Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oficial de Justiça

Bem-vindo/a ao DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL publicação periódica independente com 7 anos de publicações diárias especialmente dirigidas aos Oficiais de Justiça



oficialdejustica.blogs.sapo.pt
DIÁRIO DIGITAL DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA DE PORTUGAL (DD-OJ)
As publicações desta página podem ser encontradas diariamente em diversas plataformas:
oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt oficialdejustica.blogs.sapo.pt

...............................................................................................................................
| | | - COVID-19
[1] - Compilação de Sugestões de Medidas de Proteção Práticas para Oficiais de Justiça
[2] - Consulte aqui os dados oficiais diários atualizados da DGS e infografias
[3] - Consulte também aqui, em primeira mão, as notícias que a agência Lusa fornece para a comunicação social, entretanto com acesso gratuito

...............................................................................................................................

Quarta-feira, 06.03.19

Sobre o Fim da ADSE

      Periodicamente é anunciado o fim da ADSE, o seu colapso e a consequente e desejada inevitabilidade de a ver rendida aos interesses privados, seja quanto ao negócio das seguradoras, seja quanto ao negócio dos grande grupos hospitalares.

      A ADSE é um grande obstáculo que faz com que tais interesses privados não lucrem mais milhões do que aqueles que já vão lucrando. A ADSE é, pois, um alvo a abater para que pululem mais seguros e mais benefícios para as empresas privadas de saúde.

      Depois do alvo sempre fácil de atacar e descredibilizar como é o Serviço Nacional de Saúde, há que abater a ADSE.

      Desde há dias que corre a notícia de que a ADSE não tem dinheiro e que só poderá sobreviver se o Estado lhe injetar mais capital, como se fosse um “banco mau”. É mais um episódio da novela que contém um enredo iniciado já com as ameaças de corte de relações e mesmo cortes de facto.

      Aliás, desde há muito que quando se pretende marcar uma consulta, quem diz ser beneficiário da ADSE, automaticamente é empurrado para longe, semanas ou meses até, enquanto que outros, com cartões de saúde ou seguros de saúde obtêm a mesma especialidade quase ao dia.

      Por outro lado, algumas especialidades estão a ficar fora dos acordos em muitas unidades hospitalares, mas não é só com a ADSE mas também com os seguros privados e outros subsistemas. A afluência é tanta para algumas especialidades e as marcações tão solicitadas que as unidades hospitalares privadas começam a dar-se ao luxo de só aceitar quem paga por inteiro sem qualquer acordo com qualquer subsistema ou seguro, porque, obviamente, é muito mais lucrativo. Note-se que algumas especialidades estão a cobrar 90 euros e mesmo mais por consulta normal e periódica nos grandes grupos hospitalares e, mesmo assim, as agendas estão cheias. Por isso rejeitam não só a ADSE como qualquer seguro, porque já podem fazê-lo.

      O negócio da saúde está a tornar-se mais agressivo e competitivo, especialmente desde as grandes fusões dos últimos anos, que fizeram surgir grupos de dimensão considerável que pretendem dominar o mercado, impondo as suas novas condições neste novo estado de sítio da saúde em Portugal.

      É nesta panorâmica que a ADSE surge como um empecilho ao lucro e, por isso se vem lançando todo o tipo de ataque de descredibilização, tendo como propósito imediato a sua rendição aos grandes interesses financeiros e, ou, o seu fim.

      A ADSE tem vindo a desmentir muitas notícias propaladas pela comunicação de massas mas não consegue reverter quase nada e os cidadãos e beneficiários têm, regra geral, muito pouco poder crítico e grandes falhas de atenção e discernimento.

      A abertura de um telejornal na RTP1 com José Rodrigues dos Santos a afirmar perentoriamente e com múltiplas expressões faciais que a ADSE está sem dinheiro é algo que convence logo ali toda a agente, ainda que na peça jornalística logo de seguida emitida se diga que existe um excedente de 500 milhões de euros; já ninguém ouviu. Se estar sem dinheiro é ter um excedente de 500 milhões de euros…

      Isto acontece na comunicação social e aconteceu há dias na televisão pública nestes precisos termos, aliás, até repetimos a passagem andando para trás no vídeo e não foi para gozar com as expressões faciais que o jornalista gosta de vincar como um traço distintivo que julga ficar-lhe bem, mas para verificar o disparate da afirmação com que abriu a notícia, contradizendo-se logo de seguida.

      Com notícias destas, a ADSE está de facto perdida e nada pode contra esta comunicação de massas que não busca a verdade mas o espetáculo e as audiências.

      A ADSE tem de facto um défice, em relação ao serviço que presta e ao número de beneficiários pagadores. No entanto, ainda assim, não está sem dinheiro e não vai acabar por isso nem muito menos já.

      O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE garante que o subsistema de saúde dos funcionários públicos ainda pode viver vários anos em défice.

      A ADSE poderá precisar de incorporar mais 100 mil beneficiários para sobreviver mais anos, estando dependente de realização de algumas iniciativas e alterações, muitas delas já antes anunciadas e ansiosamente aguardadas por muitos mais do que 100 mil potenciais beneficiários.

      O alargamento do subsistema a, pelo menos, mais 100 mil trabalhadores com contratos individuais na administração pública e pela adoção de instrumentos de controlo da despesa e dos “consumos excessivos promovidos por prestadores e mesmo a fraude”, são assuntos abordados num documento-estudo recentemente divulgado como se fosse uma descoberta quando é algo que já há anos se sabe e se perspetiva.

      Em declarações à TSF, João Proença, presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, rejeita qualquer crise na ADSE.

      «Dizer que, em 2021, a ADSE terá problemas é falso», afirmou o responsável. «A ADSE tem um saldo acumulado de mais de 500 milhões de euros que lhe permitiria viver durante muitos anos com défice.»

      João Proença refere que, mesmo que não fossem tomadas quaisquer medidas até 2021, a ADSE teria apenas de recorrer ao saldo acumulado. Se, durante vários anos, recorresse ao mesmo método, aí sim: o saldo da ADSE haveria de esgotar-se um dia, mas já na década de 2030.

      O presidente do Conselho Geral de Supervisão admite que a ADSE precisa de mais beneficiários, mas assegura que a situação está longe de ser de risco e mesmo que nada se venha a mudar até à década de 2030 não haveria de acabar.

      João Proença considera que o alargamento do subsistema de saúde a trabalhadores com contratos individuais de trabalho será fundamental, não só para incorporar mais receita mas também para introduzir uma renovar nos envelhecidos beneficiários e por uma questão de justiça.

      “A entrada desses trabalhadores reforçaria a sustentabilidade da ADSE, porque seriam trabalhadores muito mais jovens (...) e porque aumentaria as receitas no imediato”, aponta, acrescentando que o subsistema tem um problema de receitas porque está limitado à Administração Pública, que, nos últimos anos, tem admitido muito poucos trabalhadores.

      Mais urgente, para João Proença, é que o Estado pague as dívidas que mantém pela isenção dos beneficiários com pensões abaixo do salário mínimo.

      “Quando uma pessoa passa a reforma e a reforma é inferior ao salário mínimo, essa pessoa está isenta de pagar contribuições. Esses beneficiários isentos, que hoje são superiores a 57 mil, custam à ADSE mais de 35 milhões de euros por ano”, explicou.

      “É uma medida de caráter social e, portanto, deve ser paga pelo Orçamento do Estado. O Estado deve pagar as contribuições que isentou”, insistiu João Proença.

      O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE defende que é preciso controlar os gastos com despesas de saúde e aumentar a fiscalização da fraude.

      A ADSE afirma que já está a tomar medidas, mas necessita de mais funcionários e o Estado ainda não cumpriu a promessa de reforço dos quadros, feita no último ano.

      Em suma não temos uma ADSE em falência imediata mas, a continuar sem nada alterar tal poderá suceder daqui a mais de uma década. Claro está que, entretanto, algo se fará e, apesar de todos os ataques, de momento, a estrutura está capaz de os aguentar.

      Os beneficiários não têm por que se preocupar com o fim da ADSE, apenas têm que se preocupar em escolher criteriosamente as unidades de saúde e os prestadores de cuidados de saúde, preferencialmente de menor dimensão, em substituição daqueles que quase diariamente tudo fazem para acabar com este que é, afinal, o seguro de saúde corporativo de quase todos os funcionários públicos.

ADSE-NovaImagemJAN2017.jpg

      O conteúdo deste artigo é de produção própria e contém formulações próprias que não correspondem a uma reprodução de qualquer outro artigo de qualquer órgão de comunicação social. No entanto, este artigo tem por base informação colhida na comunicação social que até pode estar aqui parcialmente reproduzida ou de alguma forma adaptada. Pode aceder às fontes ou à principal fonte informativa que serviu de base ou mote a este artigo, através da(s) seguinte(s) hiperligação(ões): “TSF”.

por: GF
oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 08:06


2 comentários

De Anónimo a 06.03.2019 às 21:49

Algum mundo (algumas pessoas) é crudelíssimo.
Vejam como os antropogafos se alimentam a si mesmos e forçam os outros a comer carne humana ns falta de outro alimento.
Parecem corvos a devorarem cadáveres abandonados.
O Ex.mo Desembargador, Dr. Neto de Moura não merece isto e está muito acima disto.
Enalteçam as qualidades deste Senhor Juiz que são muitas.
Até a Senhora Dona Catarina Furtada e o Senhor Sousa Tavares, em proveito próprio, não se coíbem de meter uma garfada à boca.
Gente culta e inteligente não faria isso.

De Anónimo a 06.03.2019 às 23:03

O que está esquerda de caviar (bloco de esquerda é agora também PCP e PS) disseram aquando da aprovação do orçamento de estado em 2015 quando os descontos para a adse passaram para 3,5 %.
Quem não se lembra?
Eram excessivos, era um roubo que faziam aos funcionários públicos, era para financiar outras despesas do estado, era um imposto encapotado etc...
Agora não chega o sistema está falido!

Comentar Artigo



BandeiraPT oficialdejustica.blogs.sapo.pt
.................................................. INICIATIVAS COMPLEMENTARES:
..................................................
MEDIDAS e Sugestões de Proteção Prática para Oficiais de Justiça
Veja a compilação de sugestões recebidas até ao momento e envie o seu contributo para o e-mail:
OJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

..................................................
PERMUTAS para Oficiais de Justiça (Lista de Permutas)
Veja os pedidos existentes e envie os seus para o e-mail dedicado:
PermutasOJ@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Legislação e Publicações Relevantes - Lista com seleção diária de legislação e outras publicações relevantes em Diário da República e noutras fontes.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Lista de Alojamentos
Anúncios de Procura e de Oferta de alojamentos para Oficiais de Justiça. Contacte pelo e-mail dedicado:
ProcuraAlojamento@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Grupo WhatsApp para Oficiais de Justiça
A comunicação direta de, para e com todos. Saiba+Aqui

..................................................
Lista de Anúncios para Partilha de Carro
Boleias e partilhas de lugares nos carros, sejam diárias, aos fins-de-semana, para férias ou ocasionais, anuncie a disponibilidade e contacte pelo e-mail dedicado:
PartilhaDeCarro@sapo.pt
Consulte a lista aqui

saiba+aqui
..................................................
Estatuto dos Oficiais de Justiça EOJ - Para assuntos relacionados com o Estatuto em apreciação use o e-mail dedicado:
Estatuto-EOJ@sapo.pt

veja+aqui
..................................................
Histórias de Oficiais de Justiça (Compilação)
Envie histórias, peripécias, sustos, etc. para o e-mail dedicado:
HistoriasDeOficiaisDeJustica@sapo.pt

saiba+aqui

..................................................
Acordos & Descontos para Todos - Lista de descontos para Oficiais de Justiça oferecidos por empresas privadas.
Consulte a lista aqui
saiba+aqui

..................................................
Endereço Geral da página - Para assuntos diversos, use o endereço de e-mail geral:
OJ@Sapo.Pt

..................................................
Veja por aqui + informação sobre o Perfil / Autoria da página
+
Veja também por aqui o Estatuto Editorial e a Direção desta publicação
..................................................
Dúvidas sobre a Justiça?
Ligue para a Linha Justiça
(MJ) (chamada gratuita):
800 910 220
(das 9h às 19h nos dias úteis)
saiba+aqui e veja também o portal da Justiça em justiça.gov.pt
..................................................
Linha de Emergência Social:
Apoio da Segurança Social e do Ministério da Justiça:
144 (Linha Gratuita 24 h)
saiba+aqui
Linha da Segurança Social:
300 502 502 (das 09h às 18h)
..................................................
Outras Linhas de Apoio:
808 24 24 24 - SNS 24 / Saúde 24
(custo de chamada local)
800 209 899 - SOS Voz Amiga
(das 16h às 24h) (gratuita)
808 237 327 - Conversa Amiga
(das 15h às 22h) (gratuita)
239 484 020 - SOS Estudante
(das 20h à 1h)
222 080 707 - Telf. Esperança
(das 20h às 23h)
800 990 100 - SOS Pessoa Idosa
(das 10h às 17h) (gratuita)
..................................................

Meteorologia

Porto
Lisboa
Faro

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Para Contactar:

Para mensagens breves pode usar a caixa de mensagens abaixo (mensagens instantâneas) ou usar o endereço geral de e-mail: oj@sapo.pt para mensagens maiores, com imagens ou anexos ou se quiser uma resposta.

Mensagens Instantâneas

Na caixa de mensagens abaixo pode enviar qualquer tipo de mensagem de forma simples e rápida. Basta escrever, carregar no botão "Enviar" e já está. Estas mensagens são anónimas, não são públicas nem são publicadas. Como as mensagens são anónimas se quiser resposta indique o seu e-mail.

Mensagens

Subscrever para receber e-mail

Pode receber no seu e-mail cada artigo aqui publicado, para isso basta indicar o seu e-mail e depois ir lá confirmar a subscrição na mensagem que lhe será enviada. Simples, automático e recebendo cada artigo logo que publicado. .................................................

Escreva abaixo o seu endereço de e-mail:

Não esqueça ir depois ao seu e-mail confirmar a subscrição (se ocorrer avaria comunique).


Comentários

Pode comentar cada artigo e responder a comentários já existentes. Os comentários podem ser anónimos ou identificados e o conteúdo não é previamente (mas posteriormente) verificado.
Para comentar os artigos selecione "Comentar".
Os comentários são públicos. Para mensagens privadas use a caixa de mensagens ou o e-mail.
Os comentários ou respostas colocados pela administração da página surgem identificados como "oficialdejustica" e clicando no nome acede ao perfil da página. Não se identifique com nomes e de forma igual ou parecida com a referida designação.
Os comentários e as críticas não devem atingir pessoas mas apenas ideias. A discussão deve ser saudável, construtiva e digna. Serão eliminados os comentários que se julguem inadequados.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Espero sinceramente que o estatuto fique como está...

  • Anónimo

    Não tenho roupa preta.

  • Anónimo

    Esta malta dos sindicatos deveria dar lugar a outr...

  • Anónimo

    A verdade é que se O SFJ tivesse ido atrás do SOJ ...

  • Anónimo

    Uma simples opinião: (entre uma digitalização)Que ...

  • Anónimo

    Completamente de acordo.

  • Jota Man

    Mais conversa a discutir quem disse o quê, quem fa...

  • Anónimo

    Este comentário do SOJ e a seguir o do SFJ são mai...

  • Anónimo

    Venha lá a requalificação para assistente técnico....

  • Anónimo

    E ele a bater no ceguinho! Tumba tumba ....

  • Anónimo

    JUSTIÇASindicato dos Oficiais de Justiça apresenta...

  • Anónimo

    O SOj continua a emitir comunicados, a DGAJ não es...

  • Anónimo

    Conforme refere o SOJ:"maioria quererá manter o st...

  • Anónimo

    O que o soj diz no Facebook, tem até um esclareci...

  • Anónimo

    Está lançada a confusão! Então, há ou não há promo...

  • Anónimo

    A insatisfação e o protesto da classe é mais do qu...

  • oficialdejustica

    Obrigado pela confirmação e alerta relativo às seg...

  • oficialdejustica

    Obrigado pelo alerta. De facto, havendo já quem te...

  • Jota Man

    Nessa parte tem toda a razão, mas porquê falar em ...

  • Anónimo

    Boa ideia. Original...

  • Anónimo

    É verdade. Eu estou nessa situação e não se diga q...

  • Anónimo

    Na área da justiça há de facto injustiças que não ...

  • Jota Man

    Tem toda a razão desta lista já contam os da prime...

  • Anónimo

    Ah sim, decretar greve com uma boa parte dos OJ de...

  • Anónimo

    Caro colega, Desta última lista, fazem parte os da...




oficialdejustica.blogs.sapo.pt

Ligações

Ligações de INTERESSE:

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações a LEGISLAÇÃO

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  • Em alguns casos, pode não ver todo o documento mas só a primeira página. Baixe o documento para o ver e ficar com ele na totalidade.

  •  
  • _______________________

  •  
  • Ligações a DOCUMENTOS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • Ligações dos TRIBUNAIS

  •  
  •  
  • ________________________

  •  
  •  
  • POR e PARA Oficiais de Justiça

  •  
  •  
  • ________________________


    Onde encontrar o Ofici@l de Justiç@?

    Os artigos aqui publicados são distribuídos por e-mail a quem os subscrever e são ainda publicados no Facebook, no Twitter, no "Blogs Portugal", no "Reddit" e no WhatsApp, ou seja, em 7 plataformas diferentes:

    1- Sapo (oficialdejustica)

    2- Facebook (OficiaisJustiçaPortugal)

    3- Twitter (OfJustica)

    4- Blogs Portugal

    5- Reddit (OficialJustica)

    6- WhatsApp

    7- Assinantes por "e-mail"






    Para além das outras possibilidades de comunicação, se pretender comunicar por e-mail, use o endereço abaixo indicado:

    OJ@SAPO.PT

    .......................................................................................................................