como os demais juízos do país. Não correm ali processos, não há nenhum juiz nem nenhum representante do Ministério Público e só lá estão em permanência dois Oficiais de Justiça, ou até apenas um e um funcionário do município.

      Claro que as populações pedem mais e é justo que se lhes dê mais, porque, como disse a ministra da Justiça e se vai repetir, trata-se de «devolver a presença simbólica do Estado numa função de soberania a parcelas do território que tinham ficado privadas dela» e ainda que «Com esta medida, o Governo quis contrariar a desertificação, numa lógica de não abandonar o interior à sua sorte, pois os cidadãos do interior são tão cidadãos do país como outros quaisquer» e como tais cidadãos «são para deveres, obviamente, também serão para direitos».

      E tem toda a razão a ministra da Justiça: quem está para deveres também tem, obviamente, que estar para direitos e isto aplica-se a toda a gente, sejam utentes da justiça, cidadãos em geral ou mesmo algum grupo concreto como os Oficias de Justiça. Não é só exigir deveres às pessoas, há que observar também os seus direitos.

BalancaDireitosDeveres.jpg

Fonte: "Gov/MJ".

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:07


3 comentários

De Anónimo a 07.01.2018 às 11:41

Bom dia
Uma questão a colocar em sede de 1ªs colocações oficiosas:
Também nos podemos candidatar aos 43 juízos de proximidade existentes, ou pelo fato de não decorrerem ali processos, não haver nenhum juiz nem nenhum representante do Ministério Público, e só lá estarem em permanência dois Oficiais de Justiça, ou até apenas um e um funcionário do município, não vale a pena?
Obrigada, e continuação pelo fantástico trabalho.

De oficialdejustica a 08.01.2018 às 01:38

Não é uma questão de valer ou não a pena, é apenas uma questão de esses juízos estarem disponíveis para que para ali possa concorrer e em primeira colocação mas, tal como muitos outros lugares, não estarão disponíveis para as primeiras colocações. Assim, está limitada aos lugares que apareçam aquando do preenchimento do requerimento, só estando esses disponíveis para o seu caso concreto.
Mais se esclarece-se que não estamos, como diz, "em sede de primeiras colocações oficiosas" mas apenas em sede de "primeiras colocações" e, ou, "primeiras colocações oficiosas". São dois tipos de colocações distintas e ambas poderão ocorrer neste movimento extraordinário em curso.
A primeira colocação é o ingresso; é o início e esta pode ocorrer por se verificar que surgiu uma vaga num dos lugares para os quais concorreu e está disponível e vai ser ocupada de acordo com a vontade do candidato ou, a final, verificando-se que ainda restam lugares por preencher e candidatos disponíveis cujos pedidos/opções não puderam ser satisfeitos, então proceder-se-á à tal "colocação oficiosa", isto é, a colocação num local que não é da vontade do candidato. Este tipo de colocação em lugar que não está nas opções do candidato designa-se por "colocação oficiosa" e só ocorrerá caso se verifique que ainda há lugares por preencher (até aos 400 iniciais) e, ao mesmo tempo, ainda sobrem candidatos que não ficaram colocados em nenhuma das suas opções por essas não terem podido ser satisfeitas.

De Anónimo a 08.01.2018 às 11:47

Obrigada pela correção e subsequente esclarecimentos.
Tenha um bom dia.

Comentar Artigo



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    E o colega acha mesmo que vai ser aumentado?

  • Anónimo

    Subscrevo. Os tempos dos carreiristas acabou. Pese...

  • Anónimo

    Com o grau 3, ao menos subo um patamar. E não é po...

  • Anónimo

    Caros colegas, tal supressão não é aceitável nem d...

  • Anónimo

    Estou-me pouco marimbando para o grau 3.Se daí não...

  • Anónimo

    Alguns não se entende o motivo da sua não colocaçã...

  • Anónimo

    Pelo menos conto 10 na disponibilidade.

  • Anónimo

    Como não há secretários supranumerários?! Logo na ...

  • Anónimo

    Secretários supranumerários não há, na disponibili...

  • Anónimo

    Um dos objectivos deste movimento é acabar com os ...

  • Anónimo

    Não existe qualquer instrumento jurídico (a não se...

  • Anónimo

    Pois tem razão, espero eu, eles vão ao procediment...

  • Anónimo

    As vagas não podem ser prejudicadas pelo secretári...

  • oficialdejustica

    Apesar de tudo, haverá alguns que conseguirão a co...

  • oficialdejustica

    Os lugares estão, hoje, de facto, vagos e apenas e...

  • Anónimo

    Realmente...

  • Anónimo

    Permita-me fazer uma correção: A declaração de vac...

  • Anónimo

    Desculpe discordar, se existem 60 vagas para promo...

  • oficialdejustica

    Ao abrigo do regime legal geral previsto no Estatu...

  • Anónimo

    Mas ao abrigo de que regime legal?

  • oficialdejustica

    Não há vaga que possa emergir mas há lugar que vai...

  • Anónimo

    Mas então as substituições em curso estão ao abrig...

  • oficialdejustica

    Não é ironia, é apenas uma adjetivação da sua anál...

  • Anónimo

    Mas ao abrigo de que regime legal? transferência? ...

  • Anónimo

    Obrigada pela breve resposta. Só não percebo o uso...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter e no "Blogs Portugal", ou seja, em 5 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................