Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Bem-vindo/a ao DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL publicação periódica independente com 7 anos de publicações diárias especialmente dirigidas aos Oficiais de Justiça



oficialdejustica.blogs.sapo.pt
DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL (DD-OJ)
As publicações desta página podem ser encontradas diariamente em diversas plataformas:
oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt
.
...............................................................................................................................
| | | - COVID-19
[1] - Compilação de Sugestões de Medidas de Proteção Práticas para Oficiais de Justiça
[2] - Consulte aqui os dados oficiais diários atualizados da DGS e infografias
[3] - Consulte também aqui, em primeira mão, as notícias que a agência Lusa fornece para a comunicação social, entretanto com acesso gratuito

...............................................................................................................................

Sexta-feira, 10.07.20

Sindicato repudia nosso artigo sobre a rendição à maioria

      O Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) publicou ontem um artigo na sua página do Facebook em que parece reagir à nossa publicação desta última quarta-feira, 08JUL, intitulada: “SOJ discorda mas rende-se à opinião da maioria” mas, na realidade, ao longo dessa publicação, o SOJ está a reagir realmente a comentários diversos das redes sociais e também nesta página que se centram, ora neste assunto, ora na questão das 40/35 horas semanais.

      Com o título de “Interpretações rebuscada, conclusões erradas”, diz o SOJ que “tomou conhecimento, ontem, de um artigo que tendo feito interpretação de um comunicado, publicado no seu site, concluía afirmando que o SOJ se rendia à posição pretensamente defendida pela maioria dos Oficiais de Justiça. Ora, considera o SOJ que, sendo bastante rebuscada a interpretação, a conclusão teria de ser, como é, completamente errada.”

      A dita rebuscada interpretação é feita baseada na interpretação do cidadão mediano perante a conclusão da informação sindical onde se pode ler o seguinte:

      «Em conclusão, e uma vez que a carreira não discute as estratégias em causa, permitindo que se infira, interna e externamente, que a maioria defende um processo negocial global, que se arrastará ao longo de meses, então compete ao SOJ, até por não ter ainda o apoio dessa maioria dos/as colegas, desenvolver a sua ação, de forma firme, mas discreta, consentânea com os interesses dos/as Oficiais de Justiça, evitando caminhos “minados” e retrocessos que a todos/as penalizariam.»

      A dita rebuscada interpretação de que o SOJ se renderia àquilo que a maioria dos Oficiais de Justiça ambicionam, não é algo de negativo mas de positivo. Quando se diz, logo em título, que “O SOJ discorda mas rende-se à opinião da maioria”, tal rendição, embora discordante, constitui um elogio raro que nem todos conseguem alcançar. A rendição à maioria é um dos valores fulcrais da Democracia e quando discordamos mas fazemos aquilo que a maioria deseja, rendemo-nos, necessariamente, a essa maioria para poder continuar a viver numa sociedade civilizada.

      Nesta página já foi afirmado, e até mais do que uma vez, debatendo e explicando o assunto, que partilhávamos a opinião do SOJ em negociar imediatamente a integração do suplemento e o regime diferenciado de aposentação, relegando para prazo mais dilatado, para além deste final do mês de julho, a revisão do Estatuto mas, ainda assim, sem deixar de introduzir uma alteração que fixasse o novo prazo negociado e qualquer outra alteração no estatuto, de todos modos, sempre de forma a cumprir o disposto no artigo 38º da lei 2/2020 de 31MAR.

      E, tendo esta opinião, obviamente, nunca concordámos com tudo deixar para um depois incerto, atirado talvez para o final do ano; mais um final de ano como tantos outros já houve.

      Da leitura que fizemos da informação sindical do SOJ, interpretamos tal informação como sendo uma desistência da negociação em separado ainda este mês de julho, precisamente porque o sindicato maioritário e os seus filiados não partilham desta opinião e, por isso mesmo, perante a manifestação de incumprimento da Lei por parte da ministra da Justiça, o SOJ não declarou uma greve nem qualquer outro tipo de ação tal como também não o fez o SFJ.

      Estamos a chegar a meio do mês de julho e ao período das férias e aquela enormidade da declaração da ministra ficará assim incólume, sem uma resposta igualmente enorme, porque tudo isso conta com o consentimento da maioria dos Oficiais de Justiça.

      É o próprio SOJ que refere que há duas estratégias negociais e, embora prefira uma, a maioria parece ir noutro caminho e é precisamente em respeito democrático a essa maioria, que, embora a contragosto, tanto o SOJ como esta página, se veem rendidos a ter que aceitar a maioria, porque outra coisa não há.

      Diz o SOJ:

      «É importante que os/as colegas entendam que o facto de existirem duas estratégias, ainda que diferentes, não significa que uma esteja totalmente certa e a outra totalmente errada. Errado será tentar criar “cortinas de fumo”, evitando a sua discussão, insinuando-se que a Senhora Ministra da Justiça faltou à verdade, por referir, de forma clara, o que se extraiu das posições assumidas, em reunião conjunta, com os Sindicatos.»

      Verdadeiramente, não é possível afirmar que a estratégia A é melhor do que a B ou vice-versa, a única coisa que se pode afirmar é que o tal artigo 38º não caiu do céu, deu trabalho a conquistá-lo e é uma verdadeira pena que não se concretize.

      De todos modos, embora estejamos convictos que a postura do SOJ constitui uma rendição à opinião da maioria, especialmente depois de ler na mesma página do Facebook, respostas a comentários como o que segue, admitimos, ainda assim, perfeitamente, que poderemos não ter percebido a intenção de que, afinal, o SOJ, vai ignorar a tal maioria e continuar a forçar a negociação e publicação até ao final de julho dos dois aspetos em separado: integração e aposentação. Não nos parece que assim seja, da leitura que fizemos, especialmente depois de ler respostas assim:

      «Será que alguém acredita que um deputado se vai "atravessar" para defender a lei, se àqueles que são beneficiados por essa lei não a querem? Como vai qualquer deputado levantar a questão de se destacar da negociação essas duas matérias se a carreira, na sua maioria, está contra? Como pode um sindicato insistir com os deputados, se já se criou a convicção que a maioria não quer destacar essas duas questões da negociação geral? Será que a própria comunicação social se interessa pela matéria, perante o contexto em que foi colocada?

      É evidente que poderemos sempre dizer que os sindicatos não fazem nada, mas também importa percecionar o que está em causa e deixar de discussões estéreis... É nesse sentido que o SOJ refere que, mais do que saber o que dizem os representantes dos trabalhadores (sindicatos) importa saber o que querem os representados (trabalhadores). Seja neste espaço, seja noutro espaço, a carreira tem de dizer o que quer.»

      É evidente que não contando com a defesa do cumprimento da Lei por parte da maioria dos Oficiais de Justiça, não será possível vê-la cumprida quando quem o deveria fazer se nega a tal.

      Independentemente desta leitura, o que é abordado pelo SOJ constitui ruído, ruído provocado por comentadores das publicações e, como se disse, estes chegam mesmo a misturar conteúdos, como o assunto das 40/35 horas semanais; assunto este que nem sequer foi aqui abordado, por não o considerarmos relevante no momento atual, embora tenha sido, obviamente, relevante no passado mas, havendo outras notícias mais prementes, tal assunto foi relegado e descartado.

      Claro que há conclusões erradas e interpretações rebuscadas mas aqui não pretendemos fazer nenhuma interpretação rebuscada e, muito menos, tirar conclusões erradas. Tais interpretações e conclusões pertencem a outros foros.

      Se o SOJ acredita que disse claramente que vai continuar a peregrinação no caminho de defesa da sua estratégia, contra a vontade da maioria, então talvez deva repensar a sua forma de transmitir essa clareza que não se está a ver.

      Reiteramos que percecionamos a rendição que, aliás, é geral, tanto mais que estamos num período de pré-férias onde as ações de reivindicação ou de contestação perdem toda a sua eficácia, pelo que a conclusão não a reputamos como errada.

      Depois da leitura do mencionado artigo e das publicações do SOJ e do SFJ sobre a ultrapassada questão das 35/40 horas semanais, surgiram inúmeros comentários nas redes sociais, como sempre alguns até arrepiantes, mas nenhum desses comentários pertence a esta iniciativa informativa, pelo que repudiamos a publicação do SOJ no sentido de misturar aquilo que aqui se diz, em artigo publicado, com os comentários de quem quer que seja, aqui ou noutro qualquer lugar.

      É lícito que o SOJ conteste a nossa interpretação e conclusões; ponto; mas não é correto que nos misture com coisa diversa como sucede – ou nos parece que sucede – ao longo da publicação na sua página do Facebook.

BinoculosMaos.jpg

      Para que cada leitor possa interpretar por si mesmo, vai a seguir reproduzida na íntegra a referida publicação de ontem do SOJ:

      «O SOJ tomou conhecimento, ontem, de um artigo que tendo feito interpretação de um comunicado, publicado no seu site, concluía afirmando que o SOJ se rendia à posição pretensamente defendida pela maioria dos Oficiais de Justiça.

      Ora, considera o SOJ que, sendo bastante rebuscada a interpretação, a conclusão teria de ser, como é, completamente errada.

      Assim, aproveita o SOJ para esclarecer os que encontram no comunicado “picardias” e “guerras de sindicatos” e também apresentar a “interpretação original”, nos seguintes termos:

     Da reunião ocorrida com a Senhora Diretora-geral e também da reunião com a Senhora Ministra da Justiça, ficou explicito que havia duas posições, diferentes, para se alcançar um ganho para a carreira;

      É legítimo que entidades diferentes possam optar por caminhos diferentes, mesmo quando o fim seja idêntico: no caso concreto, estamos convictos, a valorização da carreira dos oficiais de justiça;

     Legitimidade que decorre do Estado de Direito Democrático e onde a unicidade sindical foi ultrapassada, para insatisfação de alguns, mas também por não vivermos num país de “pensamento único”, como alguns parecem ambicionar.

     Portanto, reconhecer, no comunicado, que há duas estratégias e assumir a que se defende, não é “picardia” menos ainda “guerra de sindicatos”. Haja maturidade, pelo menos institucional, se outra não restar, para se perceber isso!

     Mais, em momento algum do comunicado, apresentado pelo SOJ, se pode concluir que uma das estratégias está totalmente certa e a outra totalmente errada. Pelo contrário!

      Limita-se o SOJ a constatar, no comunicado, que foram apresentados “dois caminhos” e a defender aquele que apresentou à Ministra da Justiça e à Diretora-geral: as matérias da aposentação e integração do suplemento deveriam ser destacadas e negociadas de imediato, para que se cumprisse a Lei do Orçamento de Estado;

      Não deixou o SOJ, ainda, de chamar à colação o ocorrido em 2016, onde os sindicatos aceitaram negociar uma alteração ao estatuto em que se reduziu o número de movimentos.

     Se, em 2016, foi possível destacar essa matéria – redução dos movimentos –, será que agora não é possível destacar duas matérias, com base no cumprimento da Lei?

      No comunicado agora dissecado, o SOJ afirma que se a sua estratégia estiver errada, reconhecerá isso mesmo. Consequentemente, também não pode inferir-se, exceto por má-fé (o artigo em questão não o faz), que o SOJ está contra a outra posição e menos ainda contra outro qualquer sindicato.

      O SOJ tem, não só sentido de responsabilidade, mas também cultura e maturidade institucional!

      O SOJ refere ainda, por ser do seu entendimento, e fazer parte do seu “ADN”, que é importante que as pessoas individuais ou coletivas, assumam as suas posições, para ganho de todos;

      Por exemplo, quando o SOJ contestou os ingressos que violavam a lei, assumiu-o sempre, mesmo frente a colegas a quem tinha sido inculcado o medo de virem a ser “colocados na rua”. Colegas que, compreensivelmente – todos vivemos do nosso trabalho -, viviam momentos de angústia, pois que havia campanhas, apoiadas pela tutela, para que vivessem em constante medo.

      Não nos pronunciaremos sobre os que obtiveram ganhos com a gestão desse medo, por inoportuno, mas importa afirmar que o SOJ assumiu, sempre, as suas posições. E sendo verdade que houve colegas que criticaram, mas souberam respeitar a posição de quem defendia o coletivo, outros houve a quem faltou o controle emocional ou formação, pelo menos no plano cívico.

      Mas, por paradoxal que possa parecer, na situação em apreço, deu-se até a circunstância de, posteriormente - quando o SOJ alcançou o ganho para a carreira – e ficou demonstrado que o SOJ não ia colocar ninguém na “rua”, outros assumirem esse trabalho como sendo seu.

      Portanto, dizer-se que há duas estratégias e que cada um deve assumir a sua, não é “picardia”, nem “guerra de sindicatos”, mas sim permitir que a classe possa discutir, com verdade e rigor o que está em causa.

      Refere ainda o SOJ, nesse artigo, que a classe não pode perder tempo a discutir fait divers ou “cortinas de fumo” – faz parte da estratégia militar –, mas sim, discutir o que é essencial, para que interna e externamente se saiba o que querem os Oficiais de Justiça.

      Também defende este Sindicato que, insinuar-se que “a Ministra da Justiça mentiu” é uma “cortina de fumo” que esconde a posição do atirador, pois que se a intenção fosse rebater o que a Senhora Ministra afirmou, então bastaria ter sido dito:

      Defendemos que a matéria da aposentação e a integração do suplemento devem ser destacadas e ser negociadas já. Foi o que fez o SOJ!

      Há que assumir as posições com frontalidade, pois que, se assim acontecesse, e de facto só houvesse uma posição, o Parlamento – e toda a carreira -, teria de concluir que a Senhora Ministra se escudou num “instrumento” inexistente, para fazer vingar a sua “razão”. Isso seria, do ponto de vista político e ético, bastante grave. Mas isso não foi feito e esse é o facto!

      Reparemos que, ainda assim, sem que isso tenha sido feito – não foi retirado o “instrumento” que suporta a “razão” da Ministra -, o SOJ considerou e considera, altamente criticável que um membro do governo possa invocar “razões instrumentais” para não cumprir a lei. Isso mesmo tornou o SOJ público e informou aos deputados.

      Imaginemos, por exemplo, que um sindicato considera que a castração química deve ser aplicada aos violadores e defende isso mesmo em reunião com a Senhora Ministra da Justiça.

      Imaginemos, que chamada ao Parlamento e questionada sobre essa prática, por exemplo, nos estabelecimentos prisionais, a mesma afirmasse que sim, era verdade mas que contava com o apoio de um sindicato.

      Será que isso era admissível? É óbvio que não, pois um cidadão, qualquer que seja, tem o dever de cumprir a lei. Mais, é até surreal que um membro do Governo possa afirmar, no parlamento, que não vai cumprir a lei, invocando razões instrumentais e menos ainda que esse membro do Governo seja o Ministro da Justiça.

      O SOJ considera grave que um membro do Governo afirme que não vai cumprir a lei, por razões instrumentais e, mais grave seria, até no plano político, se tivesse sido demonstrado, publicamente, que nunca existiu o “instrumento” - a posição do maior sindicato – de que se socorreu a Ministra da Justiça.

      Isto seria gravíssimo, mas a verdade é que esse “instrumento” nunca foi atacado, pois a carreira preferiu discutir os fait divers, o rasgar das vestes na praça pública, ao invés de discutir as posições, para que interna e externamente todos soubessem o que pretende a carreira.

      Assim, o SOJ concluiu o comunicado esclarecendo que, não existindo qualquer discussão que permitisse à carreira avaliar o que estava em causa, competia-lhe, até por não ter ainda o apoio da maioria dos/as colegas, desenvolver a SUA, reiteramos a SUA, ação, de forma firme, mas discreta, evitando caminhos “minados” e retrocessos que a todos/as penalizariam.

      Dito de outra forma e para que se afastem outras interpretações: o SOJ cumpre a Lei e exige o seu cumprimento, por parte de todas as entidades.

      E, para que fique esclarecido, o SOJ não se rende à posição das maiorias, nem das minorias, pois assume a sua e por ela se bate, para ganho de todos e num exercício de democracia.

      Portugal é um estado de direito democrático e, como acima se referiu, a unicidade sindical acabou e o pensamento único não vingou.

      Por isso, os Oficiais de Justiça sabem que contam com o SOJ na unidade na ação – sempre este sindicato apoiou por exemplo, greves e outras formas de luta decretadas por outros sindicatos –, mas também sabem que assume e defende as suas posições, em prol da carreira que representa.»

ApontarDedo.jpg

      Fonte: “SOJ”.

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:10


9 comentários

De Anónimo a 10.07.2020 às 08:26

Concordo com a apreciação.
A uma posição forte da ministra os pseudo sindicatos deveriam responder com uma posição forte, rápida e visível da opinião pública. Ao invés foram pedir explicações á ministra quando ela foi bem clara.
As férias estão aí e, como era de esperar, tudo na mesma e assim continuará pois os nossos representantes não sabem ou não querem fazer da forma certa. Preferem a palmadinha nas costas a afriontarem a ministra. Sim espécie de sindicatos que deveriam ser os primeiros a ver e a agir e, para além de comunicados, nada mais fazem. Só se afri também um ao outro e não a quem deviam afrontar - a ministra e o primeiro. Se têm medo comprem um cão.

De Jota Man a 10.07.2020 às 08:33

Continuam as galinhas no seu cacarejar na capoeira, a discutir qual o ovo mais redondo o mais perfeito, a crista mais bonita, o papo mais gordo, do milho que os outros pagam, e a deixar e pior ajudar que os oficiais do justiça andem a ser galados e a amochar perante tudo, mas parece que os oficiais de justiça gostam de que vejam se têm ovo, é tudo a amochar batendo asas ao som do cacarejo das galinhas.
Quero lá saber o que dizem, quero la saber quem cacarejou mais. Onde estão os ovos? Quantos pintos nasceram? Chocaram alguma coisa?
Se não, calem-se e façam algo de útil, porque são uma vergonha, só a fazer barulho para defender os vossos poleiros.

De Anónimo a 10.07.2020 às 11:52

Estamos a chegar a meio do mês de julho e ao período das férias e aquela enormidade da declaração da ministra ficará assim incólume, sem uma resposta igualmente enorme, porque tudo isso conta com o consentimento da maioria dos Oficiais de Justiça

Os oficias de Justiça têm os sindicatos a representá-los.
Já estou um pouco saturada de tanto se falar e nada ser feito
Espero resolucão da Acção no SPASul reforma - 2013 -
Espero novo Estatuto.
Tenho 63 anos de idade e 40 de serviço estou desmotivada totalmente mas tenho que trabalhar e dar o melhor como sempre fiz pois é o meu ganha pão .( Desabafo )

De Anónimo a 10.07.2020 às 14:27

Antes de mais e antes que venham dizer que devia estar a trabalhar a esta hora, estou em gozo de férias, no entanto, vejo todos os dias as publicações deste blog.
Malta, é assim: vocês que têm 40 anos de profissão, ou até menos, já se deram ao trabalho de calcular o valor que descontaram (e continuam a descontar) para os sindicatos?
Tenho uma surpresa para vocês: são milhares de euros.
É só multiplicar o valor mensal por doze e este, pelos anos de serviço.
Depois, têm de somar os valores que vos foram descontados pelas greves decretadas (nos últimos anos foram dezenas) e então são números astronómicos. E estamos a falar de dinheiro vosso.
Tenho familiares na Alemanha e lá, sabem o que acontece quando um sindicato decreta uma greve?
Mais uma surpresa: paga o dia aos seus associados. Daí que, apenas se decreta greve quando é o ultimo recurso e as entidades patronais também se apercebem que o caso é para ser levado a sério.
O que se passa aqui: greves e mais greves, de preferência às sextas-feiras. Pergunta: alguém leva a sério?
Quando acima disse que era dinheiro vosso, obviamente já não sou sócio, há imensos anos e sabem uma coisa, nunca senti falta.
Porquê? Já algum tempo que não levava as crianças à festa de Natal, nem sequer levantava o brinquedo, também não participava nos convivios do sindicato, não ia aos seus congressos e quando precisei de reclamar de uma nota da inspeção do COJ, não fui ao advogado do sindicato, eu próprio fiz e...mais uma surpresa: subiram-me a Nota.
E vocês perguntam? mas os sindicatos não são necessários?
Claro que são. Vejam-se os professores, os médicos, os pilotos da Tap, os motoristas de matérias perigosas, as associações de policias, de magistrados, etc.
Mas quem está nos sindicatos, tem de estar para LUTAR pelos seus associados, para dar tudo por eles, não ter medo de afrontar, se calhar, de por vezes, chegar a pisar o risco.
É isso que vemos ao longo dos anos? Não, todos sabemos que não.
São muitos anos, muitas reuniões, muitos salamaleques, muito croquete. É chato contestar pessoas que estimamos.
Quando muito, um comunicado, um postzinho...pode ser que ninguém veja e ninguém se chateie.
Qual é a consequência? Ninguém nos liga nenhuma.
Surpresa final: isto vai continuar assim amigos, porque o statuos quo, não deixe que ninguém chegue lá, as eleições são um pro-forma.
Foi preciso criar um sindicato ali ao lado, para se dizer alguma coisa (pouca) fora da caixa.
Fui um pouco longo, desculpem, mas pode ser que faça alguém "ver a luz".
Agora, vou ali apanhar um pouco de raios violeta, parece que ajuda a matar o virus.
Abç.

De Anónimo a 10.07.2020 às 17:29

Colega, nós, só por nós, nada podemos fazer. Os homens do leme nesta luta - SINDICATO(S) – optaram (pelo menos o de maior dimensão), há muito, por enterrar a cabeça na areia e receberem palmadinhas nas costas, não nos representando e não nos direccionando na luta.
A ministra, sabedora de tal, e de que não iria ser confrontada, fez as afirmações que fez e, dorme, de consciência tranquila.
Outro galo cantaria e outras afirmações a Sra. Ministra faria se soubesse, ou sequer suspeitasse, que iria ter a resposta certa – confrontada publicamente com o facto de não cumprir a lei.
Atenção que é mesmo uma lei, não é um qualquer decreto-lei ou portaria oriundo do governo, mas uma LEI oriunda da Assembleia da República.
Há quatro/cinco anos, por esta altura, andava-mos com estas questões a serem discutidas (recordam-se das reuniões nas comarcas com membros da direcção do SFJ?) e, actualmente, parece que o tempo não passou, as preocupações são as mesmas.
Precisamos de liderança. Tinha-mos quase conquistadas as duas principais pretensões da classe e vão fugir-nos por entre os dedos, devido á inércia de quem nos representa.

De Anónimo a 10.07.2020 às 19:15

Mas será que com este conformismo e inércia dos Sindicatos, mais algum deputado vai ter pachorra para ouvir as nossas reivindicações?!...

"Pobres e mal agradecidos"!

O Parlamento na Lei do Orçamento reconheceu as principais reivindicações dos Oficiais de Justiça.

E agora?

A seguir às férias começa-se a preparar o Orçamento do Estado para o próximo ano e, com grande probabilidade, não vai replicar estas normas devido à atual conjuntura e sobretudo por fomos "pobres e mal agradecidos"!

Se isso vier a acontecer o SFJ tem que assumir essa responsabilidade!

Não aceitou, pelo menos as negociações em separado do estatuto da aposentação e da integração do suplemento no vencimento, apesar dos comunicados atrapalhados que emitiu tardiamente a dizer que não foi bem assim.

Se não foi assim, convoque de imediato uma conferência de imprensa a explicar o sucedido e a exigir à Senhora Ministra da Justiça a reposição da verdade e o inicio das negociações.



De Anónimo a 10.07.2020 às 17:41

Parafraseando o que já por aqui li junto-me ao movimento:

"Venha lá a requalificação para assistente técnico. Depois, ála que se faz tarde para uma qualquer repartição pública perto de casa. Quem quiser que feche a porta".

De Anónimo a 10.07.2020 às 23:54

Aqui se vê a divisão da carreira. Uma carreira da treta. Muitos têm muito orgulho na carreira. Foi porque chegaram a Escrivães ou Secretários ou Administradores ou mesmo a adjuntos. Já aqueles que a mais de vinte anos não saem da sepa torta não têm orgulho nenhum. Há mais de vinte anos que se fala na integração do suplemento e hoje ainda se fala no assunto! Faz me lembrar o Sr Belmiro de Azevedo quando disse: "Em 1980 o comboio rápido demorava Lisboa Porto duas horas e meia, trinta anos depois o comboio rápido Lisboa Porto demora duas horas e meia." Está divisão da carreira reparei nela logo que entrei. E acontece nas próprias secretarias. É cada um por si, maus ambientes, colegas atolados em trabalho enquanto outros fingem que trabalham e as chefias sabem e permitem. Em dias de greve ou em outras situações mais recentes, Escrivães que atravessam as secretarias de uma ponta à outra e perguntam se está presente algum 'escriturário " para fazer o correio porque na secção dele só tem adjuntos!! Isto é uma divisão na carreira onde o estatuto não está a ser cumprido. Estas e muitas outras situações do género, são divisões na carreira. Todos assistem e ninguém diz nada.... para não criar maus ambientes e assim vai reinando a paz podre. Por isso vão correr mais vinte anos e estaremos ainda a falar do suplemento. Nível 3??😁 😁 É para rir. Alguns nem para nível 2 servem ! Carreira??

De Donzilia Santos a 14.07.2020 às 21:56

Belo retrato do seu local de trabalho. "Nem para nivel 2 servem.." será verdade, mas esses existem em todas as carreiras! Alguns nem sabem escrever: está aqui à vista."Paz podre..." se calhar nāo querem que termine e nada fazem.Todos ganham, até o Anónimo das 23:54.
Tenho orgulho na carreira e tretas leva-as o vento.
Há outras carreiras fora.É experimentar para ver.Só faz falta quem quer estar e trabalhar!

Comentar Artigo



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt
.................................................. INICIATIVAS COMPLEMENTARES:
..................................................
MEDIDAS e Sugestões de Proteção Prática para Oficiais de Justiça
Veja a compilação de sugestões recebidas até ao momento e envie o seu contributo para o e-mail:
OJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

..................................................
PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Legislação e Publicações Relevantes - Lista com seleção diária de legislação e outras publicações relevantes em Diário da República e noutras fontes.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Lista de Alojamentos
Anúncios de Procura e de Oferta de alojamentos para Oficiais de Justiça. Contacte pelo e-mail dedicado:
ProcuraAlojamento@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Grupo WhatsApp para Oficiais de Justiça
A comunicação direta de, para e com todos. Saiba+Aqui

..................................................
Lista de Anúncios para Partilha de Carro
Boleias e partilhas de lugares nos carros, sejam diárias, aos fins-de-semana, para férias ou ocasionais, anuncie a disponibilidade e contacte pelo e-mail dedicado:
PartilhaDeCarro@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Acordos & Descontos para Todos - Lista de descontos para Oficiais de Justiça oferecidos por empresas privadas.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Veja por aqui + informação sobre o Perfil / Autoria da página
+
Veja também por aqui o Estatuto Editorial e a Direção desta publicação
..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
808 24 24 24 - SNS 24 / Saúde 24
(custo de chamada local)
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Vai ser "bonito", vai, a partir de Setembro. Com o...

  • Anónimo

    Já não é novidade este ziguezague!Inicialmente com...

  • Anónimo

    Não abandonem, EXIJAM.

  • Anónimo

    Abandone-se tal Sindicato inoperante. Sem sindicos...

  • oficialdejustica

    Boa noite Ana!Não, não há nenhuma previsão. Há nec...

  • Anónimo

    Para assistente técnico têm saído alguns aos quais...

  • Ana

    Boa noite, Há alguma previsão para abertura de nov...

  • Anónimo

    Onde para o SFJ?!... Este inexplicável silêncio pr...

  • Anónimo

    LIDERANÇA PRECISA-SE , PODE SER QUE SEJAM ESTES.O ...

  • Anónimo

    A ser assim, qualquer dia sujeitamo-nos a um episó...

  • Anónimo

    A preocupação deve ser exclusivamente os processos...

  • Anónimo

    Luís Miguel Caldas diz que a preocupação não deve ...

  • Anónimo

    A arte esquecida nos tribunais é a desenvolvida di...

  • Anónimo

    A arte esquecida nos tribunais é a desenvolvida di...

  • Anónimo

    Eu apostava no "69", a chamada pescadinha de rabo ...

  • Anónimo

    Concordo. Os botas de elástico de sempre. São como...

  • Anónimo

    Pois. E mesmo assim querem passar esses "técnicos"...

  • Anónimo

    ... é o venha a nós. Responsabilidade social é zer...

  • Anónimo

    Mas isso foi com o que veio acabar o governo de Pa...

  • Anónimo

    O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público...

  • Anónimo

    Obrigado colega pelo seu comentário.Pelo menos eu ...

  • Anónimo

    Delegar, delegar, delegar nos OPC e nos Oficiais d...

  • Anónimo

    URGENTE - Preciso de saber os números do euromilhõ...

  • Anónimo

    E porque não?Desde que negociado e com contraparti...

  • Anónimo

    👍




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no WhatsApp, ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- WhatsApp

    7- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................