Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Oficial de Justiça

Esta página é uma iniciativa informativa DIÁRIA especialmente vocacionada para Oficiais de Justiça. De forma independente da administração da justiça e dos sindicatos, aqui se disponibiliza a informação relevante com um novo artigo todos os dias.



Pode ouvir por aqui rádio com música alternativa não massiva e sem publicidade
oficialdejustica.blogs.sapo.pt
FÉRIAS JUDICIAS DE VERÃO:
Decorre entre 16 de julho e 31 de agosto o período de férias judiciais de verão. Nesta altura decorrem também as férias pessoais dos Oficiais de Justiça, no entanto, os tribunais e os serviços do Ministério Público permanecem sempre abertos durante todo o período embora com algumas restrições de serviço em face das férias pessoais de muitos e das limitações legalmente impostas.


FERIADOS MUNICIPAIS NESTA SEMANA:
- 24JUL-Ter - Condeixa-a-Nova e Pedrógão Grande.
- 25JUL-Qua - Cantanhede, Celorico de Basto, Mondim de Basto, Santiago do Cacém, Mira e Ovar.
- 26JUL-Qui - Loures
& pode ver + no Calendário do Oficial de Justiça 2018

PERMUTAS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA
Veja se lhe interessam os pedidos existentes (já lá foram colocados mais de uma centena de anúncios) e envie o seu, caso esteja interessado nesta forma de mobilidade. Mesmo que ainda não esteja em condições para usar esta faculdade, sempre pode estabelecer contacto e ir combinando. Seja qual for a sua categoria ou carreira, divulgue o seu pedido e espere para ver se a alguém interessa.
Todos os contactos são realizados através do e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt

Consulte a lista dos pedidos através do “botão” que encontra no cabeçalho da página, com a designação de: “Permutas”, aí encontrando também alguns esclarecimentos sobre esta modalidade alternativa às movimentações ordinárias ou extraordinárias, destacamentos, recolocações…
saiba+aqui

Oficial de Justiça Últimas Publicações:

Domingo, 17.06.18

Sempre que criticada, MJ refere a redução das pendências e consegue todos convencer

      "Assiste-se a um desapontamento generalizado, com um clima de crispação como há muito não se via. Todos os dias se anunciam contestações, muitas delas com marcação de greves e outras formas de lutas; guardas prisionais, funcionários judiciais, etc.", disse José Silvano, deputado e secretário-geral do PSD, na interpelação ao Governo nesta quinta-feira, acusando a ministra da Justiça de apenas ter tomado medidas nas "áreas mais fáceis", como a simplificação administrativa, e de ter criado "mais de uma dezena de grupos de trabalho".

      Considerando a reforma da justiça como prioritária – "um pilar essencial na democracia e uma alavanca da economia" –, o secretário-geral do PSD não avançou com medidas concretas, mas apenas com os princípios gerais que o partido defende nesta reforma.

      "Há que dotar a justiça do muito que ela carece: maior celeridade, mais meios, melhor gestão, maior programação dos investimentos, melhor qualidade legislativa, maior especialização, melhores conhecimentos técnicos, mais recato no seu funcionamento, melhor cumprimento do segredo de justiça e maior eficácia no combate à corrupção", defendeu.

      Nesta área, o deputado do PSD evocou o consenso alcançado entre agentes do setor em 2016, o chamado "pacto da justiça", no qual foram apresentadas 89 medidas concretas, mas considerou-o insuficiente.

      "O PSD valoriza muito estes acordos, mas infelizmente não são suficientes para a concretização da tão desejada, quanto necessária, reforma da Justiça", disse, acrescentando que "nem os principais partidos políticos, nem o Governo deram sequência a estes acordos, o que só demonstra que não pode haver reforma na justiça sem a colaboração de todos".

      Na intervenção de abertura do Governo neste debate, a ministra da Justiça considerou que nesta área é preciso separar "factos de perceções" e destacou que "a realidade está a mudar" neste setor desde o último entendimento nesta área alcançado entre PS e PSD em 2006.

      "No passado mês de maio foram publicadas as estatísticas de justiça respeitantes ao quarto e último trimestre de 2017. Elas confirmam uma trajetória consistentemente descendente das pendências processuais, que passaram de 1’311’579 no quarto trimestre de 2015 para 983’610 no quarto trimestre de 2018, o que traduz uma redução global de 327’969 processos, e uma descida acumulada de 25 pontos percentuais", disse.

      Esta redução das pendências processuais tinha, aliás, sido elogiada antes pelo secretário-geral do PSD.

      A habitual bandeira da redução das pendências é de tal forma aparentemente convincente que já quase todos acreditam nela.

      É caricato como até o secretário-geral do PSD é capaz de elogiar o êxito na redução das pendências e, depois, critica a ação do Governo. Ora, se os dados estatísticos mostram que o caminho é o certo, então só se poderá considerar que o caminho é mesmo o certo e o trabalho do Ministério da Justiça é o melhor, em face dos resultados. Portanto, é contraditória a postura do PSD mas não é só deste partido.

      Tudo isto não passa de um grande engano.

      É normal que o vulgar cidadão que não está minimamente familiarizado com estes assuntos, acredite que a redução das pendências é algo de positivo e que se relaciona com um efetivo aumento da eficácia da máquina judiciária, mas já não é normal que os deputados da Assembleia da República estejam tão limitados no seu raciocínio.

      A bandeira tão persistentemente usada pelo Ministério da Justiça e pelo Governo da redução das pendências é um engano porque não consiste numa evolução positiva mas precisamente no contrário: a redução das pendências é algo de muito negativo e que a todos deveria preocupar.

      Já aqui o dissemos e explicamos por diversas vezes mas vamos voltar a fazê-lo porque, como se vê, ainda quase ninguém percebeu.

      Exemplo 1: Se num determinado período, entrarem 100 processos e nesse mesmo período terminarem 50, a pendência fica em 50.

      Exemplo 2: Se num determinado período entrarem 70 processos e terminarem 30, a pendência é de 40.

      Ora, alegar que no exemplo 2, comparativamente ao exemplo 1, há uma redução na pendência e que isso é positivo e que é uma evolução, é um engano.

      Há, de facto, uma redução da pendência mas tal redução ocorre porque há uma significativa redução das entradas e, pior ainda, essa redução não implica um aumento dos processos terminados, bem pelo contrário, terminam menos do que aqueles que seria expectável em face da diminuição das entradas.

      Ou seja, a mesma máquina que em cada 100 terminava 50, agora em cada 70 termina 30, isto é, termina menos quando deveria até terminar mais porque tem mais disponibilidade porque há menos entradas.

      Esta diminuição das pendências mostra-nos que há de facto uma redução estatística mas mostra-nos também como a máquina da justiça está pior e como não está mais eficaz.

      No exemplo 2, seria expectável que terminassem, em vez dos 30, mais de 50. Se com 100 que entravam acabavam 50, se passam a entrar 70, a máquina deveria ser capaz de terminar os mesmos 50 e, dada a folga, ainda mais, no entanto, tal não se verifica.

      Estes exemplos correspondem àquilo que se passa nos dados estatísticos que são repetidamente anunciados. Há uma menor pendência mas não porque o sistema esteja melhor, aliás, está pior, porque não há mais eficácia, apenas há uma redução das entradas.

      Hoje, os cidadãos e as empresas recorrem a todos os meios alternativos para realizar a justiça que pretendem, desde negociações e acordos nos escritórios dos advogados, nos gabinetes de mediação alternativa e até em escritórios de contabilidade. Há hoje contabilistas a decidirem questões que as empresas e os cidadãos não querem colocar à apreciação do sistema judicial. As pessoas fogem da justiça, não recorrem aos tribunais, porque o sistema conseguiu afugentá-los para reduzir as pendências e, neste aspeto, está a ter êxito mas este êxito não tem que ser aplaudido.

      Elogiado seria o sistema que fizesse baixar as pendências por ser mais eficaz e não à custa do simples barramento no acesso e na redução das entradas.

      Tudo isto é grave, demagogo mas, sem dúvida, um excelente argumento que convence todos os incautos, até no parlamento.

      “Mudou, sim, senhores deputados, o criticismo ao sistema judiciário centra-se em duas dimensões essenciais: aparência de desigualdade e tempestividade, mas a realidade está a mudar”, explicou Francisca van Dunem. “Temos uma trajetória descendente, já que menos de 300 mil processos estão nos tribunais portugueses. Registamos a menor pendência dos últimos dez anos, abaixo de um milhão”, garantiu a ministra da Justiça.

      Mas o argumento dos dados estatísticos não resolve tudo.

      “Todos contestam a ação ou mesmo a omissão da ministra da Justiça”, disse José Silvano, criticando o atraso de inúmeros diplomas, como os estatutos dos vários grupos de profissionais da área da Justiça. “A senhora ministra garantiu que os estatutos estariam em vigor em janeiro deste ano e até ao momento a única proposta que existe em abril é a do Estatuto dos Magistrados Judiciais”.

      Confrontada com as várias críticas dos deputados presentes no plenário parlamentar, a ministra da Justiça focou-se apenas em números: “estes não são problemas de há dois anos e meio, mas de há 39 anos. Estamos a trabalhar no pilar da eficiência e a desenvolver a introdução de automatismos”.

Estatisticas.jpg

      O conteúdo deste artigo é de produção própria e contém formulações próprias que não correspondem a uma reprodução de qualquer outro artigo de qualquer órgão de comunicação social. No entanto, este artigo tem por base informação colhida na comunicação social que até pode estar aqui parcialmente reproduzida ou de alguma forma adaptada. Pode aceder às fontes ou à principal fonte informativa que serviu de base ou mote a este artigo, através da(s) seguinte(s) hiperligação(ões): “DN”, “Eco” e a intervenção inicial da ministra da Justiça na interpelação ao Governo: “Gov.MJ”.

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:07



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt .................................................. PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
.................................................. Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2018

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    A ser verdade, lógico que há incoerência.

  • Anónimo

    Não foi o regime de acesso que beneficiou, não.! O...

  • Anónimo

    Decreto-Lei é um acto legislativo aprovado pelo Go...

  • Anónimo

    Basta ver o caso de alguns colegas em regime de su...

  • Anónimo

    Claramente quem beneficiou com o fim das nomeações...

  • Anónimo

    Merece reflexão e resposta o comentário supra.Os a...

  • Anónimo

    Entraram bastantes certamente.Decorrente da práxis...

  • Anónimo

    Existem largas dezenas de Escrivães de Direito lic...

  • Anónimo

    E que agora tanto a contestam.

  • Anónimo

    Sr.s Diretores Gerais e Sr.ª Diretora Geral foi ne...

  • Anónimo

    Quantos auxiliares entraram em 2003/2004/2005/2006...

  • Anónimo

    Olhem as custas de parte! Ainda vão pedir dinheiro...

  • Anónimo

    A diferença está na licenciatura, sejam sérios.

  • Anónimo

    O que não é admissível é alguns tirarem as promoçõ...

  • Anónimo

    Quem tem uma licenciatura, mestrado ou doutorament...

  • Anónimo

    Quanto às nomeações interinas foi do mais elementa...

  • Anónimo

    A polémica envolta em torno do movimento ordinário...

  • Anónimo

    Seja lá de quem for, é ordinário, impróprio e ofen...

  • Anónimo

    11 anos a mamar na teta da vaca sem ser bezerro. ...

  • Anónimo

    Raciocínio e argumentação puramente falaciosos.

  • Anónimo

    Precisa -se de deontologia e de regularizar a situ...

  • Anónimo

    O DL 485/99 foi a forma encontrada pela administra...

  • Anónimo

    Quem escreve assim, tem tão só 11 anos de exercíci...

  • Anónimo

    Quem escreve assim desconhece completamente o cont...

  • Anónimo

    Leis iníquas permitem isto. Decorrente da minha ex...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no "Google+", ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- Google+

    7- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................